Enrique Vila-Matas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Enrique Vila-Matas
Nome completo Enrique Vila-Matas
Nascimento 31 de março de 1948 (70 anos)
Barcelona, Espanha
Nacionalidade Espanha Espanhol
Ocupação Jornalista e escritor
Principais trabalhos Bartleby e companhia, O mal de Montano e Doutor Pasavento
Prémios Elsa Morante, 2007

Prémio Rómulo Gallegos (2001)
Ciudad de Barcelona, 2001
Prix du Meilleur livre étranger, 2000
Prix Fernando Aguirre-Libralire
Prémio Herralde, 2002
La Crítica Española
Prémio Médicis estrangeiro (2003)
Flaiano, 2005
Prêmio Fundação José Manuel Lara, 2006
Real Academia Española
Prêmio Mondello, 2009
Gregor von Rezzori, 2012
Jean Carrière, 2010
Prêmio Argital, 2012

Página oficial
http://www.enriquevilamatas.com

Enrique Vila-Matas (Barcelona, 31 de março de 1948) é um premiado escritor espanhol.

Nasceu em Barcelona em 1948. Em 1968 foi viver para Paris, auto exilado do Franquismo e à procura de maior liberdade criativa. O apartamento onde se instalou foi-lhe alugado pela escritora Marguerite Duras, que já era bastante famosa na ocasião. Vila-Matas pediu-lhe, sem muitas esperanças de ser atendido, dicas sobre como se tornar um bom escritor. Para sua surpresa, a francesa deu-lhe uma enorme lista de dicas para escrever bem. Durante esse anos subsistiu realizando pequenos trabalhos como jornalista para a revista "Fotogramas", e chegou a colaborar como figurante num filme de James Bond. Anos mais tarde, em 2007, o escritor catalão estava na posição inversa. O jovem escritor brasileiro Leandro Müller, quando vivia na cidade de Barcelona, escreveu à Enrique Vila-Matas pedindo ajuda. O resultado disso foi um prefácio escrito por Enrique Vila-Matas para o livro "Pequeño Tratado Hermético sobre Efectos de Superficie", premiado e publicado em 2008 na Espanha pelas Ediciones Universidad Salamanca. [1]

Vila-Matas publicou o seu primeiro livro, "La Asesina Ilustrada", em 1977, e desde então não mais deixou de escrever pois, segundo ele, "escrever é corrigir a vida, é a única coisa que nos protege das feridas e dos golpes da vida." [1] Com a publicação de "História Abreviada da Literatura Portátil" começou a ser reconhecido e admirado no âmbito internacional, especialmente nos países latino-americanos, França e Portugal. [2]

As suas obras são uma mescla de ensaio, crónica jornalística e novela. A sua literatura, fragmentária e irónica, dilui os limites entre a ficção e a realidade. Desenvolveu uma ampla obra narrativa que se inicia em 1973 e que, até à data, foi traduzida para 29 idiomas. [3] Actualmente é um dos narradores espanhóis mais elogiados pela crítica nacional e internacional. [4]

Principais obras e prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Título Prêmio
1977 A assassina ilustrada
1984 Impostura
1985 História abreviada da literatura portátil
1988 Uma casa para sempre
1991 Suicídios exemplares [5]
1992 O viajante mais lento Elsa Morante, 2007 [5][6]
1993 Filhos sem filhos [5]
1995 Longe de Veracruz
1995 Estranha forma de vida
1999 A viagem vertical Rómulo Gallegos [7][5]
2000 Bartleby e companhia Ciudad de Barcelona, Espanha, 2001 [8]
Prix du Meilleur livre étranger, 2000 [8][9][10]
Prix Fernando Aguirre-Libralire [11][9]
2002 O mal de Montano Prêmio Herralde de Novela, 2002 [5][12]
Premio de la Crítica Española [13][5][14][15][9]
Prêmio Médicis, França [9][16]
Prêmio Flaiano, 2005 [5]
2003 Paris nunca se acaba [5]
2006 Doutor Pasavento Prêmio Fundação José Manuel Lara, 2006 [17]
Real Academia Española [17][6][5]
Prêmio Mondello, 2009 [5][18]
2007 Exploradores del abismo Prêmio Gregor von Rezzori, 2012 [5][19][20]
2009 Diário volúvel [5]
2010 Dublinesca Prêmio Jean Carrière, 2010 [5][21]
2011 Perder teorias
2012 Ar de Dylan Prêmio Argital, 2012[22]
2013 Niña
2014 Kassel não convida à lógica - no original Kassel no invita a la lógica
2015 El día señalado

