Aloísio Stepinac

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aloysius Stepinac)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Beato Aloísio Stepinac
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo de Zagreb
Aloísio Stepinac
Atividade Eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Zagreb
Nomeação 7 de dezembro de 1937
Predecessor Dom Anton Bauer
Sucessor Dom Franjo Cardeal Šeper
Mandato 1934 - 1960
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 26 de outubro de 1930
por Dom Giuseppe Palica
Nomeação episcopal 28 de maio de 1934
Ordenação episcopal 24 de junho de 1934
por Dom Anton Bauer
Nomeado arcebispo 28 de maio de 1934
Cardinalato
Criação 12 de janeiro de 1953
por Papa Pio XII
Brasão
Coat of arms of Alojzije Stepinac.svg
Lema In te Domine speravi
Santificação
Beatificação 3 de outubro de 1998
Marija Bistrica, na Croácia
por Papa João Paulo II
Veneração por Igreja Católica
Festa litúrgica 10 de fevereiro
Dados pessoais
Nascimento Brezarić, Reino da Croácia-Eslavônia, Império Austro-Húngaro
8 de maio de 1898
Morte Krašić, República Socialista da Croácia, Iugoslávia
10 de fevereiro de 1960 (61 anos)
Nacionalidade austríaco
Funções exercidas - Arcebispo-coadjutor de Zagreb (1934-1937)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Aloísio Viktor Stepinac (em croata: Alojzije Viktor Stepinac, Krašić, 8 de maio de 1898Krašić, 10 de fevereiro de 1960) foi um cardeal da Igreja Católica, bem como arcebispo de Zagreb de 1937 até sua morte, em 1960. Foi julgado pelo governo comunista da Iugoslávia após a Segunda Guerra Mundial e condenado por traição e colaboração com o regime Ustaše.[1] O julgamento foi retratado no Ocidente como uma "farsa judicial"[2][3] e tendenciosa contra o arcebispo.[4] Em um veredito que polarizava a opinião pública tanto na Iugoslávia quanto fora dela,[1][5] as autoridades iugoslavas o consideraram culpado da acusação de alta traição (por colaborar com o regime fascista Ustaše), bem como por cumplicidade nas conversões forçadas de ortodoxos sérvios para o Catolicismo.[6] Ele foi condenado a 16 anos de prisão, mas ficou apenas cinco na prisão de Lepoglava antes de ser transferido para prisão domiciliar com seus movimentos limitados à sua paróquia natal de Krašić.

Em 1952, ele foi nomeado cardeal pelo Papa Pio XII. Ele foi incapaz de participar no conclave de 1958 , devido à prisão domiciliar a que tinha sido condenado. Em 10 de fevereiro de 1960, ainda em confinamento no Krasic, A. Stepinac morreu de policitemia e outras doenças que ele contraiu enquanto estava preso.[7] Em 3 de outubro de 1998, o Papa João Paulo II declarou-o um mártir e o beatificou perante 500.000 Croatas em Marija Bistrica próximo a Zagreb.[8]

O seu comportamento durante a Segunda Guerra Mundial, a condenação e seu posterior martírio e a beatificação permanecem controversos. Em 22 de julho de 2016, o Tribunal do Condado de Zagreb anulou sua condenação pós-guerra devido a "violações graves dos princípios fundamentais atuais e antigos do direito penal material e processual".[9] No entanto, alguns afirmam que o julgamento contra A. Stepinac foi "realizado com o devido processo legal".[1] Em julho de 2016, o Ministério das Relações Exteriores da Sérvia afirmou, referindo-se a restauração de Stepinac pela Croácia, que estava "horrorizado com a reabilitação do NDH dos Ustaše[10]

Stella Alexander, autor de The Triple Myth, uma simpática biografia de Stepinac, escreve sobre ele que "duas coisas se destacam. Ele temia o comunismo acima de tudo (especialmente mais que o fascismo) e ele achava difícil crer que algo além dos limites da Croácia, sempre com exceção da Santa Sé, era real. ... Ele vivia no meio de eventos apocalípticos, com responsabilidades que ele não havia procurado. ... No final, tinha a sensação de que ele não era grande o suficiente para o seu papel. Dada suas limitações, ele se comportou muito bem, certamente muito melhor do que a maioria de seu próprio povo, e ele cresceu em estatura espiritual durante o longo período de sua provação."[11] O historiador Jozo Tomasevich escreveu que, enquanto Stepinac deve ser elogiado por suas ações em nome de indivíduos e grupos, bem como suas proclamações gerais de direitos humanos, o fracasso de Stepinac em condenar publicamente o genocídio contra os sérvios, "não pode ser defendido do ponto de vista humanitário, da justiça e da decência comum"[12] O historiador Robert McCormick alegou que Stepinac "continuou sendo um participante tácito no Estado Independente da Croácia (NDH). Por várias vezes ele apareceu em público com o Poglavnik (o líder Ustaše Ante Pavelić) e cantou o Te Deum no aniversário da criação do NDH. O fracasso em denunciar publicamente as atrocidades do Ustaše em nome do NDH equivaleria a aceitar as políticas de Pavelić".[13]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alojzije Viktor Stepinac nasceu em Brezarić, uma aldeia da freguesia de Krašić no Reino da Croácia-Eslavônia, Império Austro-Húngaro em 8 de maio de 1898, de um rico viticulturalista Josip Stepinac e de sua segunda esposa Barbara (nascida Penić). Ele foi o quinto de nove filhos,[16] e ele tinha mais três irmãos de seu pai, do primeiro casamento.[17]

