A Scandal in Belgravia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
"A Scandal in Belgravia"
"Um Escândalo em Belgravia" (BR)
1º episódio da 2ª temporada de Sherlock
Informação geral
Direção Paul McGuigan
Escrito por Steven Moffat
Produzido por Sue Vertue
Direção de fotografia Fabian Wagner
Edição Charlie Phillips
Duração 89 minutos
Exibição original 01 de janeiro de 2012
Convidados
  • Lara PulverIrene Adler
  • Danny Webb — DI Carter
  • Andrew Havill — Equerry
  • Todd Boyce — Neilson
  • Oona Chaplin — Jeanette
  • Nathan Harmer — Phil
  • Rosalind Halstead — Kate
  • Peter Pedrero — Archer
  • Louise Brealey — Molly Hooper
  • Luke Newberry — Policial jovem
Cronologia
"The Great Game"
"The Hounds of Baskerville"
Lista de episódios

"A Scandal in Belgravia" (português: "Um Escândalo em Belgravia") é o primeiro episódio da segunda temporada da série de drama e crime da BBC Sherlock, que segue as aventuras nos dias modernos modernos de Sherlock Holmes. Foi transmitido pela primeira vez pela BBC One em 1 de Janeiro de 2012. Foi escrito pelo co-criador da série, Steven Moffat e dirigido por Paul McGuigan. O episódio foi baseado em "A Scandal in Bohemia", um conto de Sir Arthur Conan Doyle.

O episódio retrata Sherlock Holmes (Benedict Cumberbatch) em um confronto com Irene Adler (Lara Pulver), uma dominatrix que possuía fotos comprometedoras tiradas com um membro feminino da família real. As fotografias são armazenadas dentro de seu telefone móvel, juntamente com outras informações valiosas que faz dela um alvo de várias facções políticas. Sherlock passa boa parte do episódio mantendo o dispositivo fora das mãos do inimigo durante a tentativa de deduzir sua senha. Além da referência ao conto de Doyle, o nome do episódio referência Belgravia, um distrito de Londres ao lado dos fundos de Palácio de Buckingham.

Depois de sua transmissão na BBC One, o episódio consolidou um número de 10.663 milhões de espectadores no Reino Unido. Reações críticas em relação ao episódio foram amplamente positivas, com os comentadores elogiando a escrita, atuação e direção. O episódio causou polêmica por mostrar o caráter de Irene Adler nua; usando ângulos de câmera com cuidado para evitar a exposição de áreas privadas.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Anteriormente[editar | editar código-fonte]

A série segue uma atualização contemporânea das histórias do detetive Sherlock Holmes, de Sir Arthur Conan Doyle. Ao longo da primeira temporada, é revelado que um homem chamado Moriarty, um "consultor criminal", foi, em certa medida, responsável ​​por orquestrar os crimes ao longo dos três episódios. [1][2] No final da temporada, "The Great Game" , Sherlock (Benedict Cumberbatch) e o John Watson (Martin Freeman) ficam cara a cara com o Professor Jim Moriarty (Andrew Scott), que tem snipers apontando diretamente em Sherlock e Watson. Moriarty pretende ter os dois mortos, mas nas cenas finais, Sherlock mira um revólver em um colete com explosivos, ameaçando atirar. [3]

Eventos[editar | editar código-fonte]

Um telefonema para Moriarty interrompe o impasse entre ele e Sherlock. Na sequência do convite, Moriarty deixa Sherlock e John vivo. Sherlock torna-se uma pequena celebridade depois do blog de John, sobre suas atividades. Enquanto investiga um caso, Sherlock e John são apresentadas antes de Mycroft (Mark Gatiss) no Palácio de Buckingham. Ele revela que Irene Adler (Lara Pulver), uma dominatrix conhecida profissionalmente como "a mulher", levou a comprometer fotografias de si mesma e um membro feminino da família real. Eles querem que o par recuperarem o smartphone de Adler. Sherlock e John tentam entrar em casa de Adler. No entanto Adler fica esperando por eles e ela aparece completamente nua, deixando Sherlock incapaz de deduzir nada sobre ela, mas através de um falso alarme de incêndio, ele encontra um esconderijo seguro. Vários agentes da CIA, liderados por Nielson (Todd Boyce), invadem a casa a procura que Sherlock para abrir o cofre. Depois de perceber que a combinação são as medições de Alder, ele o faz. A armadilha no cofre distrai os agentes tempo suficiente para que John e Adler desarmá-los enquanto Sherlock usa a hora de levar o telefone. Adler então Sherlock, pega o telefone, e escapa.

