Antonio Rattín

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Antonio Rattín
Nome nativo Antonio Rattín
Nascimento 16 de maio de 1937 (81 anos)
Tigre
Cidadania Argentina
Estatura 190 centímetros
Peso 88 quilogramas
Ocupação futebolista, político, treinador de futebol

Antonio Ub Rattin (Tigre, Buenos Aires, 16 de maio de 1937) é um ex-futebolista e ex-treinador argentino.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Rattín jogou toda a carreira no Club Atlético Boca Juniors, clube que defendeu entre 1956 e 1970, disputando 352 jogos e marcando 26 gols.

Seleção Argentina[editar | editar código-fonte]

Pela Seleção Argentina de Futebol, Rattín teve uma curta passagem entre 1962 e 1966, sendo que nesse ano, recebeu uma expulsão controversa na Copa do Mundo FIFA de 1966. No jogo contra a Seleção Inglesa de Futebol, o árbitro alemão Rudolf Kreitlein expulsou o argentino por indisciplina e pela expressão do rosto de Rattín, embora o germânico não entendesse espanhol. Os argentinos reclamaram, alegando nenhum motivo da expulsão de Rattín, que solicitou um intérprete. O jogo parou por dez minutos, antes que Rattín saísse. Ele se recusou a sair de campo e acabou sendo escoltado por vários policiais. Não satisfeito, pegou uma bandeira do Reino Unido e amassou. Por isto, a FIFA obrigou os árbitros a utilizarem cartões amarelos e vermelhos.

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Rattín começou a trabalhar como técnico ainda em 1970, como treinador do time-B do Boca Juniors. Seu primeiro time profissional como técnico foi o Gimnasia y Esgrima de La Plata, onde ficou de 1977 a 1979, e voltou ao Boca em 1980.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Rattín foi eleito deputado. Ele foi o primeiro futebolista a ser eleito para a Câmara dos Deputados da Argentina. O mandato de Rattín terminou em 2005.

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antonio Rattín