Sua mãe, uma devota Católica Romana, orou constantemente para que ele entrasse no sacerdócio.[14] A família mudou-se para Krašić em 1906.[15] Stepinac frequentou a escola primária na cidade e depois frequentou o ensino médio em Zagreb no período de 1909-15, ficando no orfanato da Arquidiocese de Zagreb.[14] Seguiu-se o estudo no liceu da arquidiocese, já que estava considerando seriamente as ordens sagradas,[17] tendo enviado sua candidatura ao seminário aos 16 anos de idade.[14]

Ele foi recrutado pelo Exército Austro-húngaro para o serviço na Primeira Guerra Mundial e teve de acelerar seus estudos de graduação e pós-graduação antes do previsto. Enviado para uma escola de oficiais da reserva em Rijeka, após seis meses de treinamento, ele foi enviado para servir na frente italiana em 1917, onde ele comandou soldados bósnios.[17]

Após a formação do Estado dos Eslovenos, Croatas e Sérvios, em 1 de dezembro de 1918, ele não era mais tratado como um soldado inimigo e se ofereceu para a Legião Iugoslava, que tinha se envolvido na Frente Salônica.[17] Como a guerra já tinha terminado, ele foi desmobilizado no posto de segundo-tenente, e voltou para casa na primavera de 1919.[18][20]

Após a guerra, ele matriculou-se na Faculdade de Agricultura na Universidade de Zagreb, mas a deixou, depois de apenas um semestre e voltou para casa para ajudar seu pai em seus vinhedos.[21] Seu pai queria que ele se casasse e em 1923, foi brevemente noivo de uma professora, Marija Horvat, mas o noivado foi desfeito.[17][18][22] Em 1922, Stepinac era parte do Hrvatski orlovi (águias croatas) organização desportiva juvenil conservadora Católica e viajou para os jogos de massas em Brno, Checoslováquia. Ele estava na frente da procissão cerimonial do grupo, carregando a bandeira croata.[23]

Em 28 de outubro de 1924, com 26 anos de idade, Stepinac entrou no Collegium Germanicum et Hungaricum em Roma para estudar para o sacerdócio.[18] Durante seus estudos , ele fez amizade com o futuro cardeal austríaco Franz König , quando os dois jogaram juntos em uma equipe de voleibol.[24] Concedida uma bolsa de estudo a ele, passou a estudar para o doutorado em teologia e filosofia na Pontifícia Universidade Gregoriana. Além do croata, era fluente em italiano, alemão e francês.[25]

Ele foi ordenado em 26 de outubro de 1930 pelo arcebispo Giuseppe Palica, vice-gerente de Roma, em uma cerimônia que incluiu também a ordenação de seu eventual sucessor como arcebispo de Zagreb, Franjo Šeper.[18] No dia 1 de novembro, ele proferiu sua primeira missa na Basílica de Santa Maria Maior.[18] Stepinac queria servir as pessoas comuns e queria ser um padre da paróquia.[15]

Ele celebrou sua primeira missa em sua paróquia doméstica de Krašić em 1 de julho de 1931, mas em vez de ser nomeado para uma paróquia, ele foi nomeado como mestre litúrgico de cerimônias para o arcebispo de Zagreb, Antun Bauer, em 1 de outubro. Ele também estabeleceu o ramo arquidiocesano da caridade católica Caritas em dezembro daquele ano,[18] e iniciou e editou a revista Caritas.[26] Ele também administrou temporariamente as paróquias de Samobor e Sveti Ivan Zelina.[17] Por essa altura, Stepinac tornou-se um forte nacionalista croata, mas não estava ativo na Ação Católica ou no movimento católico croata, politicamente conservador. Ele foi considerado "consciente e dedicado à sua obra".[27]

Segunda Guerra[editar | editar código-fonte]

Após a eclosão da guerra em setembro de 1939, a Iugoslávia declarou a sua neutralidade e o Reino Unido trabalhou arduamente para ajudar a Iugoslávia manter a sua posição.[28] Em face da constante pressão crescente da Alemanha e da Itália, em março de 1941, a Iugoslávia tinha sido completamente cercada por membros do Eixo.[29] Nesta situação, alguns altos funcionários do governo estavam defendendo que a Iugoslávia aderisse ao Pacto Tripartite.[30]