Na véspera de Natal, Sherlock aprende através de texto que Adler lhe enviou seu telefone, o que exige uma senha desconhecida, e percebe que ela será encontrada morta; seu corpo mutilado mais tarde é encontrado e identificado. Uma semana depois, na véspera de Ano Novo, um contatos intermediários de John leva a Battersea Power Station. John fica surpreso ao descobrir Adler, que falsificou sua morte para sacudir seus perseguidores. Sherlock, tendo seguido John, descobre a sobrevivência de Adler. Sherlock retorna para casa para encontrar a equipe de Nielson segurando sua senhoria, Sra Hudson (Una Stubbs) como refém. Sherlock joga Nielson fora de uma janela em vingança. Mais tarde, Adler revela que ela ainda está sendo caçada e pede Sherlock para decifrar um código roubado de um MOD oficial. Ele, sem esforço decifra o código, revelando que ele seja um assento de linha aérea número de atribuição. Os textos de Adler secretamente levam as informações de voo para Moriarty, que por sua vez, descobre os textos de Mycroft, revelando que ele agora está ciente do estratagema MOD para enganar os terroristas que tentam explodir um avião.

Um funcionário do governo traz Sherlock para Heathrow. Ele lembra o Coventry Blitz e suspeita que algo semelhante está acontecendo. Mycroft confirma isso: os governos dos EUA e do Reino Unido decidiram voar num avião não tripulado cheio de cadáveres, para não alertar os terroristas, evitando acidentes. No entanto, como Sherlock involuntariamente ajudou Adler e Moriarty a decifrar o código, o esquema foi frustrado. Adler revela uma lista de exigências para Mycroft, incluindo a proteção, em troca da libertação do conteúdo de seu telefone. Adler provoca Sherlock, dizendo que ele não significava nada para ela. No entanto, Sherlock percebe que ela é intensamente é atraída por ele, como ele já notou seu pulso elevado a sua dilatação da pupila. Ele finalmente descobre a senha e desbloqueia o telefone com a palavra "SHER", de modo que sua tela lê "EU SOU SHER-BLOQUEADO". Com sua alavancagem ter ido, Adler implora por proteção, mas Sherlock e Mycroft levaram-na para baixo.

Alguns meses mais tarde, Mycroft informa a John, que Adler foi decapitada por terroristas em Karachi, no Paquistão, mas pede-lhe para dizer Sherlock vez que ela entrou em um programa de proteção a testemunhas nos Estados Unidos. Sherlock parece aceitar isso e pede o telefone de Adler. Depois de John o deixa, Sherlock relembra sua viagem ao Paquistão, onde ele realmente a resgatou.

Referências no episódio[editar | editar código-fonte]

Estátua de Sherlock Holmes em Edimburgo. "A Scandal in Belgravia" faz referência a esta imagem "clássica" de Holmes criado pelo ilustrador Sidney Paget.

O episódio é baseado no conto de Arthur Conan Doyle "A Scandal in Bohemia", e também faz referência a várias outras aventuras. [4][5] Há referências a inúmeras histórias de Holmes famosas, como "The Greek Interpreter" (neste episódio, o "Geek Interpreter"),[6] "The Speckled Band" (no episódio, o "Speckled Blonde"),[5] "The Naval Treaty" (no episódio, "The Navel Treatment"), "The Illustrious Client" e "The Priory School". Um dos blogs de Watson é intitulado "Sherlock Holmes Baffled", o mesmo título como um filme mudo de 1900, a primeira representação de Holmes no filme. [7] Watson revela seu nome do meio ser Hamish, um aceno para a teoria Dorothy Sayers. Mensagem de texto de Moriarty para Mycroft de "Dear me, Mr. Holmes. Dear me." é a sua nota para Holmes no epílogo de "The Valley of Fear". Como Holmes abre seguro de Adler, ele diz: "Vatican cameos", uma referência a um mistério que é mencionado em The Hound of the Baskervilles.

