Capela (Sergipe)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Capela
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Capela
Bandeira
Brasão de armas de Capela
Brasão de armas
Hino
Lema Unir para reconstruir
Apelido(s) "A Rainha dos Tabuleiros"
Gentílico capelense
Localização
Localização de Capela em Sergipe
Localização de Capela em Sergipe
Capela está localizado em: Brasil
Capela
Localização de Capela no Brasil
Mapa de Capela
Coordenadas 10° 30' 10" S 37° 03' 10" O
País Brasil
Unidade federativa Sergipe
Municípios limítrofes Aquidabã, Muribeca, Japaratuba, Rosário do Catete, Siriri, Nossa Senhora das Dores e Cumbe.
Distância até a capital 67 km
História
Fundação 1888 (132 anos)
Aniversário 28 de agosto
Administração
Prefeito(a) Silvany Yanina Mamlak (Podemos, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 440,716 km²
População total (IBGE/2013[2]) 32 666 hab.
Densidade 74,1 hab./km²
Clima Tropical
Altitude 162 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 49700-000
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,615 médio
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 147 843,447 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 5 141,31
Outras informações
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Purificação

Capela é um município brasileiro do estado de Sergipe.Localiza-se no leste do estado.

História[editar | editar código-fonte]

Quando, em princípios do século XVIII, o capitão Luís de Andrade Pacheco e sua mulher, Perpétua de Matos França, fixaram residência em terras situadas entre o rio Japaratuba e a localidade de Coité, já os tupinambás as haviam abandonado, tangidos pela proximidade do homem branco. O sentimento religioso do casal determinou a doação, por escritura lavrada no tabelionato de Santo Amaro das Brotas, da quantia de cem mil réis, destinada à construção de uma capela sob o orago de N. S.ª da Purificação, no sítio denominado Tabuleiro da Cruz, em 1735. Dois anos depois, estava a capela construída. A frequência de missas e de festejos promovidos pelo padre Luís de Andrade Pacheco, filho dos doadores, atraiu moradores circunvizinhos, que construíram novas casas e ranchos nas proximidades. Por volta de 1808, nas proximidades da capela de Nossa Senhora da Purificação, já viviam aproximadamente 4 mil pessoas.

O plantio do algodão, a cultura da cana e o açúcar fomentaram o comércio e expandiram a localidade. No princípio do século XX, o progresso do Município marchava mais vivo com a mecanização de sua indústria açucareira, datando de 1914 a primeira usina de açúcar cristal. Em 1915, o ramal ferroviário Murta-Capela ligou-o aos municípios servidos pela Viação Férrea Federal Leste Brasileiro, inclusive às capitais Aracaju e Salvador, o que, sem dúvida, lhe propiciou notável desenvolvimento.

A freguesia de Nossa Senhora da Purificação da Capela deve sua criação ao Alvará de 9 de fevereiro de 1813. Em virtude da Resolução do Conselho do Governo, aprovada pela Lei provincial de 19 de fevereiro de 1835, criou-se o Município, sob a denominação de N. S.ª da Purificação da Capela, com território desmembrado do Termo da Vila de Santo Amaro das Brotas. Em 28 de agosto de 1888 o município se torna cidade e passa a ser chamado apenas de Capela.

No início da década de 1950 chega a uma produção agrícola (canavieira principalmente) de mais de 80 milhões de cruzeiros. Até a década de 80 (Século XX), Capela possuía usinas de beneficiamento de cana-de-açúcar, chegando a ter três delas, declinando até chegar a nenhuma. A época das usinas proporcionou riqueza e fama a algumas famílias locais e sustento à população. Hoje a principal atividade do município é a criação de rebanhos de leite e corte.[5]

Datas marcantes[5][editar | editar código-fonte]

  • 1824 - A capelinha que deu origem ao município foi destruída
  • 1882 - Hospital de Caridade São Pedro de Alcântara
  • 1888 - Elevação de Capela à cidade
  • 1901 - Construção da igreja de Senhor dos Aflitos
  • 1914 - Fundação da primeira usina de açúcar
  • 1918 - Fundação do Rio Branco Esporte Clube
  • 1918 - Fundação do Grupo Escolar Coelho e Campos (Primeira escola pública em Capela)
  • 1921 - Criação da Sociedade Cultural Casa do Livro
  • 1929 - Fundação do Colégio Imaculada Conceição
  • 1935 - Inauguração da “Águia” como marco do município
  • 1939 - Criação da Festa do Mastro
  • 1968 - Capela foi sede do Governo do Estado durante três dias

Formação administrativa[editar | editar código-fonte]

A Lei n.° 1.331, de 28 de agosto de 1888, concedeu à sede municipal foros de cidade. Até 1954, era composto de um só distrito, quando sofreu reformulação administrativa, pela Lei n.° 554, de 6 de fevereiro, passando a 4: Capela (sede), Barracas, Miranda e Pedras. Atualmente conserva tal composição.

