Cecília Lemes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cecília Lemes
Nome completo Cecília Lemes de Bortoli
Nascimento 10 de abril de 1960 (58 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Atriz e dubladora
Atividade 1967-presente
IMDb: (inglês)

Cecília Lemes de Bortoli (São Paulo, 10 de abril de 1960) é uma atriz e dubladora brasileira. É notoriamente conhecida por ser no Brasil a segunda voz da Chiquinha (María Antonieta de las Nieves) na série Chaves.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Cecília começou a trabalhar com dublagem aos nove anos após ter feito o filme A Marca da Ferradura em 1969. Na ocasião, não aceitou que sua personagem fosse dublada por outra pessoa, e, com isso, fez a sua primeira dublagem, dublando a si mesma no estúdio da AIC.

É mais conhecida por ter dublado Chiquinha de Chaves,[1] trabalho pelo qual ganhou o Prêmio Yamato de Melhor Dubladora de Coadjuvante na redublagem da série em 2006.[2] No entanto, ela começou dublando as personagens Malicha e Paty e ganhou a oportunidade de dublar Chiquinha e Dona Neves quando Sandra Mara (primeira dubladora da atriz Maria Antonieta de Las Nieves) foi para a Itália, em 1990.[3]

Cecília é reconhecida também pelos seu trabalhos como Lucy em Guerreiras Mágicas de Rayearth, a mãe da Bulma em Dragon Ball Z, Ritsuko em Neon Genesis Evangelion,[4] Coração Rosa em Ursinhos Carinhosos, Karen em Bob Esponja, Fran em Nanny, Grace em Will & Grace.[3] Também dublou Anri em Jaspion, Cassidy em Pokémon,[5] personagens de Maria Antonieta de las Nieves em Chapolin Colorado, Harriety em Super Vicky, Ana Pimentinha na série homônima, Morticia em A Família Addams, Norma Arnold em Anos Incríveis,[6] Ran Tsukikage em Ran, The Samurai Girl,[7] Artemis em Prólogo do Céu e Donna Noble em Doctor Who ganhou o Prêmio Yamato na categoria Melhor Dubladora de Coadjuvante – Escolha do Público por este último.[2] Pela sua carreira como dubladora ganhou o Troféu Anime Dreams entregue durante Prêmio Yamato.[2] Dublando filmes, ela é conhecida por ser a dubladora de atrizes como Julianne Moore, atuando em Ensaio sobre a Cegueira e As Horas,[8] Julia Roberts, Sandra Bullock, Andie McDowell, Jamie Lee Curtis e Bridget Fonda.[6]

Como atriz, além de A Marca da Ferradura com Tonico & Tinoco, Cecília trabalhou no programa da TV Paulista, o Zás Trás, depois disso atuou em A Grande Gincana na TV Record, Sessão Tic Tac na Rede Excelsior e Gente Inocente na Rede Tupi.[1] Atuou também nos filmes Regina e o Dragão de Ouro e A Herdeira Rebelde. Além disso, trabalhou no teatro, em peças como Ricardo III, O Mais Belo dos Paraísos e A Turma do Tong-Tong.[6]

Cecília casou-se em 1978 com Luiz Antonio De Bortoli, com quem tem duas filhas, Adriana e Patrícia. Tem também quatro netos: Luisa, Lara, Alice e Luca.

Cecília foi homenageada em Sessão Solene na Câmara Municipal de São Paulo, pela Academia Brasileira de Arte, Cultura e História e pelo vereador Coronel Telhada em 12 de agosto de 2013.

Dublagens[editar | editar código-fonte]

Voz original[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f «Dia do Dublador: As vozes por trás dos grandes personagens». MSN Entretenimento. 29 de junho de 2010. Consultado em 19 de maio de 2012. 
  2. a b c Lobão, David Denis (22 de junho de 2009). «História do Oscar da dublagem 2009». ohaYO!. Consultado em 30 de novembro de 2012. 
  3. a b «Parabéns "Chiquinha": Aniversário da dubladora Cecília Lemes». ohaYO!. Lobão, David Denis. Consultado em 30 de novembro de 2012.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. «Cecília Lemes - dubladora mágica». Henshin!. 20 de julho de 2005. Consultado em 30 de novembro de 2012. 
  5. «Eventos de anime e mangá pelo Brasil». Henshin!. 13 de fevereiro de 2009. Consultado em 30 de novembro de 2012. 
  6. a b c «Cecília Lemes, quarta na TV UOL». ohaYO!. 6 de outubro de 2006. Consultado em 30 de novembro de 2012. 
  7. «Conheça a história da bela donzela samurai Ran Tsukikage e sua dubladora». Henshin!. 31 de outubro de 2006. Consultado em 30 de novembro de 2012. 
  8. Faria, Ana Elisa (3 de setembro de 2009). «Dublado ou legendado? Veja a preferência dos brasileiros na hora de ir ao cinema». R7. Consultado em 30 de novembro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]