Produção[editar | editar código-fonte]

Lara Pulver decidiu fazer uma audição para o papel de Irene Adler, quando ela leu o roteiro logo após o envolvimento na série de espionagem Spooks, em que ela tinha interpretado Erin Watts. Ela foi lançada após a reunião Steven Moffat e leitura com Cumberbatch. [8] Pulver disse ao site Digital Spy que Moffat "tinha escrito um papel tão multi-dimensional que eu literalmente mergulhei em sua escrita. Tudo o resto saiu pela janela para mim, pesquisa wise, diferente de [o ângulo dominatrix]. Literalmente, se você procurar o meu computador, você pensaria que eu era uma estrela pornô ou algo assim!"[8] Ela diz que descobriu a vulnerabilidade inicial ao filmar as cenas de nudez" que autorizam "porque ela era incapaz de se esconder atrás de qualquer coisa"! não há nenhuma máscara Esta sou eu, na carne Até o final de tomar dois, ele não era um problema ".[8]

O músico Eos Chater trabalhou como o treinador violino de Benedict Cumberbatch para este episódio. Apesar de tocar de Chater, está na trilha sonora real, Cumberbatch foi obrigado a comparecer para ser um violinista especialista. Para conseguir isso, Chater foi posicionado em conjunto para que ele pudesse sincronizar seu brincando com seu. Ela diz: "No set, eu preciso vê-lo;. Para jogar quando ele levanta seu violino e parar quando ele pára e ele precisa me ver; para copiar meus bowings, a fantasma que eu estou fazendo Em uma cena que eu tenho. para ficar de fora em duas caixas em um elevador de tesoura, observando-o enquanto ele me olha para fora da janela."[9]

Transmissão e recepção[editar | editar código-fonte]

"A Scandal in Belgravia" foi ao ar na BBC One no domingo, 1º de janeiro de 2012. Ele recebeu figuras preliminares a noite, com 8,75 milhões de espectadores, com um 30,9 por cento de quota de audiência. É de Sherlock episódio melhor classificados desde o primeiro episódio da série, "A Study in Pink", que atraiu 7,5 milhões. O episódio ganhou o intervalo de tempo da BBC One, tendo desenhadas mais espectadores do que Harry Potter e o Enigma do Príncipe na ITV1. [10][11] Quando consolidou as classificações finais tidas em conta, o episódio teve um aumento de quase dois milhões de espectadores, totalizando 10.663 milhões de espectadores, tornando-se o quinto programa mais visto da semana. .[12][13] "A Scandal in Belgravia" também viu visões significativos na internet televisão e no aplicativo BBC iPlayer, com mais de 800 mil, vendo o episódio dentro 24 horas após a sua transmissão original, [14] acabou se tornando o programa mais visto de 2012 em Maio, com mais de 2,5 milhões de pedidos. [15] O episódio foi posteriormente repetido no canal digital BBC Three no sábado, 7 de janeiro, 2012 a partir das 19:00, que não censura as cenas de nudez, apesar de ser mostrado a divisão.[16] A reprise foi vista por 883,000 espectadores. [17]

A British Board of Film Classification concedeu o episódio um certificado de 12 para "referências sexuais moderados, violência e ameaça". .[18] O episódio, que é acompanhado por um comentário de áudio por Cumberbatch, Moffat, Gatiss, Pulver e Vertue, foi lançado com o restante da segunda temporada, no Reino Unido em DVD e Blu-ray Disc em 23 de Janeiro de 2012.[19][20]

No Estados Unidos, o episódio estreou na Public Broadcasting Service (PBS) em 6 de maio de 2012 como parte de Mystery Masterpiece!. Foi visto ao vivo por 3,2 milhões de telespectadores, e foi considerado um sucesso pelo serviço, uma vez que dobraram suas classificações médias do horário nobre. [21]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