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  1. Cândido José de Meneses    1900 - 1901
  2. José Antonio de Melo Cabral    1902 - 1903
  3. Francisco de Aquino Vieira    1904 - 1905
  4. José Antonio de Melo Cabral    1906 - 1907
  5. Manoel Correia Dantas    1908 - 1909
  6. Honorino Leal    1909 - 1910
  7. José Barbosa de Andrade    1910 - 1911
  8. Ezequiel Manoel de Almeida    1912 - 1913
  9. Honorino Leal    1914 - 1916
  10. Guilherme José Vieira Sobrinho    1917 - 1922
  11. Manoel de Melo Cabral Neto    1923 - 1925
  12. Ariovaldo Barreto    1925 - 1926
  13. Honorino Leal    1926 - 1928
  14. Antão Correia de Andrade    1929 - 1930
  15. José Joaquim Barbosa    1931 - 1932
  16. Raul Dantas Vieira    1933 - 1934
  17. Honorino Leal    1934 - 1935
  18. Mamedo José Pires    1935 - 1936
  19. Ariovaldo Barreto    1936 - 1938
  20. Honorino Leal    1939 - 1941
  21. Edélzio Vieira de Melo    1942 - 1945
  22. Honorino Leal    1945 - 1947
  23. Ariovaldo Barreto    1947
  24. João de Góis Barreto    1947 - 1951
  25. Juarez de Oliveira Leal    1951 - 1955
  26. Julio Ferreira Leite    1955 - 1959
  27. Luiz Almeida Mendonça    1959 - 1962
  28. José Vieira    1962 - 1963
  29. José Figueiredo    1963 - 1964
  30. Raul Martins Sampaio    1964
  31. Antonio Arimatéia Rosa    1964 - 1967
  32. Manoel Cardoso Souza    1967 - 1971
  33. Carlos Figueiredo Cabral    1971 - 1973
  34. Antonio Arimatéia Rosa    1973 - 1977
  35. Manoel Cardoso Souza    1977 - 1983
  36. José Ferreira Carvalho    1983 - 1988
  37. José Arimatéia Rosa    1988
  38. José Ferreira de Araújo    1989
  39. José Arimatéia Rosa    1989
  40. Manoel Cardoso Souza Filho (Manuca)    1989 - 1992
  41. Aurelina de Melo Sobral (Léia)    1993 - 1996
  42. Manoel Cardoso Souza Filho (Manuca)    1997 - 2000
  43. Carlos Alberto Sobral (Carlão)    2001 - 2004
  44. Manoel Messias Santo Sukita (Sukita)    2005 - 2008
  45. Manoel Messias Santos Sukita (Sukita)    2009 - 2012
  46. Ezequiel Ferreira Leite    2013 - 2016
  47. Silvany Yanina Mamlak     2017 - 2020

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 10º30'12" sul e a uma longitude 37º03'10" oeste, estando a uma altitude de 162 metros. Sua população estimada em 2004 era de 27 243 habitantes.

Possui uma área de 442,460 km² segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Turismo[editar | editar código-fonte]

Atualmente, Capela é famosa pela sua Festa de São Pedro, onde centenas de foliões buscam nas matas próximas à cidade e erguem numa das praças um "mastro", árvore escolhida para levar em seus galhos superiores prêmios que serão posteriormente disputados em meio a uma "guerra" de rojões. Estes prêmios são ofertados pelo comércio local, sendo captados no evento conhecido como "Sarandaia", que ocorre no 1º dia do mês de junho, quando um habitante local, travestido de "baiana", passa de porta em porta acompanhado por banda de pífanos e foliões.

Ao cair da noite, uma imensa fogueira é acessa aos pés do mastro e, enquanto este queima, é travada uma "guerra de espadas", "busca-pés" e "limalhas", todos derivações de rojões. Assim que o mastro cai os "combatentes" se lançam sobre ele à cata dos tais prêmios.

Outra diversão para os moradores da cidade é a "bica", nascedouro de águas límpidas e gélidas, localizada numa belíssima área de mata protegida.