Após uma série de atrasos, o príncipe Paulo e o primeiro-ministro Cvetković assinaram o Pacto em 25 de março, mas no dia seguinte, houve manifestações em Belgrado contrárias à assinatura. Nas primeiras horas do dia 27 de março, um golpe de Estado sem derramamento de sangue foi executado.[31] Na sequência do golpe, o novo governo se recusou a ratificar a assinatura do Pacto Tripartite na Iugoslávia, mas não o descartou abertamente.[32] O golpe encontrou pouco apoio com a população croata,[33] e no dia seguinte ao início da invasão, Maček renunciou ao governo e retornou a Zagreb em antecipação à agitação.[34]

um homem em trajes do arcebispo cumprimentando um homem em uniforme militar
Stepinac cumprimentando o líder Ustaše Ante Pavelić

Hitler ficou furioso quando soube do golpe de estado e em 27 de março de 1941, ele ordenou a invasão da Iugoslávia. Começando em 6 de abril, uma força de invasão do Eixo liderada pelos alemães iniciou seu ataque em múltiplas direções, superando rapidamente a resistência limitada iugoslava. Durante a batalha, várias unidades croatas amotinaram-se e outras ficaram mal ou desfiguradas. Em 10 de abril de 1941, com a ajuda dos alemães, a figura sênior Ustaše no país, Slavko Kvaternik, proclamou a criação do Estado Independente da Croácia (em croata: Nezavisna Država Hrvatska, NDH). Os tanques alemães entraram em Zagreb mais tarde naquele mesmo dia e foram recebidos por multidões aplaudindo.[35]

Antes da guerra, os Ustaše foram uma organização fascista, ultranacionalista, racista e terrorista, lutando por uma Croácia independente. Terroristas Ustaše detonaram bombas em trens internacionais com destino a Iugoslávia,[36] e foram condenados no assassinato de 1934 do rei iugoslavo Alexandre I e do ministro francês dos Negócios Estrangeiros em Marselha.[36] Ante Pavelić, Kvaternik e outros líderes Ustaše foram condenados à morte in absentia por um tribunal francês, como verdadeiros líderes do assassinato.[37] Os "17 Princípios" dos Ustaše proclamaram que as pessoas que não tinham sangue croata (isto é, Sérvios e Judeus), não teriam qualquer papel político no futuro estado croata. Em seu tratado de 1936, "A Questão Croata", o líder de Ustaše, Pavelić, lançou o ódio anti-sérvio e antissemita, chamando os judeus de inimigo dos croatas.[38]

No dia 12 de abril, Stepinac visitou Kvaternik e prometeu sua lealdade para com o NDH.[39] No dia seguinte, quando o líder da Ustaše, Ante Pavelić, chegou a Zagreb, Stepinac não participou da recepção, mas visitou Pavelić em 16 de abril. Essas reuniões ocorreram antes da capitulação das forças armadas iugoslavas em 17 de abril.[39] Durante esta reunião, Pavelić afirmou que não seria tolerante com a Igreja Ortodoxa da Sérvia porque era uma organização política em vez de uma igreja. Naquela noite, Stepinac organizou um jantar para Pavelić.[40] Em 27 de abril, Stepinac registrou em seu diário que Pavelić parecia ser "um católico sincero e que a Igreja desfrutaria da liberdade para realizar seu trabalho", embora ele tenha reconhecido que as dificuldades estavam por vir.[41] No mesmo dia, o jornal oficial católico croata Nedelja elogiou Pavelić e Hitler, dizendo:[42]

Deus, que dirige o destino das nações e controla o coração dos reis, deu-nos Ante Pavelić e mudou o líder de pessoas amigas e aliadas, Adolf Hitler, para usar suas tropas vitoriosas para dispersar nossos opressores e nos permitir criar um Estado Independente da Croácia. Glória a Deus, a nossa gratidão a Adolf Hitler e infinita lealdade para com o nosso Poglavnik, Ante Pavelić.

Em 28 de abril, Stepinac emitiu uma encíclica "entusiasmada" para sua diocese sobre a criação do "jovem estado croata",[41] que incluía as palavras:[42]

Nosso povo ficou cara a cara com seu sonho antigo e ardentemente desejado. Os tempos são tais que não é mais a língua que fala, mas o sangue com suas misteriosas ligações com o país, em que vimos a luz de Deus e com as pessoas de quem nascemos. Precisamos dizer que o sangue flui mais rapidamente nas nossas veias, que os corações nos peitos batem mais rápido?... É fácil ver a mão de Deus em ação aqui.