A reação da crítica ao episódio foi amplamente positiva. Neela Debnath da The Independent observou um "fluxo constante de comédia que correu ao lado do suspense", [22] enquanto Tom Sutcliffe, também para The Independent, elogia "pungência real" de Moffat e como "Mal passa um minuto sem uma linha que vale a pena fazer uma nota". Sutcliffe continua a elogiar "performances encantadoras e grande escrita", e que "a coisa toda é filmado com essa invenção"..[23]

Sarah Crompton, poelo The Telegraph, afirma que "Cumberbatch é totalmente credível como um homem que vive inteiramente em seu cerebelo com pouca consideração para o mundo exterior, fazer Sherlock a representação perfeita de Holmes para os nossos tempos"..[5] Radio Times escritor David Brown concordou, afirmando que a adaptação tem o "coração de Conan Doyle original".[6] Crompton argumenta ainda que as referências frequentes a Holmes mostra como Sherlock "revela em sua própria inteligência". [5] Chris Harvey, também para A Telegraph, escreveu: "Teremos sorte se há um drama que é tão divertido durante todo o ano, então explicando que era bom, parece de alguma forma supérflua".[24] Sam Wollaston da The Guardian diz que a história original de Conan Doyle tem "sido Moffatisada bem como modernizado. Ele começa paralelo, mas, em seguida, vagueia esquerda e direita, para o terrorismo e da CIA parcelas e internacionais e teorias da conspiração complicados. É muito complicado, acho que às vezes." [4] Wollaston mais tarde chamou de "uma pouco de uma confusa miscelânea". [25] Em sua revisão de outra maneira positiva, da Digital Spy Morgan Jeffery sugere que "a resolução para 'o caso Scandal' é talvez um pouco de exagero". [26]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Seguindo a transmissão do episódio, o tablóide Daily Mail informaram que cena de nudez de Irene Adler no início do episódio tinham sido recebidas com desaprovação de alguns espectadores que estavam preocupados que tinha sido mostrado antes da 21:00 com o divisor, antes que o conteúdo orientado para adultos é não suposto ar.[27] Na cena de nudez, ângulos de câmera e a postura corporal ocultaram partes mais sensíveis do corpo. [27] The Guardian afirmou que "não havia mistério sobre a reação do Mail", observando que o papel era "tão indignado por das cenas "que sua história ilustrada" com uma imagem grande blow-up na página". [28] Após a transmissão, um porta-voz da BBC disse: "Estamos muito satisfeitos com a resposta da crítica e público para o primeiro episódio, que tem sido extremamente positiva, e ter recebido nenhuma queixa nesta fase."[29] A partir de 4 de janeiro de 2012, a BBC tinha recebido 102 reclamações" relacionadas com cenas inapropriadas transmitidos antes do divisor", embora "não poderia dizer quando as queixas tinha sido feito, ou quantos vieram antes e depois das histórias do Daily Mail". [16] O regulador Ofcom também recebeu 20 reclamações sobre o episódio, mas eles decidiram que não justificaria uma investigação. [30]

Jane Clare Jones, um estudante de doutorado da ética feminista escrevendo em seu blog no site da The Guardian , criticou representação do escritor episódio Steven Moffat de Irene Adler, argumentando que a sexualização dela foi um passo regressivo. Ela escreve: "Embora original de Conan Doyle é quase um exemplo da evolução do gênero, você tem que se preocupar quando uma mulher sai pior em 2012 do que em 1891." [31] Jones argumenta que, enquanto Adler de Conan Doyle era uma "proto- feminista", Moffat tinha minado "sua perspicácia e agência... não tão sutilmente canalizando o espírito do poder feminista [sic], o poder de Adler tornou-se, nas mãos de Moffat, menos uma questão de cérebros, e muito mais uma questão de saber "o que os homens gostam e como dar a eles... Seu mentor de um plano criminoso astuto foi, foi revelado no final do dia, não o seu próprio fazer, mas depende do conselho do arqui-inimigo de Holmes, James Moriarty."[31] No entanto, Laura Pledger, da Radio Times, listou Adler como uma personagem feminina forte, escrevendo: "Não desde que Scarlett O'Hara tem uma mulher empregada bastante tantos artifícios femininos em busca de seu objetivo final - e com tal ousadia que sente churlish para criticar."[32] Moffat rejeitou qualquer sugestão de que ele ou criação de Conan Doyle abrigou visualizações sexistas, rotulando a alegação de "profundamente ofensivo", e equivocada em que os críticos tinham assumido que ele estava "apresentando os personagens como a forma como ele e é o caminho que deveria ser". Mas, diz ele, tanto Adler e Sherlock "estão claramente definidos como demente - é o amor entre o louco Ele é um psicopata, assim é ela.". [33] Em outra entrevista com WalesOnline, Moffat disse:

