Saltar para o conteúdo

Calecute

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Calicute)
Calecute
  Cidade  
Estação de ônibus
Estação de ônibus
Estação de ônibus
Apelido(s) Cidade das Especiarias
Localização
Localização de Calecute em Querala e na Índia
Localização de Calecute em Querala e na Índia
Localização de Calecute em Querala e na Índia
Coordenadas 11° 15' N 75° 46' 12" E
País  Índia
Estado Querala
Distrito Calecute
Administração
Prefeito A. K. Premajam
Características geográficas
Área total 128 km²
População total (2011) 432 097 hab.
Densidade 3 400 hab./km²
Altitude 1 m
Fuso horário HPI (UTC+5:30)

Calecute,[1][2] Calecut,[3] Calicute[4] ou Calicut (em malaiala: കോഴിക്കോട്, AFI[koːɻikːoːɖ], por vezes transliterado Kozhikode) é uma cidade do estado de Querala, na costa ocidental da Índia. Tem cerca de 933 000 habitantes.

O nome da cidade tem origem no calicó, tecido de algodão incluído no rol de produtos que nela se comerciavam já desde o séc. VII.[5]

Vasco da Gama perante o Samorim de Calecute (1498), Veloso Salgado

A cidade era dirigida pela dinastia dos samorins, corruptela portuguesa de Samutiri, o "grande senhor do mar". O porto da cidade era o mais importante da costa do Malabar, onde os árabes e os chineses cambiavam suas fazendas contra a produção local. As outras cidades da costa, como Cochim, eram suas vassalas.

Aí aportaram os navegadores portugueses Vasco da Gama (1498) e Pedro Álvares Cabral (1500). Este último tentou erigir uma feitoria para o comércio de especiarias, mas sem êxito, pois os locais saquearam a construção e massacraram dezenas de portugueses.[6] Em meio a essa construção, pereceu, em combate, Pero Vaz de Caminha.

Em 1510, foi empreendida uma malsucedida tentativa de conquista da cidade. A expedição foi organizada por dom Fernando Coutinho, o Marechal do Reino, que levara à Índia ordens específicas para o efeito. O objetivo de estabelecimento de uma feitoria só seria alcançado com Afonso de Albuquerque, que ali ergueu a Fortaleza de Calecute (1513), abandonada a partir de 1525[5], em razão do deslocamento do eixo do comércio de especiarias para outros locais, como Diu.

Em uma representação de Calecute, datada do século XVI, a legenda assinala[7]:

Em 1664, os ingleses estabeleceram uma feitoria em Calecute, o mesmo tendo feito os franceses, posteriormente, em 1698, seguidos dos dinamarqueses em 1752.[5] No entanto, em 1790, a situação de Calecute ver-se-ia devidamente consolidada, tendo sido integrada definitivamente nos domínios britânicos.[5]

Representação de Calecute no atlas "Civitates orbis terrarum" (Georg Braun e Franz Hogenber, 1572)
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Calecute

Notas

  1. Fernandes, Ivo Xavier (1941). Topónimos e Gentílicos. I. Porto: Editora Educação Nacional, Lda. 
  2. Paulo, Correia (Verão de 2020). «Toponímia da Índia — breve análise» (PDF). Bruxelas: a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 4. ISSN 1830-7809. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  3. Gonçalves, Rebelo (1947). Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa. Coimbra: Atlântida - Livraria Editora. p. 104 
  4. SCHULBERG, L. Índia histórica. Tradução de J. A. Pinheiro de Lemos. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 160.
  5. a b c d Bigotte de Carvalho, Maria Irene (1997). Nova Enciclopédia Larousse vol. V. Lisboa: Círculo de Leitores. p. 1339. 1578 páginas. ISBN 972-42-1477-X. OCLC 959016748 
  6. «Configurações Políticas e Poderes Locais». Bethencourt, F., Ramada Curto, D.; A Expansão Marítima Portuguesa, 1400-1800. Lisboa: Edições 70. 2010. p. 211 
  7. In: SILVEIRA, Luís da. Ensaio de Iconografia das cidades portuguesas do Ultramar. Lisboa: 1956.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.