Stepinac instou o clero de sua arquidiocese a cumprir seu dever com o novo estado croata e rezar para que o chefe de Estado, ou seja, o líder Ustashe Pavelić, "pode ter o espírito e a sabedoria para cumprir o trabalho nobre e responsável para a glória de Deus e a salvação do povo na verdade e na justiça"[43]. A carta de Stepinac capturou o que era um sentimento comum entre os nacionalistas croatas e grande parte da Igreja Católica no novo estado.[41] Considerando o papel marginal da Igreja na arena política durante o período entreguerras, a criação do NDH pareceu oferecer a Igreja e o movimento católico croata uma oportunidade. Os líderes do novo estado pareciam dispostos a trabalhar com os líderes da Igreja e, assim, reduzirem a marginalização que a Igreja foi sujeita dentro do estado iugoslavo.[44]

As visitas imediatas de Stepinac a Kvaternik e Pavelić, e sua carta diocesana, ajudaram a Ustaše a consolidar o controle do novo estado,[45] e aumentou sua credibilidade com o povo croata.[46] Cornwell observa que esta carta foi emitida no mesmo dia em que quase 200 sérvios foram massacrados pela Ustaše perto de Bjelovar.[40]

Em 30 de abril de 1941, Pavelić assinou as principais leis raciais - o Decreto Legal Sobre Origens Raciais e o Decreto Legal Sobre a Proteção do Sangue Ariano e a Honra do Povo Croata. Em maio de 1941, Pavelić visitou o Papa. Phayer escreve que Stepinac organizou o público com Pio XII,[47] e "recomendou o ditador à Santa Sé".[48] Ester Gitman escreve que "Stepinac escolheu não se juntar a Pavelić" e que ele recebeu uma audiência privada com o Papa.[26] Pavelić pressionou o arcebispo Stepinac a escrever ao papa Pio XII, através do cardeal Maglione, para solicitar o reconhecimento oficial do Estado Independente da Croácia.[26] A resposta voltou em julho - de acordo com a tradição de longa data durante a guerra, nenhum reconhecimento do Vaticano do NDH estava próximo. Mas o Papa enviou Abbott Marcone como seu visitante apostólico, que atuou como núncio papal, que satisfez o Stepinac, já que ele sentiu que "o Vaticano reconheceu de fato o novo estado".[47]

Apesar de inicialmente receber o Estado Independente da Croácia, Stepinac posteriormente condenou as atrocidades do Estado alinhado contra os judeus e os sérvios.[49] Ele se opôs à perseguição dos judeus e às leis nazistas, ajudou os judeus e outros a escaparem e criticaram as atrocidades de Ustaše em frente à Catedral de Zagreb em 1943.[50] Apesar disso, Stepinac nunca rompeu com o regime de Ustaše e continuou a participar de encontros públicos ao seu lado.[51]

Período pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Stepinac em uma manifestação comunista pós-guerra em setembro de 1945.[52]
Nossa Senhora de Marija Bistrica, onde o Papa João Paulo II beatificou Stepinac em frente a 500.000 Croatas

Após a guerra, em 17 de maio de 1945, Stepinac foi preso.

No dia 2 de junho, líder iugoslavo Josip Broz Tito reuniu-se com representantes da Arquidiocese de Zagreb,[53] , durante o qual ele defendia a ideia de que "a Igreja Católica poderia fazer mais para as pessoas se fosse independente do Vaticano" e mais "nacional", como a Igreja Ortodoxa sérvia.[54] Um dia depois, Stepinac se encontrou com Tito, durante o qual o principal objetivo de Tito foi promover a ideia de uma Igreja Católica autônoma para a Iugoslávia com seu próprio primaz. Isso foi consistente com a política do governo iugoslavo no período imediato da pós-guerra.[55]

No dia 22 de junho, os bispos da Croácia lançaram uma carta pública, acusando as autoridades iugoslavas de injustiças e crimes em relação a eles. Em 28 de junho, Stepinac escreveu uma carta ao governo da Croácia pedindo o fim do processo contra os colaboracionistas nazistas[56] (A colaboração foi generalizada na Iugoslávia ocupada).  Em agosto, foi introduzida uma nova lei de reforma agrária que legalizou o confisco de 85% das explorações da igreja na Iugoslávia.[57]

Durante o mesmo período, o arcebispo quase certamente teve laços com os guerrilheiros Ustaše pós-guerra, os "Cruzados",[1] e trabalhou ativamente contra o Estado.[5] Depois de fugir com Pavelić, Erih Lisak,o último chefe de polícia da Ustaše, em segredo, retornou à Croácia em setembro de 1945, para organizar as forças restantes de Ustaše escondidas nas florestas e ele estabeleceu contato com o escritório de Stepinac e o próprio Stepinac.[58] Ante Moškov, um antigo general da Ustaše, contatou-se com Stepinac, e a polícia descobriu os arquivos da Ustaše e o ouro escondido no porão do arcebispado.[58]

Em setembro de 1945, um sínodo da Conferência Episcopal da Iugoslávia foi realizado em Zagreb, que discutiu o confronto com o governo.[59] Em 20 de setembro, Stepinac publicou uma carta pastoral em que ele afirmou que "273 clérigos haviam sido mortos" desde a tomada do poder pelos partisans, "169 haviam sido presos" e outro "89 estavam desaparecidos e presumidos mortos".[60]