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2012, o episódio ganhou três British Academy Television Craft Awards. Moffat foi premiado na categoria melhor escritor por seu trabalho sobre o episódio. Enquanto isso, Charlie Phillips foi premiado em edição: Ficção e da equipe de som (John Mooney, Jeremy Child, Howard Bargroff, Doug Sinclair) ganharam o de som: Ficção. O episódio conseguiu vencer todas as três categorias Craft. [35][36] O episódio foi nomeado para 13 Primetime Emmy Awards, incluindo Melhor Minissérie ou Filme. Benedict Cumberbatch foi nomeado para Melhor Ator em Minissérie ou Filme por sua interpretação de Sherlock e Martin Freeman foi nomeado para Melhor Ator Coadjuvante em Minissérie ou Filme por sua interpretação de Watson. Moffat e Paul MacGuigan também foram indicados para a sua escrita e direção, respectivamente. [37] Em maio de 2013, o episódio ganhou o Edgar Award para melhor episódio em Série de TV.[38]

Referências

  1. Steven Moffat (writer), Paul McGuigan (director), Sue Vertue (producer) (25 de julho de 2010). «A Study in Pink». Sherlock. Séries 1. Episódio 1. BBC. BBC One 
  2. Stephen Thompson (writer), Euros Lyn (director), Sue Vertue (producer) (1 de agosto de 2010). «The Blind Banker». Sherlock. Séries 1. Episódio 2. BBC. BBC One 
  3. Mark Gatiss (writer), Paul McGuigan (director), Sue Vertue (producer) (8 de agosto de 2010). «The Great Game». Sherlock. Séries 1. Episódio 3. BBC. BBC One 
  4. a b Wollaston, Sam (1 de janeiro de 2012). «TV review: Sherlock; Hacks». The Guardian. London. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  5. a b c d Crompton, Sarah (1 de janeiro de 2012). «The timeless appeal of Holmes's sexy logic». Daily Telegraph. London. Consultado em 5 de janeiro de 2012  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "crompton" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  6. a b Brown, David (1 de janeiro de 2012). «A Scandal in Belgravia: full review». Radio Times 
  7. Nollen, Scott Allen (1996). Sir Arthur Conan Doyle at the Cinema. Jefferson, North Carolina: McFarland & Co. p. 249. ISBN 978-0-7864-0269-4 
  8. a b c Jeffery, Morgan (29 de dezembro de 2011). «'Sherlock' Lara Pulver interview: 'Playing Irene Adler is a privilege'». Digital Spy. Consultado em 5 de janeiro de 2012 
  9. Chater, Eos (4 de janeiro de 2012). «How I taught Sherlock Holmes to play the violin». The Guardian. UK. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  10. Millar, Paul (2 de janeiro de 2012). «'EastEnders' Pat death, 'Sherlock' beat 'Harry Potter' ITV premiere». Digital Spy. Hachette Filipacchi Médias. Consultado em 10 de maio de 2012 
  11. Conlan, Tara (3 de janeiro de 2012). «BBC1's Sherlock gets back on the case with nearly 9 million viewers». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 10 de maio de 2012 
  12. «Weekly Top 10 Programmes (select BBC1 and w/e 1 January 2011)». Broadcasters' Audience Research Board. Consultado em 10 de maio de 2012 
  13. «Weekly Top 30 Programmes (select w/e 1 January 2012)». Broadcasters' Audience Research Board. Consultado em 10 de maio de 2012 
  14. Glanfield, Tim (16 de janeiro de 2012). «Sherlock finale intrigues 7.9 million viewers». Radio Times. BBC Magazines. Consultado em 12 de maio de 2012 
