Cerco de Sarajevo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cerco de Sarajevo
Parte da(o) Guerra da Bósnia
Evstafiev-sarajevo-building-burns.jpg
Parlamento bósnio em chamas após ser bombardeado pela artilharia sérvia.
Data 5 de abril de 1992[1]29 de fevereiro de 1996[2]
Local Sarajevo, Bósnia e Herzegovina
Desfecho Fim do cerco por conta do Acordo de Dayton; numerosos civis mortos.
Combatentes
Bósnia e Herzegovina Bósnia e Herzegovina (1992–96)
OTAN OTAN (1994–96)
 Iugoslávia (1992)
Flag of Republika Srpska.svg República Srpska (1992–96)
Principais líderes
Bósnia e Herzegovina Alija Izetbegović
Bósnia e Herzegovina Jovan Divjak
Bósnia e Herzegovina Mustafa Hajrulahović Talijan
Bósnia e Herzegovina Vahid Karavelić
Bósnia e Herzegovina Nedžad Ajnadžić
OTAN Leighton W. Smith
Iugoslávia Milutin Kukanjac (março-julho 1992)
Flag of Republika Srpska.svg Radovan Karadžić
Flag of Republika Srpska.svg Ratko Mladić
Flag of Republika Srpska.svg Tomislav Šipčić (julho-setembro de 1992)
Flag of Republika Srpska.svg Stanislav Galić (setembro de 1992 – agosto de 1994)
Flag of Republika Srpska.svg Dragomir Milošević (agosto de 1994 – fevereiro de 1996)
Forças
Bósnia e Herzegovina 70 000 soldados Flag of Republika Srpska.svg 13 000 soldados
Vítimas
6 110 soldados mortos ou desaparecidos[3] 2 229 soldados mortos ou desaparecidos[3]
Civis: 11 541 mortos, 56 000 feridos[4]


O cerco de Sarajevo foi o mais longo cerco da história da guerra moderna,[5][6] tendo sido realizado pelas forças sérvias da autoproclamada República Srpska e do Exército Popular Iugoslavo. Durou de 5 de abril de 1992 a 29 de Fevereiro de 1996, durante a Guerra da Bósnia, entre as mal equipadas forças de defesa da Bósnia e Herzegovina, o Exército Popular Iugoslavo e o Exército da República Srpska, situados nas colinas que rodeiam a cidade.

Após a Bósnia e Herzegovina fazerem sua declaração de independência da República Socialista Federativa da Iugoslávia, os sérvios, cujo objetivo estratégico era criar um novo Estado sérvio da República Srpska, o qual incluiria parte do território da Bósnia e Herzegovina,[7] cercaram Sarajevo com uma força de cerca de 18.000[8] homens. Baseados nas colinas circundantes, assaltaram a cidade com armamento pesado, que incluía artilharia, morteiros, tanques, canhões antiaéreos, metralhadoras pesadas, lançadores múltiplos de foguetes, mísseis lançados de aeronaves e rifles sniper.[8] Em 2 de maio de 1992, os sérvios bloquearam a cidade. As forças de defesa do governo bósnio, que estavam muito mal equipadas, foram incapazes de romper o cerco.

Estima-se que mais de 12.000 pessoas foram mortas e 50.000 feridas durante o cerco, sendo 85% das vítimas civis. Por causa dessas mortes e da migração forçada, em 1995, a população da cidade caiu para 334.663 pessoas (64% da população de antes da guerra).[9]

Em janeiro de 2003, a Câmara de Julgamento do Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia condenou o primeiro comandante do Corpo de Sarajevo Romanija, Stanislav Galić, pelas campanhas de terror, que incluíram bombardeios e franco-atiradores, contra Sarajevo, principalmente o massacre do mercado Markale.[10] O General Galić foi condenado à prisão perpétua por crimes contra a humanidade durante o cerco.[11] Em 2007, o general sérvio Dragomir Milosevic, que havia substituído Galić no cargo de comandante do Corpo de Sarajevo Romanija, foi considerado culpado dos mesmos crimes e condenado a 33 anos de prisão. A Câmara de Primeira Instância concluiu que o mercado Markale foi atingido em 28 de Agosto de 1995 por um morteiro de 120 mm disparado a partir de posições do Corpo de Sarajevo Romanija.[12]

Referências

  1. 5 de abril de 1992 foi a data do primeiro ataque a Sarajevo por parte do JNA e de paramilitares sérvios, e é considerada a data de início do cerco. Porém, já no dia 1º de março de 1992, barricadas e homens armados começavam a aparecer nas ruas de Sarajevo.
  2. O dia 29 de fevereiro de 1996 foi quando ocorreu a declaração oficial do governo bósnio a respeito do fim do cerco. A guerra terminou com a assinatura do Acordo de Dayton em 21 de novembro de 1995 e com o Protocolo de Paris de 14 de dezembro de 1995. A razão para o cerco ainda não ter sido declarado acabado foi em decorrência de os sérvios não terem havido ainda implementado o parte do acordo que os obrigavam a retirar tropas do norte e do oeste de Sarajevo, assim como de outras áreas da cidade. Os sérvios também violaram a paz de Dayton ao atirarem uma granada em um bonde de Sarajevo em 9 de janeiro de 1996, matando 1 pessoa e ferindo 19.
  3. a b «Ljudski gubici u Bosni i Hercegovini 91–95 – Sarajevo». The Research and Documentation Center (RDC). p. 16. Consultado em 11 de maio de 2010 
  4. Bassiouni, Cherif (27 de maio de 1994). «Final report of the United Nations Commission of Experts established pursuant to security council resolution 780». United Nations. Consultado em 10 de maio de 2010 
  5. [1]
  6. [2]
  7. [3]
  8. a b Times Online, retrieved on April 4 2009
  9. Historia de Sarajevo
  10. Veredicto Galić: Francotiradores y bombardeos de civiles en zonas urbanas
  11. Galić: culpable de los crímenes
  12. SENSE - Dragomir MILOSEVIC condenado a 33 años
Ícone de esboço Este artigo sobre um conflito armado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cerco de Sarajevo