Esta carta pastoral foi lida em igrejas católicas em toda a Iugoslávia, bastante diferente da época em que Stepinac não emitiu uma única carta pastoral condenando os genocídios da Ustaše contra os judeus, ciganos e sérvios. A carta repetidamente condenou os comunistas pelo nome, em grande detalhe, enquanto Stepinac nunca condenou o Ustaše pelo nome, fazendo apenas referências breves e gerais a seus crimes, a públicos muito limitados. A extensa crítica da carta das ações comunistas contra a Igreja Católica, também contrastava com o completo silêncio de Stepinac, observado por Tomasevich, quanto aos enormes ataques da Ustaše contra a Igreja Ortodoxa da Sérvia.[61]

Em resposta a esta carta, Tito falou publicamente contra Stepinac pela primeira vez escrevendo um editorial em 25 de outubro no jornal do Partido Comunista Borba acusando Stepinac de declarar a guerra contra a nova Iugoslávia. Consequentemente, em 4 de novembro Stepinac teve pedras jogadas contra ele por uma multidão de partidários em Zaprešić.[62][63] Tito tinha estabelecido o lema "fraternidade e unidade", como objetivo da federação e política central, a qual não queria ameaçada pela agitação interna. Além disso, com o crescente conflito da Guerra Fria e o aumento das preocupações com a infiltração ocidental e soviética (ver Ruptura Tito-Stálin), o governo iugoslavo não tolerou mais subversão interna dentro da nova federação potencialmente frágil.[1]

Em um esforço para pôr fim às atividades do arcebispo, Tito tentou chegar a um acordo com Stepinac e alcançar um maior grau de independência para a Igreja Católica na Iugoslávia e na Croácia.[64] Stepinac recusou-se a romper com o Vaticano e continuou a condenar publicamente o governo comunista. Tito, no entanto, estava relutante em levá-lo a julgamento, apesar de condenar provas que estavam disponíveis.[1]  Em setembro de 1946, as autoridades iugoslavas acusaram Stepinac de múltiplas acusações de crimes de guerra e colaboração com o inimigo durante a guerra.[1] Milovan Đilas, um importante líder do Partido, afirmou que Stepinac nunca teria sido levado a julgamento "se ele não continuasse a opor-se ao novo regime comunista."[63]

Stepinac condenou publicamente o novo governo iugoslavo e suas ações durante e após a Segunda Guerra Mundial, especialmente pelos assassinatos de sacerdotes por militantes comunistas.[8]

Morte e martírio[editar | editar código-fonte]

Vitrais da Igreja da Virgem Maria de Lourdes, em Rijeka

Em 1953, Stepinac foi diagnosticado com policitemia, uma rara doença sanguínea que envolve o excesso de glóbulos vermelhos no sangue, fazendo com que ele brinque, "eu estou sofrendo de um excesso de vermelhos."[65] Em 10 de fevereiro de 1960, aos 61 anos de idade, Stepinac, morreu de trombose. O papa João XXIII realizou uma missa de réquiem para ele logo após sua morte na Basílica de São Pedro.[66] Ele foi enterrado em Zagreb durante um serviço no qual os protocolos adequados ao seu status foram, com a permissão de Tito, plenamente observados.[67] O Cardeal Franz König, estava entre aqueles que participaram do funeral.[68] As relações do governo iugoslavo com o Vaticano melhoraram após a morte de Stepinac e se desenvolveram depois do Concílio Vaticano II, de 1962-65. As relações diplomáticas foram restauradas em 1966.[69]

Apesar de Stepinac morrer em paz em casa, ele rapidamente se tornou um mártir na visão de seus partidários e muitos outros católicos. Em 1998, vestígios de arsênico foram detectados nos ossos de Stepinac, levando muitos a acreditar que ele tinha sido envenenado por seus captores.[70][71]  Mas a administração de arsênico junto com a sangria foi um tratamento padrão para policitemia no início da década de 1950.[72]

Meštrović não retornou à Iugoslávia até 1959 e, ao retornar, encontrou-se novamente com Stepinac, que estava sob prisão domiciliar.[73] Meštrović passou a esculpir um busto de Stepinac depois de sua morte, onde se lê: "Arcebispo Stepinac não era um homem de palavras vãs, mas ao invés disso, ele ajudou ativamente cada pessoa─quando ele era capaz, e na medida em que ele era capaz. Ele não fez nenhuma distinção sobre se um homem necessitado era um croata ou um sérvio, seja ele católico ou ortodoxo, seja ele cristão ou não cristão. Todos os ataques contra ele são o produto da desinformação, ou o produto de uma mente nublada, não se pode mudar esta realidade....".

Em 1970, Glas Koncila publicou um texto sobre Stepinac retirado de L'Osservatore Romano, que resultou no confisco da edição por decreto judicial.[74] Stepinac do processo de beatificação começou em 9 de outubro de 1981.[75] A Igreja Católica declarou Stepinac um mártir em 11 de novembro de 1997,[76] e em 3 de outubro de 1998, o Papa João Paulo II, durante a peregrinação à Marija Bistrica, beatificou Stepinac, declarando que Stepinac tinha de fato sido um mártir.[77] João Paulo já havia determinado que, quando um candidato à santidade tivesse sido martirizado, sua causa poderia ser analisada sem o requisito normal de evidência de uma intercessão milagrosa pelo candidato. Consequentemente, ele o beatificou.