  15. «Sherlock episode with naked Lara Pulver most watched show on BBC iPlayer». The Daily Telegraph. 29 de maio de 2012. Consultado em 8 de junho de 2012 
  16. a b Conlan, Tara (4 de janeiro de 2012). «Sherlock: BBC will not remove nude scenes for 7 pm repeat». The Guardian. London. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  17. «Weekly Top 10 Programmes (select BBC3 and w/e 8 January 2011)». Broadcasters' Audience Research Board. Consultado em 10 de maio de 2012 
  18. «SHERLOCK – A SCANDAL IN BELGRAVIA». British Board of Film Classification. 12 de dezembro de 2011 
  19. «Sherlock: Series 2 (DVD)». BBC Shop. BBC Online. Consultado em 10 de maio de 2012 
  20. «Sherlock: Series 2 (Blu-ray)». BBC Shop. BBC Online. Consultado em 10 de maio de 2012 
  21. Kondolojy, Amanda (7 de maio de 2012). «'Sherlock' Series 2 Uncovers Remarkable Ratings». TV by the Numbers. Consultado em 12 de maio de 2012 
  22. Debnath, Neela (1 de janeiro de 2012). «Review of Sherlock 'A Scandal in Belgravia'». The Independent. London. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  23. Sutcliffe, Tom (2 de janeiro de 2012). «Last Night's TV: Sherlock, BBC 1». The Independent. London. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  24. Harvey, Chris (1 de janeiro de 2012). «Sherlock, BBC One, review». Daily Telegraph. London 
  25. Wollaston, Sam (7 de janeiro de 2012). «TV review: Borgen; Sherlock». The Guardian. London. Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  26. Jeffery, Morgan (12 de dezembro de 2011). «'Sherlock': Series Two Preview». Digital Spy. Consultado em 5 de janeiro de 2012 
  27. a b Revoir, Paul (3 de janeiro de 2012). «Lara Pulver naked in Sherlock Holmes: BBC under fire for raunchy pre-watershed scenes». Daily Mail. London. Consultado em 3 de janeiro de 2012 
  28. «BBC1's Sherlock: no mystery about the Mail's reaction». The Guardian. UK. 3 de janeiro de 2012 
  29. «Sherlock nudity before the watershed shocks viewers». The Telegraph. London. 3 de janeiro de 2012. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  30. Ofcom Broadcast Bulletin (PDF) 
  31. a b Jones, Jane Clare (3 de janeiro de 2012). «Is Sherlock sexist? Steven Moffat's wanton women». The Guardian. UK. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  32. Pledger, Laura (8 de março de 2012). «Ten strong TV women». Radio Times. Consultado em 5 de maio de 2012 
  33. Jeffries, Stuart (20 de janeiro de 2012). «'There is a clue everybody's missed': Sherlock writer Steven Moffat interviewed». The Guardian. UK. Consultado em 21 de janeiro de 2012 
  34. Gaskell, Simon (4 de janeiro de 2012). «Sherlock writer Steven Moffat furious with sexist claim». Wales Online. Consultado em 4 de janeiro de 2012 
  35. Goodacre, Kate (14 de maio de 2012). «Sherlock, Frozen Planet, Great Expectations share BAFTA Craft honours». Digital Spy. Consultado em 14 de maio de 2012 
  36. Goodacre, Kate (14 de maio de 2012). «BAFTA TV Craft Awards 2012 winners - in full». Digital Spy. Consultado em 14 de maio de 2012 
  37. «Sherlock: A Scandal In Belgravia - Emmys». emmys.com. Consultado em 20 de julho de 2012 
  38. «2013 Edgar Awards winners announced». theedgars.com. Consultado em 5 de maio de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Avaliações[editar | editar código-fonte]