Ângelo Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ângelo Machado
Nascimento 22 de maio de 1934 (82 anos)
Belo Horizonte, Minas Gerais
Nacionalidade Brasil brasileira
Ocupação Médico, entomólogo, ambientalista e escritor
Prémios Prémio Jabuti 1993

Prêmio José Reis de Divulgação Científica (1995)

Ângelo Barbosa Monteiro Machado (Belo Horizonte, 22 de maio de 1934) é um médico, entomológo e escritor brasileiro.

Como médico criou o Laboratório de Neurobiologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais e conjuntamente com sua esposa Conceição Ribeiro da Silva Machado (Passagem de Mariana, 16 de setembro de 1936 — Belo Horizonte, 23 de agosto de 2007) foi responsável também pela criação do Centro de Microscopia Eletrônica do mesmo instituto.[carece de fontes?]

Como entomologista descreveu cerca de 100 espécies de libélulas. Seu nome foi incorporado a 55 organismos, entre libélulas, borboletas, abelhas, besouros, aranhas e até um fungo, como homenagem de outros pesquisadores. Em 2016 a revista científica Zootaxa dedicou-lhe um número especial comemorativo de seus 80 anos.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ângelo Machado graduou-se em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1958, porém nunca exerceu a profissão, dedicando-se ao ensino e à pesquisa na área de neurobiologia. Em 1963, ainda na UFMG, obteve o título de doutor em Medicina e no período de 1965 a 1967 fez pós-doutorado na Northwestern University, Chicago, EUA.[carece de fontes?]

De volta à UFMG, trabalhou durante muitos anos pesquisando a glândula pineal e o sistema nervoso autônomo, área na qual fez uma de suas descobertas mais relevantes: a formação das vesículas sinápticas de noradrenalina, a partir do retículo endoplasmático liso, nos terminais axônicos.[carece de fontes?]

Também escreveu um livro didático bastante utilizado no ensino de graduação de Medicina, "Neuroanatomia funcional".[carece de fontes?]

Aposentou-se em 1987 como professor titular de Neuroanatomia e submeteu-se a novo concurso para docência, tornando-se professor adjunto de Entomologia. Assim, seu hobby, o estudo de insetos, tornou-se profissão, o que o levou a iniciar um novo hobby: escrever livros para crianças nos quais a temática era a biologia, atividade que lhe rendeu um Prêmio Jabuti em 1993 na categoria de Literatura Infantil. Eventualmente escreveu livros para adolescentes e adultos, como Os fugitivos da esquadra de Cabral (em 2000) e Manual de sobrevivência em festas e recepções com bufê escasso (1998).[3]

Em 2015 doou sua coleção pessoal de 35 mil libélulas catalogadas para a UFMG.[4]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

No dia 12 de maio de 2015 recebeu o prêmio Bom Exemplo. O referido prêmio valoriza ações e trajetórias em cidadania, cultura, educação, esporte, inovação e meio ambiente e destaca a personalidade do ano. A iniciativa é uma parceria entre TV Globo Minas, Fundação Dom Cabral, Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e jornal O Tempo[5][6][7].

Obras literárias[editar | editar código-fonte]

Ângelo Machado tem uma vasta produção literária em que predominam os livros escritos para o público infantojuvenil.[3]

Literatura científica[editar | editar código-fonte]

  • Neuroanatomia Funcional

Literatura infantojuvenil[editar | editar código-fonte]

  • A barba do velho da barba
  • O boto e seus amigos
  • O casamento da ararinha-azul: uma história de amor
  • Chapéuzinho Vermelho e o lobo-guará
  • O dilema do bicho-pau
  • Douradinho, douradão, rio abaixo, rio acima
  • O esquilo esquecido
  • Estraladabão-tão-tão, o trovão
  • A festa de aniversário da Aline
  • Os fugitivos da esquadra de Cabral
  • Gente tem, bicho também: dente
  • Gente tem, bicho também: língua
  • Gente tem, bicho também: garganta
  • Gente tem, bicho também: nariz
  • Gente tem, bicho também: olho
  • O livro do pé
  • Manual de sobrevivência em festas e recepções com bufê escasso
  • O menino e a rã
  • O menino e o rio
  • A outra perna do Saci
  • O ovo azul
  • Que bicho fez o buraco?
  • Que bicho será que a cobra comeu?
  • Que bicho será que botou o ovo?
  • Que bicho será que fez a coisa?
  • O rei careca
  • Será mesmo que é bicho?
  • O tesouro do rei
  • O tesouro do quilombo
  • O velho da montanha: uma aventura amazônica
  • A viagem de Tamar, a tartaruga verde do mar
  • O vô e o vento
  • A mula com cabeça

Referências

  1. «Senhor das libélulas — Ciência Hoje». cienciahoje.uol.com.br. Consultado em 2016-03-04. 
  2. PINTO, ÂNGELO PARISE; MONNÉ, MARCELA L.; PAULSON, DENNIS R., DANIELA M. TAKIYA, ADOLFO R. CALOR, MARCELO DUARTE, FREDERICO F. SALLES & SILVIO S. NIHEI (EDS.) (2016). Living among dragons: A festschrift in honor of Dr. Angelo B. M. Machado on occasion of his 80th birthday (em inglês) Magnolia Press [S.l.] doi:10.11646/zootaxa.4078.1. ISBN 78-1-77557-892-5 Verifique |isbn= (Ajuda). 
  3. a b «Os dois lados de Ângelo Machado» (PDF). Casa da Ciência/UFRJ. Consultado em 2 de novembro de 2016. 
  4. «Angelo Machado doa à UFMG maior coleção de libélulas da América do Sul». Notícias da UFMG. 30 de junho de 2015. Consultado em 30 de junho de 2015. 
  5. http://www.fdc.org.br/imprensa/Paginas/noticia.aspx?noticia=153
  6. https://www.ufmg.br/online/arquivos/038370.shtml
  7. http://redeglobo.globo.com/globominas/premio-bom-exemplo-2016/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.