Lampião em Capela[editar | editar código-fonte]

Assim como outras cidades da região, Capela foi visitada por Lampião na época do cangaço.

Lampião esteve em Capela por duas vezes. Na primeira, em 24 de outubro de 1929, mandou chamar o prefeito Antão Correia de Andrade para que entrasse na cidade com ele. Virgulino passou no telégrafo e depois foi ao Cine-Teatro Capela. Filme mudo e orquestra tocando. Depois que Lampião entrou, as luzes se acenderam e o povo começou a querer sair. “Daqui ninguém sai e quem correr vê o gosto da bala atrás”, teria dito Lampião. O juiz correu, conseguiu pular o muro e se escondeu num convento.

O filme era Anjos das Ruas, de Janet Gaynor. Lampião mandou que a luz fosse apagada e que o filme continuasse. Disse ao jornalista Zózimo Lima que nenhuma notícia dele era para ser dada. Lampião não gostou do filme e saiu. Ele teria pedido ao prefeito 20 mil contos de réis, mas Antão só tinha 5 e ele aceitou.

Em seguida, Lampião e o bando foram a uma pensão e lá almoçaram. A turma foi para a Estação de Trem à espera de soldados que vinham da Bahia. Mas nada de soldados. Depois de receber o dinheiro, de fazer algumas compras e pagar e de ganhar um livro sobre a vida de Jesus, Lampião reuniu o bando e foi embora.

Em outubro de 1931, Lampião e o bando voltam a Capela. Fazem alguns reféns nas fazendas e manda o irmão do vigário informar que entraria de novo na cidade. O recado foi dado, mas desta vez um grande grupo de moradores (inclusive mulheres) se organizou, armou-se e ficou escondido nas torres da igreja. Lampião achou demorado o recado, entra na cidade e é recebido com chumbo.

Fazendo referência aos tiros que vinham das torres da igreja de Nossa Senhora da Purificação, Lampião teria dito: “Vamos embora que nesta cidade até os santos atiram”. Virgulino ficou nos arredores da cidade e teria praticado uma série de crimes. O Jornal da Tarde, de São Paulo, em 30 de julho de 1973, conta as histórias de Lampião em Capela.[5]

Algumas lendas e a festa do mastro[editar | editar código-fonte]

Em Capela existe uma série de lendas, muitas festas folclóricas e a principal Festa do Mastro:

Lenda da bica[editar | editar código-fonte]

Os índios das tribos Tupã e Tupinambás eram inimigos. O cacique dos Tupã tinha uma linda filha, Bica, que se apaixonou pelo filho do cacique Tupinambá, o Beca. Um amor proibido, impossível. Um dia, os dois jovens índios foram flagrados pelo pai de Bica. Beca e Bica foram mortos e no lugar onde isso aconteceu nasceram minadores de água límpida. Acredita-se que a água sejam as lágrimas dos índios assassinados.

Lenda da Igreja do Amparo[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que do Cruzeiro até os fundos da Igreja Nossa Senhora do Amparo, à meia-noite, se alguém colocar o ouvido no chão ouve barulho forte de água corrente. Uns acreditam ser uma “perna” do Rio São Francisco.

Festa do Mastro[editar | editar código-fonte]

A Festa do mastro surgiu em 1939 por iniciativa do Sr. Carlos Campos, Napoleão, Anderson Melo (Derson), João Nelson de Melo e outros. No dia 29 de junho, junto com seus irmãos e amigos, fez uma festa simples na Rua da Palmeira. Os anos passavam e a festa crescia. Na noite de 31 de maio, o grupo folclórico da Sarandaia sai pelas ruas para acordar São João e pedem prêmios para serem pendurados num mastro que será arrancado na Festa de São Pedro. No dia 28 de junho um homem vestido de baiana também sai pelas ruas pedindo prêmios para colocar no mastro. No dia 29, pela manhã, a multidão sai para a mata do junco, buscar uma grande arvore que é marcada no dia de Corpus Christi. A árvore é levada num cortejo para a cidade. A lama é ingrediente básico da festa. À noite tem a queima do mastro, aonde ocorre a guerra de buscapés. Quando o Mastro tomba os prêmios são coletados. A tradição e a festa encerra com bandas na praça de eventos.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Estimativa Populacional 2013» (PDF). Estimativa Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 4 de outubro de 2013. Consultado em 4 de outubro de 2013 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 26 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. a b c CINFORM - História dos Municípios. Edição Histórica. Globo Cochrone. 2002