Catarina Martins

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Catarina Martins - Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda

Catarina Soares Martins (Porto, 7 de setembro de 1973) é uma linguista e política portuguesa, com o cargo de deputada na Assembleia da República e Coordenadora Nacional do Bloco de Esquerda.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Catarina Martins nasceu no Porto, a 7 de setembro de 1973. Fez a primeira classe em São Tomé, onde os pais eram cooperantes, e a segunda e terceira classes em Cabo Verde. Regressa a Portugal aos nove anos e vive em cidades como Aveiro, Vila Nova de Gaia e Lisboa. Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, tem um mestrado em Linguística e frequência de doutoramento em Didática das Línguas. É casada e tem duas filhas.

Percurso político[editar | editar código-fonte]

Catarina Martins participa desde a juventude em diversos movimentos cívicos e políticos. No liceu junta-se à luta contra a Prova Geral de Acesso e, mais tarde, em Coimbra onde estuda Direito, participa nos movimentos contra as propinas na universidade. O seu percurso leva-a ao envolvimento em movimentos culturais: é cofundadora, em 1994, da Companhia de Teatro de Visões Úteis[1] e foi dirigente do CITAC e da Plateia[2] (Associação de Profissionais das Artes Cénicas).

É eleita deputada à Assembleia da República pela primeira vez em 2009[3], ainda como independente nas listas do Bloco, tendo sido reeleita pelo círculo do Porto em 2011 e 2015. Nos primeiros anos de mandato, integra as comissões de Educação, Ciência e Cultura, Economia e Obras Públicas, assim como na Subcomissão de Ética[4].

Adere ao Bloco de Esquerda e integra a sua direção desde 2010[5]. Em 2012, juntamente com João Semedo, sucede a Francisco Louçã na liderança do partido. Em 2014, na sequência da IX Convenção, João Semedo abandona a liderança, passando a vigorar uma nova Comissão Permanente da qual Catarina é porta-voz. Em 2016, após a X Convenção, a Comissão Permanente é dissolvida e Catarina Martins assume as funções de Coordenadora do Bloco de Esquerda.

É no mandato de Catarina Martins que o Bloco de Esquerda alcança o seu melhor resultado eleitoral de sempre, elegendo 19 deputados, superando o meio milhão de votos e obtendo 10,19% nas eleições legislativas[6]. A 3 de dezembro de 2015, na sequência do sucesso eleitoral e do afastamento da direita do poder, a conceituada revista norte-americana Politico classifica Catarina Martins como uma das 28 personalidades em destaque na Europa, considerando-a “a cara da esquerda” e referindo que “o sucesso de Martins provocou arrepios a todo o establishment da Europa”[7].

Um estudo da consultora de comunicação Imago Llorent & Cuenca, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, coloca Catarina Martins entre os dez políticos mais influentes na rede social Twitter. Em Março de 2017, o Jornal Económico considera Catarina Martins a mulher mais influente em Portugal.

Referências

  1. «Visões Úteis». visoesuteis.pt. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  2. «Plateia». plateia-apac.blogspot.com. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  3. «Biografia». www.parlamento.pt. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  4. «Actividade parlamentar.». Assembleia da República - www.parlamento.pt 
  5. Bloco, Esquerda. «Bloco de Esquerda - Comissão Política». Bloco.org 
  6. «Eleições para a Assembleia da República 2015 | Comissão Nacional de Eleições». www.cne.pt. Comissão Nacional de Eleições - www.cne.pt. Consultado em 1 de agosto de 2018 
  7. «CATARINA MARTINS». POLITICO (em inglês). 2 de dezembro de 2015 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Catarina Martins