Muitos não-católicos permaneceram reticentes sobre o reconhecimento da qualidade de mártir de Stepinac e sobre suas qualidades santas em geral. A beatificação reiniciou velhas controvérsias entre catolicismo e comunismo e entre sérvios e croatas. A comunidade judaica na Croácia, alguns membros de que tinha sido ajudado por Stepinac durante a Segunda Guerra Mundial, não se opôs a sua beatificação, mas o Centro Simon Wiesenthal pediu que fosse adiada até que sua conduta em guerra tivesse sido melhor investigada. O Vaticano não expressou reação, embora alguns croatas expressaram irritação.[78]

Reabilitação[editar | editar código-fonte]

O Parlamento Croata, em 1992, após o fim do comunismo iugoslavo, decidiu reabilitar a sua memória declarando que: foi condenado, apesar de inocente, porque havia se recusado a realizar o cisma eclesial que lhe haviam ordenado os governantes comunistas e porque atuou contra a violência e os crimes dos governantes comunistas, como havia feito durante a II Guerra Mundial para proteger aos perseguidos, com independência da origem étnica e das convicções religiosas.

O cardeal Angelo Sodano, ao fazer a homilia da celebração eucarística dos 40 anos da sua morte na Igreja de São Jerônimo dos Croatas, afirmou: "Com a sua profunda formação cristã, não se deixou abater nem mesmo quando em outubro de 1946 chegou a dura condenação a dezesseis anos de trabalhos forçados. Por ser fiel à sua missão de pai e pastor do seu povo, o Arcebispo de Zagabria havia condenado com a sua célebre carta pastoral de 20 de novembro de 1945, o assassinato de 243 padres católicos, a expropriação dos bens eclesiásticos, as graves restrições infligidas a atividade da Igreja. Paralelamente, com o seu profundo sentido eclesial, tinha afastado todas as solicitações para dar vida a uma igreja nacional separada de Roma. Ao contrário, em muitas ocasiões o venerado cardeal Franjo Kuharic afirmou que foi isto o principal motivo da sua condenação, o ter-se recusado a dar vida a uma pseudoigreja nacional croata. Por isto, ainda, o Arcebispo emérito de Zagabria, cardeal Stepinac pode ser justamente considerado como um mártir da unidade da Igreja." (...) "Com intrépida fortaleza, ele sentia-se assim animado a continuar a sua missão, assim como havia feito nos primeiros anos do episcopado, de 1934 seguidamente, assim como fez durante a ocupação nazista, condenando abertamente a violação dos direitos humanos perpetrada contra os hebreus, os romenos, os sérvios e os eslovenos".[79]

Bento XVI[editar | editar código-fonte]

No dia 5 de junho de 2011, o Papa Bento XVI por ocasião de sua visita à Croácia, disse na celebração na Catedral de Zagreb, dedicada a "Maria Santíssima Assunta e Santo Estêvão, Rei da Hungria":

Esta tarde, queremos comemorar com devoção e em oração o beato Alojzije Stepinac, valoroso pastor, exemplo de zelo apostólico e firmeza cristã, cuja vida heroica ilumina também hoje os fiéis das dioceses croatas, sustentando assim a fé e a vida eclesial. Os méritos deste inolvidável bispo derivam essencialmente de sua fé: ele teve em sua vida o olhar fixo sempre em Jesus, e sempre se configurou com Ele, até o ponto de converter-se em uma imagem viva de Cristo, também em seus sofrimentos. Precisamente por sua firme consciência cristã, soube resistir a todo totalitarismo, fazendo-se defensor dos judeus, ortodoxos, e todos os perseguidos no tempo da ditadura nazista e fascista, e depois, no período do comunismo, "advogado" de seus fiéis, especialmente de tantos sacerdotes perseguidos e assassinados. Sim, chegou a ser "advogado" de Deus nesta terra, pois defendeu tenazmente a verdade e o direito do homem viver com Deus.[80]

Beatificação[editar | editar código-fonte]

O cardeal Stepinac foi beatificado em 3 de outubro de 1998 pelo Papa João Paulo II, no santuário mariano de Marija Bistrica, durante uma visita apostólica à Croácia.[81] É considerado pela Igreja Católica um mártir perseguido pelo então regime comunista iugoslavo de Tito.

Na cerimônia de beatificação dele disse João Paulo II:

O Beato Alojzije Stepinac não derramou o sangue no sentido estrito da palavra. A sua morte foi causada pelos longos sofrimentos a que o submeteram: os últimos 15 anos da sua vida foram um contínuo suceder-se de vexações, no meio das quais expôs com coragem a própria vida, para testemunhar o Evangelho e a unidade da Igreja. Para usar as próprias palavras do Salmo, ele pôs nas mãos de Deus a sua própria vida (cf. Sl 16[15], 5). ... O Cardeal Arcebispo de Zagrábia, uma das figuras mais salientes da Igreja católica, depois de ter sofrido no próprio corpo e na própria alma as atrocidades do sistema comunista, é agora entregue à memória dos seus compatriotas com as fúlgidas insígnias do martírio.[82]
Imagem de Stepinac na Catedral de Zagreb.

