Arquitetura pós-moderna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Série de artigos sobre
História da arquitetura

Arquitetura da Pré-História

Neolítica | Rupestre

Arquitetura antiga

Egípcia | Clássica | Grega | Romana

Arquitetura da Idade Média

Bizantina | Carolíngia | Otoniana | Românica | Gótica

Arquitetura do Renascimento
Maneirismo
Arquitetura barroca

Rococó | Neoclássica

Arquitetura do século XIX

Neogótico | Arts & crafts | Revivalista | Protomoderna | Eclética

Arquitetura moderna

Bauhaus | International style | Orgânica | Brutalista | Construtivista

Arquitetura pós-moderna

High-tech | Desconstrutivista | Regionalista crítica | Neomoderna


Por geografia

Europa | Islão | Oriental | Américas | África | Oceania

Por tipologia

Civil | Militar | Religiosa

A arquitetura pós-moderna é um termo genérico para designar uma série de novas propostas arquitetônicas cujo objetivo foi o de estabelecer a crítica à arquitetura moderna, a partir do ano de 1929 com o início da crise da Grande Depressão até o final da Década de 1970. Seu auge é associado à Década de 1950 (e a segunda metade da Década de 1940, principalmente após o fim da Segunda Guerra Mundial) em figuras como Robert Venturi, Philip Johnson e Michael Graves nos Estados Unidos, Aldo Rossi na Itália, e na Inglaterra James Stirling e Michael Wilford, entre outros.

Os arquitetos pós-modernos utilizaram uma série de estratégias para estabelecer a crítica do modernismo, principalmente a sua versão mais difundida e homogênea: o estilo internacional. Entre estas estratégias a principal foi a reavaliação do papel da história, reabilitada na composição arquitetônica, principalmente como meio de provocação e crítica à austeridade do modernismo. Philip Johnson (antes um ávido defensor do estilo internacional), por exemplo, adotou uma postura irônica em seus projetos utilizando um "armário antigo" como referência formal para o seu edifício da AT&T em Nova Iorque. Outros arquitetos adotaram padrões de ornamento e formas de composição antigas. A cidade histórica foi re-estudada em busca da reabilitação da escala humana no urbanismo por Rob Krier, entre outros.

Outras tendências podem ser associadas aos pós-modernos, como o interesse pela cultura popular e a atenção para o contexto de inserção do projeto. Robert Venturi, por exemplo, chamou atenção para as muitas formas de arquitetura vernacular (produzidas segundo uma estética da cultura popular) em seu livro Aprendendo com Las Vegas. Aldo Rossi, por sua vez, preocupou-se com a relação entre o novo projeto e os edifícios existentes acompanhando a escala, altura e modulação destes. Esta postura de congregação entre o novo e o antigo convencionou-se chamar de contextualismo.

Pós-modernismo nos anos 60

As críticas à arquitetura moderna ganharam força nos anos 60 através de figuras como a socióloga e ativista política Jane Jacobs e o arquiteto e matemático Christopher Alexander. Ambos criticam através de observações sociológicas a escala monumental e a impessoalidade do modernismo. Suas críticas, dirigidas principalmente à visão urbanística anterior, apontam a desagregação das comunidades e das relações humanas como resultado dos preceitos modernos.

Em sua expressão inicial as tendências pós-modernas estão ligadas ao movimento de contra-cultura nos anos 60.

Pós-modernismo nos anos 70 e 80

A imagem que temos hoje da arquitetura pós-moderna é associada principalmente à década de 80. Alguns elementos utilizados nos projetos desta época fizeram da pós-modernismo imediatamente reconhecível como estilo, mas foram responsáveis também pela criação de uma imagem estereotipada e caricatural do "movimento". O uso irônico exagerado de referências históricas, a repetição sem critério do uso do frontão como elemento de coroação do prédio, ou a explosão de cores (estas características podem ser observadas na Piazza d'Italia de Charles Moore [1]), são alguns desses elementos. Estes foram compreendidos como um estilo a ser repetido e não como crítica à austeridade sisuda do chamado modernismo.

O pós-modernismo na arquitetura tem também uma forte ligação com os espaços comerciais e sua expressão máxima: o centro comercial, como por exemplo o Norte Shopping em Matosinhos, onde se nota uma clara referência eclética ao passado. Esta ligação fez com que o estilo fosse associada à nova cultura do consumo, representando valores passageiros e menores. Esta noção foi reforçada pela adoção do estilo por grandes empresas internacionais, que buscavam uma nova imagem corporativa. O edifício da AT&T de Philip Johnson é o principal exemplo desta tendência.

