Transporte rodoviário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
AS332 Super Puma Navy.jpg
Este artigo é parte
da série sobre Transportes
Meios...


Aéreo
Animal
Espacial
Ferroviário
Hidroviário
Humano
Marítimo
Rodoviário
Teleférico
Tubular

Veja também...
Tópicos | Portal

O transporte rodoviário é feito por estradas, rodovias, ruas e outras vias pavimentadas ou não, com a intenção de movimentar materiais, pessoas ou animais de um determinado ponto a outro. Representa a maior parte do transporte terrestre. Mais utilizado no Brasil, responsável por 96% do movimento de passageiros e 58% do transporte de cargas.[1]

O transporte rodoviário em sua maioria é realizado por veículos automotores, como carros, autocarros e caminhões. Segundo a ANTT, existem cerca de 130 mil empresas de transporte de cargas no Brasil com mais de 1,6 milhões de veículos que oferecem trabalho, diretamente, a pelo menos 5 milhões de pessoas. Segundo o Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro - COPPEAD, o transporte corresponde a 6% do PIB nacional.

Na logística, o transporte rodoviário é uma das áreas mais importantes. Segundo a COPPEAD, os custos com transporte chegam a 60% dos custos logísticos e a redução de custos nessa área é muito importante, pois corresponde em média 20% do custo total das empresas. Cada vez mais as empresas estão de olho nessa fatia do mercado, pois o transporte no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 46,2 bilhões e movimentar quase 3/5 do total de carga do país.[1]

Custos do transporte rodoviário[editar | editar código-fonte]

O transporte rodoviário é o transporte feito por estradas, rodovias, ruas e outras vias pavimentadas ou não, com a intenção de movimentar materiais, pessoas ou animais de um determinado ponto a outro.

Algumas das variáveis que envolvem os custos de transporte podem ser citadas:

  • Remuneração do capital;
  • Pessoal (motorista);
  • Seguro do veículo;
  • IPVA / seguro obrigatório;
  • Custos administrativos;
  • Combustível;
  • Pilas;
  • Pneus;
  • Lubrificantes;
  • Manutenção;
  • Pedágio.
  • Estado de conservação das rodovias, geralmente precário, custos com pedágios e manutenção ainda são sérios problemas que afetam o setor.
  • Alto custo dos combustíveis, emissão de gases poluentes na atmosfera, problemas com manutenção de veículos e etc.

Somente com o cálculo dos custos pode se propor uma política de redução de custos.[2] Os custos, como em toda operação, são divididos em custos fixos e variáveis.

Os custos fixos são todos os custos que ocorrem de maneira independente ao deslocamento do veículo; e variáveis são os custos atribuídos por quilometragem percorrida pelo veículo.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Este é o principal sistema de transporte no Brasil. Por ele passam 58% das cargas movimentadas no País, contra 25% por ferrovia, 13% por hidrovia, 3,6% por dutos e 0,4% por modo aéreo.[1]

Na segunda metade da década de 1990, o setor de transportes passou por uma grande transformação devido ao grande número de privatizações de rodovias feitas pelo governo federal, havendo maior participação de capital privado.

Recentemente foi aprovado a Lei nº 11.442, de 5 de janeiro de 2007, que regulamenta o exercício da atividade de transporte rodoviário de cargas no Brasil.

Vale lembrar que a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) é o órgão regulador do transporte rodoviário no Brasil.[3]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo Transportes em Portugal.
Ícone de esboço Este artigo sobre transportes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. a b c BRASIL. Plano Nacional de Logística e Transporte (PNLT).
  2. LIMA, Maurício Saroco Pimenta. - O custeio do transporte rodoviário [Em linha]. São Paulo: ILOS, 2001. [Consult. 10 Mar. 2009]. Disponível em: <URL:http://www.ogerente.com.br/log/dt/logdt-custeio_transporte_rodoviario.htm>.
  3. http://www.antt.gov.br/