Principais Artigos e ensaios literários[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1992 O viajante mais lento
1995 O fato dos domingos
1997 Para acabar com os números redondos
2000 Da cidade nervosa
2005 Aunque no entendamos nada
2008 El viento ligero en Parma

Citação[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Luciano Trigo (3 de julho de 2012). «Enrique Vila-Matas: 'Eu escrevo para saber o que é uma obsessão'». Consultado em 27 de fevereiro de 2013  Texto "publicadoG1 " ignorado (ajuda)
  2. Paulo Roberto Pires (2 de abril de 2011). «Resenha de 'História abreviada da literatura portátil', de Vila-Matas». O Globo. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  3. Paulo Nogueira (Junho de 2012). «Vila-Matas vira o Jogo». Revista Bravo!. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  4. Wilker Sousa. «Enrique Vila-Matas e a escrita da ausência». Revista Cult. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  5. a b c d e f g h i j k l m CCCB - Centre de Cultura Contemporània de Barcelona. «Enrique Vila-Matas» (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  6. a b Serpentine Gallery. «Park Nights Enrique Vila-Matas and Dominique Gonzalez-Foerster Friday 13 August» (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  7. Editora Cosa Naify. «A viagem Vertical». Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  8. a b Editora Cosa Naify. «Bartleby e companhia». Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  9. a b c d MasCultura. «LEJOS DE VERACRUZ de Enrique Vila-Matas una novela loca e insomne» (em espanhol). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  10. Library Thing. «Book awards: Meilleur livre étranger». Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  11. Rodrigo Fresán (2 de novembro de 2003). «El escritor de los escritores» (html). Página 12 (em espanhol). Radar Libros. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  12. Dolors Massot (5 de novembro de 2002). (em espanhol). ABC.es titulo=Enrique Vila-Matas gana el XX premio Herralde con «El mal de Montano» http://www.abc.es/hemeroteca/historico-05-11-2002/abc/Cultura/enrique-vila-matas-gana-el-xx-premio-herralde-con-el-mal-de-montano_141470.html. Consultado em 27 de fevereiro de 2013  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  13. Editora Cosa Naify. «Bartleby e companhia». Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  14. Rodrigo Fresán (fevereiro de 2004). «Entrevista a Enrique Vila-Matas» (em espanhol). DDOOSS - Asociacion de Amigos del Arte Y la Cultura de Valladolid. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  15. MB Agência Literária. «Enrique VILA-MATAS» (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  16. ndbooks. «Contemporary Spanish writer» (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  17. a b Fundación José Manuel Lara (10 de abril de 2006). «Enrique Vila-Matas, con su novela 'Doctor Pasavento', ganador del Premio Fundación Lara en 2006» (em espanhol). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  18. Giangiacomo Feltrinelli Editore. «A Enrique Vila-Matas il Premio Speciale della Giuria del Mondello» (em italiano). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  19. Informador.com.mx (15 de junho de 2012). «Obtiene Enrique Vila-Matas premio Gregor Von Rezzori» (em espanhol). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  20. El Universal (17 de junho de 2012). «Vila-Matas gana premio Gregor von Rezzori» (em espanhol). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  21. Sergio Almeida (10 de dezembro de 2010). «Enrique Vila-Matas ganha prémio em França». Jornal de Notícias. babel Livros do Mundo. Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  22. El País (4 de maio de 2012). «Aplauso a tres trayectorias» (em espanhol). Consultado em 27 de fevereiro de 2013 
  23. Público (3 de outubro de 2011). «Vila-Matas recebeu o prémio literário Bottari Lattes Grinzane». Consultado em 27 de fevereiro de 2013 

[1]Ligações externas[editar | editar código-fonte]



  1. Amaral, Pauliane (13 de abril de 2017). «A construção da identidade do autor em J. M. Coetzee e Enrique Vila-Matas». ITINERÁRIOS – Revista de Literatura. 0 (42). ISSN 0103-815x Verifique |issn= (ajuda)