Em 4 de outubro em Salona, num encontro com catequistas e representantes dos movimentos eclesiais disse sobre o novo Beato: "Um exemplo extraordinário de testemunho cristão foi oferecido pelo Beato Alojzije Stepinac. Ele cumpriu a missão de evangelizador sobretudo sofrendo pela Igreja, e selou a sua mensagem de fé com a morte. Preferiu o cárcere à liberdade, para defender a liberdade da Igreja e a sua unidade. Não teve medo das cadeias, para que não fosse acorrentada a palavra do Evangelho."[83]

Em audiência de 7 de outubro de 1998 João Paulo II voltou a se referir a ele: "In Te, Domine, speravi": era este o lema do Cardeal Alojzije Stepinac, junto de cujo túmulo me detive em oração logo que cheguei a Zagrábia. Na sua figura sintetiza-se a inteira tragédia que atingiu a Europa no decurso deste século, marcado pelos grandes males do fascismo, do nazismo e do comunismo. Nele refulge em plenitude a resposta católica: fé em Deus, respeito pelo homem, amor para com todos confirmado no perdão, unidade com a Igreja guiada pelo Sucessor de Pedro.

A causa da perseguição e do ridículo processo contra ele foi a firme rejeição, por ele oposta, às insistências do regime para que se separasse do Papa e da Sé Apostólica e se constituísse chefe de uma «igreja nacional croata». Ele preferiu permanecer fiel ao Sucessor de Pedro. Por isto foi caluniado e depois condenado.

Na sua beatificação reconhecemos a vitória do Evangelho de Cristo sobre as ideologias totalitárias; a vitória dos direitos de Deus e da consciência sobre a violência e a prepotência; a vitória do perdão e da reconciliação sobre o ódio e a vingança. O Beato Stepinac constitui assim o símbolo da Croácia que quer perdoar e reconciliar-se, purificando a memória do rancor e vencendo o mal com o bem.[84]

Citações[editar | editar código-fonte]

Stepinac foi citado por João Paulo II na viagem à Croácia em outubro de 1998:

  • (...)"recomendava aos jovens do seu tempo: ""Estai atentos a vós próprios e continuai a maturar, porque sem pessoas maduras e sólidas do ponto de vista moral nada se faz. Os maiores patriotas não são aqueles que mais gritam, mas os que cumprem a lei de Deus de maneira mais conscienciosa"" (Homilias, Discursos, Mensagens, Zagrábia 1996, pág. 97)."[85]
  • "Nunca percais o vosso entusiasmo juvenil, alimentado por uma profunda relação com Deus. A este propósito, o próprio Cardeal Stepinac recomendava aos sacerdotes: ""Afastai da nossa juventude, como a peste, qualquer forma de pusilanimidade, porque é indigna dos católicos, os quais se podem orgulhar dum nome tão grande, que é o nome do nosso Deus"" (Cartas da Prisão, Zagrábia 1998, pág. 310)."[86]

Citado por Bento XVI na visita à Croácia em 2011:

  • (...)"Um dos maiores males do nosso tempo é a mediocridade nas questões de fé. Não tenhamos ilusões... Ou somos católicos ou não o somos. Se o somos, é preciso que isto se manifeste em cada âmbito da nossa vida" (Homilia na Solenidade de São Pedro e São Paulo), 29 de junho de 1943).[87]

Representação nas artes[editar | editar código-fonte]

Coci Michieli realizou um filme sobre a sua vida em 1954.


