Almeida Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Almeida Maia
Nascimento 29 de junho de 1979 (39 anos)
Ponta Delgada
Cidadania Portugal
Ocupação escritor

Almeida Maia é o pseudónimo literário de Pedro Filipe Almeida Maia, nascido em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, Açores, a 29 de junho de 1979. É um escritor e cronista Português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pedro Almeida Maia cresceu na Canada dos Ingleses, Freguesia de São José, cidade de Ponta Delgada. Iniciou os estudo na Escola Primária da Vitória EB1/JI de São José (onde a docente apelidou-o pela primeira vez de Almeida Maia), transitou para a Escola Básica Integrada Canto da Maia e seguidamente para a Escola Secundária Domingos Rebelo. Licenciou-se em Psicologia na Universidade dos Açores e concluiu o Mestrado Europeu em Psicologia do Trabalho, das Organizações e dos Recursos Humanos (European Master on Work, Organizational and Personnel Psychology), diploma duplo pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Barcelona, sendo a sua dissertação sobre o clima organizacional. Profissionalmente, é Psicólogo do Trabalho e das Organizações.

No ano de 2010 escreveu a sua primeira ficção, o romance policial Bom Tempo no Canal: A Conspiração da Energia, que aborda a indústria da energia geotérmica do arquipélago. Com este texto, venceu o Prémio Literário Letras em Movimento[1] e foi publicado em 2012 pela editora Letras Lavadas do Grupo Publiçor, com o apoio à primeira edição da Direção Regional da Juventude do Governo dos Açores. Apesar da polémica que rodeou o título escolhido pelo autor, uma tentativa de homenagem ao escritor terceirense Vitorino Nemésio (autor de Mau Tempo no Canal), várias críticas enalteceram o seu trabalho.[2][3]

Seguiu-se Capítulo 41: A Redescoberta da Atlântida,[4] o seu segundo romance e a segunda parte da trilogia “John Mello”. Aborda a possibilidade de os Açores já terem sido visitados por outros povos antes da época dos Descobrimentos portugueses, além de a localização da Atlântida perdida de Platão ter sido onde hoje são os Açores. O romance passou a fazer parte do Plano Regional de Leitura a partir do ano letivo de 2013/2014.[5][6]

Em 2014, escreveu Nove Estações, obra que acabou entre as selecionadas para a 4ª edição da Mostra LabJovem (Concurso de Jovens Criadores dos Açores, 2014), organizada pela Associação Cultural Burra de Milho e pela Direção Regional da Juventude, sendo o júri da área da literatura constituído por Joel Neto, Nuno Costa Santos e Rui Zink. O texto mereceu crítica do jornalista e Diretor-Adjunto do Correio dos Açores.[7]

Na poesia, venceu o prémio Discover Azores 2014, organizado pela MiratecArts, com Vinhas e Epigeus[8], no mesmo ano em que foi considerado Escritor do Ano pelo jornal Correio dos Açores. Em 2017, lançou o livro de poesia A Escalada de um Manco [9], que consiste em onze cantos acerca da persistência humana perante o erro e a adversidade, pelas edições e-manuscrito®, iniciativa conjunta da Associação Portuguesa de Escritores e da plataforma Escritores.online.

Integra o projeto baseado na Psicologia Vamos Sentir com o Necas, a série de livros infantis integrada no Panorama Editorial de 2015 do Boletim do Núcleo Cultural da Horta. Editou em 2014, como coautor, Os Vencedores do Medo, que integra o Plano Regional de Leitura desde 2014/2015,[10] e O Primeiro Dia de Aulas. A coleção fundamenta-se na Psicologia e ensina estratégias que contribuem para que as crianças lidem com as emoções de forma sustentada.

Publicou crónica nas rubricas Pavilhão Auricular e Cronicista, além de já ter contribuído para os jornais Terra Nostra, Fazendo, Diário Insular, Correio dos Açores, Açoriano Oriental, Portuguese Times (EUA) e Mundo Lusíada (Brasil).

Escreveu o conto O Galheteiro de Prata, um dos dez selecionados para a Antologia de Contos 2018 do Centro de Estudos Mário Cláudio.

Fez parte do núcleo fundador da PENA (Plataforma de Escrita Nova Açoriana) e do Colectivo NAU (Novos Autores Unidos). Desde março de 2018, integra o Conselho Editorial da editora Publiçor / Letras Lavadas.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Bom Tempo no Canal: A Conspiração da Energia (2012)
  • Capítulo 41: A Redescoberta da Atlântida (2013)
  • Nove Estações (2014)

Literatura infantil[editar | editar código-fonte]

  • Os Vencedores do Medo (2014)
  • O Primeiro Dia de Aulas (2014)

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • A Escalada de um Manco (2017)

Prémios e distinções[editar | editar código-fonte]

  • Prémio Literário Letras em Movimento (2010 - Bom Tempo no Canal: A Conspiração da Energia)
  • Plano Regional de Leitura (2013/2014 - Capítulo 41: A Redescoberta da Atlântida)
  • Prémio Discover Azores (2014 - Vinhas e Epigeus)
  • Escritor do Ano (2014 - jornal Correio dos Açores)
  • Plano Regional de Leitura (2014/2015 - Os Vencedores do Medo)
  • Antologia de Contos do Centro de Estudos Mário Cláudio (2018 - O Galheteiro de Prata)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Férias com livros. Um político assume-se In Açoriano Oriental, Andre Rodrigues, 30 de Jul de 2012
  2. Almeida Maia ou onde nasce a energia In Açoriano Oriental, Artigo Opinião Luís Almeida, 06 de Jul de 2012
  3. O melhor nas artes, o livro e o escritor do ano In Açoriano Oriental,Carlos Melo Bento, 10 de Jan de 2013
  4. Cultura - livros PALOP NEWS.COM
  5. Ler Açores, 3º Ciclo Plano Regional de Leitura de 2013/2014
  6. In Jornal de Letras n.º 1130, Os dias da Prosa, Articulista Miguel Real
  7. In Diário dos Açores, 27 de abril de 2015
  8. Cultura Luciano Barcelos Publicado 16 Jun, 2014
  9. Escritores.online A Escalada de um Manco
  10. Plano Regional de Leitura 2014/2015, Pré-Escolar