Urbanismo

Algumas tendências urbanísticas surgiram junto com as novas expressões arquitetônicas. Entre elas está o new urbanism (novo urbanismo) e grandes projetos de revitalização urbana como o IBA, em Berlim.

Outros pós-modernismos

A arquitetura comercial e corporativa, difundida através de alguns elementos estilísticos não é a única expressão do pós-modernismo. Outras propostas teóricas, baseadas na filosofia estruturalista, surgiram no final dos anos 70 e início dos anos 80. Este movimento paralelo ao "pós-modernismo de cunho histórico" procurou novas bases formais e abstratas para o desenvolvimento do projeto, encontrando em filósofos como Jacques Derrida e Gilles Deleuze seu suporte teórico.

São expoentes das novas experiências estruturais os arquitetos Bernard Tschumi e Peter Eisenman, entre outros. Ao final dos anos 80, o termo arquitetura deconstrutivista englobava estes e outros arquitetos, apagando diferenças fundamentais e transformando os esforços individuais em um movimento genérico e de aparência homogênea. Ironicamente, esta nova arquitetura crítica era reduzida a algumas características estilísticas como o Estilo Internacional fez com as expressões modernas.

Os primeiros projetos denominados desconstrutivistas têm em comum a utilização da grelha (grade) conceitual. Sobre esta, são efetuadas transformações e distorções que se fazem explícitas no projeto final. O Parc de la Villette, de Bernard Tschumi é exemplo desta tendência. Outro exemplo desta estratégia é o Wexner Center for the Arts, de Peter Eisenman. Sob alguns aspectos, esta arquitetura estruturalista estabelece a continuidade da base formal do modernismo.

Pós-modernismo no Brasil

O pós-modernismo tem muito impacto na Europa nos Estados Unidos, no Brasil não existiu o debate com o mesmo vigor e a grande tradição moderna, mesmo bastante desgastada, não permitiu muito espaço para uma crítica de qualidade da produção arquitetônica. Apesar de no Brasil não haver tamanha representatividade na arquitetura pós-moderna, houve discussões em diversas áreas. Como exemplo tem-se Vilanova Artigas, que mesmo não tendo se desvencilhado completamente do Movimento Moderno, já mostrou-se crítico e insatisfeito.

A chamada "arquitetura pós moderna" brasileira[2] se reflete em grande parte na adoção dos elementos formais mais óbvios da manifestação norte-americana do "movimento". No Rio de Janeiro seu exemplo mais conhecido talvez seja o edifício Rio Branco 1, projeto de Edison Musa, que repete o uso do frontão - que se tornou uma marca de Philip Johnson - e subdivide o edifício em base, corpo e coroamento (como na divisão clássica). Igualmente, o arquiteto mineiro Éolo Maia adota como estilo alguns elementos da arquitetura do americano Michael Graves entre outros (Maia utilizou um largo repertório de referências em sua arquitetura).[3]

Ainda que criticada pela fragilidade de sua base teórica, a adoção do "pós-modernismo" como estilo teve o importante papel de atenuar a hegemonia da arquitetura moderna no Brasil, apontando a possibilidade de novos rumos.

Bibliografia

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquitetura pós-moderna

Conteúdo · Temas gerais · Resumo do conhecimento · Portais · Categorias · Listas · Glossários · Índices · Índice A-Z

Dia do Arquiteto: 11 de dezembro


 ver·editar Artigo destacado
Crystal keditbookmarks.png
Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito (Cuiabá)
Fachada da igreja.

A igreja Nossa Senhora de Lourdes é uma igreja católica localizada em Cuiabá, capital do estado brasileiro de Mato Grosso.

A igreja é um dos marcos de fundação da cidade de Cuiabá, tendo sido construída em arquitetura de terra em torno de 1730, próximo às águas do córrego da Prainha, em cujas águas Miguel Sutil descobriu as minas de ouro que impulsionariam a colonização da região. Sua fachada, de grande simplicidade, é típica da arquitetura colonial brasileira e esconde a decoração barroca-rococó nos altares do interior, com rica talha dourada e prateada, única com esses detalhes no país. Construída inicialmente com a técnica da taipa de pilão, passou por várias reformas, incluindo uma que transformou sua fachada em neogótica, entre as décadas de 1920 e 1980, quando foi reformada e a arquitetura colonial resgatada. Tombada em 1975 pelo IPHAN, em 1987 pela Fundação Cultural de Mato Grosso e incluída no perímetro tombado do Centro Histórico de Cuiabá em 1993, é palco da Festa de São Benedito, mais longa festa religiosa do estado. (Leia o artigo completo...)

 ver·editar Imagem destacada
 ver·editar Categorias
  Iglu


 ver·editar Portais relacionados

A Wikipédia lusófona conta com os seguintes portais relacionados:

 ver·editar Sabia que...