Referências

  1. a b c d e f g Fine 2007, pp. 284–285.
  2. Coleman 1991, p. 113.
  3. Gruenwald 1987, p. 516.
  4. «'Human Rights' at Zagreb» 
  5. a b Alexander 1987.
  6. Phayer 2000, p. 182.
  7. "History of Blessed Cardinal Stepinac" Blessed Aloysius Stepinac Croatian Catholic Mission, Chicago, retrieved 4 November 2017
  8. a b Bunson, Bunson & Bunson 1999, pp. 90–92.
  9. «Court Annuls Verdict against Cardinal Stepinac» 
  10. "Serbia, Croatia trade protest notes over rehabilitation of Catholic cardinal" Aleksandar Vlasovic for REUTERS, July 26, 2016
  11. Kaplan 2014, pp. 17, 19–20.
  12. Tomasevich 2001, p. 564.
  13. Croatia Under Ante Pavelic: America, the Ustase and Croatian Genocide, Robert McCormick, I.B.Tauris, London, 2014| p. 83
  14. a b c d e f Butler & Burns 1995, p. 263.
  15. a b c Gitman 2006, p. 49.
  16. Segundo outras fontes, havia apenas oito crianças.[14][15]
  17. a b c d e f g Ćorić 1998, II.
  18. a b c d e f Glas Koncila.
  19. Ramet 2007, p. 100.
  20. Segundo uma fonte, Stepinac foi premiado com a Ordem da Estrela de Karađorđe por seu serviço com a Legião Iugoslava.[19]
  21. De acordo com uma fonte, Stepinac permaneceu em Zagreb por cinco anos, estudando agricultura e sendo ativo nos assuntos da igreja, incluindo organizações juvenis católicas.[14]
  22. De acordo com uma fonte, Stepinac se apaixonou por Marija e propôs um casamento, mas ela não quis.[17] Outra fonte afirma que Stepinac cancelou o noivado quando ele decidiu entrar no sacerdócio.[14]
  23. Lampe 2004, p. 105.
  24. Konig 2005, p. 36.
  25. orić 1998, II.
  26. a b c Gitman 2006, p. 50.
  27. Tomasevich 2001, p. 552.
  28. Starič 2005, p. 33.
  29. Roberts 1987, pp. 6–7.
  30. Tomasevich 1975, p. 30.
  31. Ramet & Lazić 2011, p. 18.
  32. Milazzo 1975, pp. 2–3.
  33. Schreiber, Stegemann & Vogel 1995, p. 482.
  34. Tomasevich 2001.
  35. U.S. Army 1986, p. 60.
  36. a b Tomasevich 1975, p. 33.
  37. Tomasevich 1975, p. 34.
  38. Ante Pavelic: The Croat Question |http://chnm.gmu.edu/history/faculty/kelly/blogs/h312/wp-content/sources/pavelic.pdf
  39. a b West 1995, p. 83.
  40. a b Cornwell 2008, p. 253.
  41. a b c Biondich 2007a, p. 42.
  42. a b West 1995, p. 84.
  43. Tomasevich 2001, p. 555.
  44. Biondich 2007a, p. 41.
  45. Tomasevich 2001, p. 370.
  46. Tanner 1997, p. 144.
  47. a b Phayer, p. 32.
  48. Phayer, p. 37.
  49. Gilbert 2003, p. 236.
  50. Jansen 2003, pp. 87 & 151.
  51. Kent 2002, p. 164.
  52. O'Brien 1947, pp. 37–38.
  53. Akmadža 2003.
  54. Kolar 2008, p. 249.
  55. Kolar 2008, p. 244.
  56. Ramet 2002, p. 85.
  57. Lilly 2001, p. 47.
  58. a b Tomasevich 2001, pp. 560.
  59. Tomasevich 2001, p. 559.
  60. Tomasevich 2001, p. 572.
  61. Tomasevich 2001, p. 531.
  62. Akmadža 2004, p. 24.
  63. a b Tanner 1997, p. 180.
  64. Alexander 1979.
  65. "The Silent Voice", Time, February 22, 1960.
  66. Religion: The Silent Voice, Time Magazine. February 22, 1960.
  67. The Review of Politics: The Vatican's "Ostpolitik", John M. Kramer. Cambridge University Press, 1980. p 283-308.
  68. "Franz König", The Cardinals of the Holy Roman Church
  69. West 1995, p. 286.
  70. «New Oxford Review» 
  71. Johnston, Bruce: Pope to beatify archbishop murdered by Tito, The Daily Telegraph, May 15, 1998
  72. Charles R. Gallagher: Vatican Secret Diplomacy: Joseph P. Hurley and Pope Pius XII p. 201 (Yale University Press, 2008)
  73. Sculptin a legacy
  74. Important events in the history of Glas Koncila Arquivado em 2009-05-03 no Wayback Machine., Glas Koncila
  75. Juraj Batelja, Beatification of Aloysius Cardinal Stepinac
  76. Patron Saints Index: Blessed Alojzije Stepinac
  77. O Mariji Bistrici Arquivado em 2011-01-12 no Wayback Machine.
  78. Stanley, Alessandra (October 4, 1998). "Pope Beatifies Croat Prelate, Fanning Ire Among Serbs". The New York Times, p13.
  79. «Homilia do Cardeal Angelo Sodano» (em italiano) , na igreja de São Jerônimo dos Croatas em honra do beato Cardeal Alojzije Stepinac (10 de Fevereiro de 2000) ns. 2 e 3
  80. Vatican Information Sevice - VIS 06.06.2011- AñoXXI - Num. 105
  81. «Textos da visita de João Paulo II à Croácia em 1998.». vatican.va 
  82. [1] Homilia de João Paulo II na Missa de Beatificação do Cardeal Stepinac - visitado em 16.10.2007
  83. «Viagem Apostólica à Croácia: Encontro com os Movimentos Eclesiais (4 de outubro de 1998) - João Paulo II». www.vatican.va 
  84. Referências feitas por João Paulo II visitado em 16 de outubro de 2007
  85. Encontro de João Paulo II com a população e com os jovens." Zagrábria, 2 de Outubro de 1998
  86. Ibdem
  87. Na celebração das Vésperas na catedral de Zagrábia in L'Osservatore Romano n. 24, 11 de junho de 2011, pg.7.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Jornais[editar | editar código-fonte]

Sites[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Aloísio Stepinac