... Frank Lloyd Wright teve que retirar as escoras da laje da Casa da Cascata com as próprias mãos, pois os operários temiam que ela viesse abaixo?

... o edifício Millennium Palace, na cidade de Balneário Camboriú, com 177,3 metros de altura e 52 andares, é a maior estrutura de concreto armado do Brasil?

... Oscar Niemeyer iniciou sua carreira, aos 28 anos, trabalhando sem remuneração no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão?

... Sérgio Bernardes, ao vencer a Bienal de Veneza, em 1964, trocou o prêmio em dinheiro por uma Ferrari, que levava em suas viagens ao exterior e pilotava em autódromos?

 ver·editar Artigos destacados
 ver·editar Colabore!
Colabore

Revisar/Reciclar:
Pirâmides de Gizé | urbanismo | Abadia de Westminster


Fundir/Traduzir:
International Style (architecture)


Desenvolver:
canelura | arquitrave | cornija | estereóbata | estilóbata | entablamento | entasis | equino (arquitetura) | fuste | frontão | métopa | mútulo | propileus | tríglifo | Tímpano (arquitetura) | obra de arquitetura | espaço arquitetônico | ordem dórica | ordem jónica | ordem compósita | ordem toscana | | gentrificação | arquitectura da Roma Antiga | arquitetura do Egito Antigo | arquitetura da Pérsia | arquitetura high-tech | arquitetura orgânica | arquitectura islâmica | basílica | Rafael Moneo | Sverre Fehn | catedral de Santiago de Compostela | Carta de Atenas | regionalismo crítico | pátio | arquitetura racionalista | clarabóia | tipologia (arquitectura) | arquitetura contemporânea | arquitetura historicista | westwerk | Igreja de São Basílio | reabilitação | arquitetura da Pré-História | arquitetura brutalista | conforto ambiental | cul-de-sac | renovação urbana mais:[1][2][3][4][5]


Pedidos
firmitas | utilitas | venustas | Feira Mundial de Chicago | planejamento urbano participativo | planejamento urbano estratégico | arquitetura neomoderna | pendente | Igreja de Santa Maria (Marco de Canavases) | cartas patrimoniais | beira seveira | superquadra | polinucleação | Plano de Barcelona | trânsito de passagem | arquitetura das Américas | arquitetura da Oceania | Habitat 67 | Mecanoo | sistema estrutural | história do urbanismo | solo criado | instrumento urbanístico | disneyficação | Ermínia Maricato | Raquel Rolnik | uso e ocupação do solo | instrumento urbanístico | renda da terra | Carlos Milan | Edifício Sarti | L'architecture d'aujourd'hui | David Chipperfield | Josiah Conder | George Grant Elmslie | Calvert Vaux | David Adjaye | Richard Upjohn


Sem imagens
Instituto dos Arquitetos do Brasil | Conjunto Habitacional Pedregulho | Unidade de vizinhança | Forte da Ínsua | Zanine Caldas | Cobogó | Catetinho | Burle Marx | Real Forte Príncipe da Beira | seteira | Edifício do Hospital da Lagoa | Obra do Berço | Theatro São Pedro (São Paulo) | Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes | mais

 ver·editar Predefinições
 ver·editar Wikiprojeto


  • ARANTES, Otília B. F.; O lugar da arquitetura depois dos modernos. São Paulo: Edusp, 1995. ISBN 85-314-0175-5
  • ALEXANDER, Christopher. A City is not a Tree.[4] (artigo original, em inglês)
  • HERDEG, Klaus. The Decorated Diagram; MIT Press.
  • JACOBS, Jane. Morte e Vida nas Grandes Cidades.
  • VENTURI, Robert. Complexidade e Contradição Em Arquitetura.
  • VENTURI, Robert; Denise Scott Brown e Steven Izenour; Aprendendo com Las Vegas. Cosac & Naify.
  • WOLFE, Tom. Da Bauhaus ao nosso caos. Editora Rocco. ISBN 85-325-0019-6
  • ROSSI, Aldo. Arquitetura da cidade. São Paulo: Editora Martins Fontes. ISBN 85-336-1401-2

Referências