Estação de Cruzeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estação de Cruzeiro
Estação de Cruzeiro da EFCB com composição da EFMR.
Uso atual BSicon TRAIN3.svg Estacionamento de Trens Cargueiros
Administração Prefeitura Municipal de Cruzeiro
Linha Ramal de São Paulo
(1878-atualmente)
Estrada de Ferro Minas Rio
(1884-1991)
Código SP-0025
Posição Superfície
Níveis 1
Plataforma Central (1)
Altitude 514 m
Informações históricas
Inauguração 04 de setembro de 1878 (140 anos)
Fechamento Meados de 1980 (39 anos)
(Como estação de passageiros)
Meados de 2001 (18 anos)
(Como estação de trem turístico)
Localização
Localização Gnome-globe.png Estação Ferroviária de Cruzeiro
Endereço Rua Engenheiro Antônio Penido, 650 - Centro
Município Portal Cruzeiro, SP
País  Brasil

A Estação de Cruzeiro é uma estação ferroviária construída e inaugurada pela Estrada de Ferro D. Pedro II em 04 de setembro de 1878, pertencente ao Ramal de São Paulo. Em 1884, também passou a ser o ponto inicial da antiga Estrada de Ferro Minas e Rio. Está localizada no município de Cruzeiro, no estado de São Paulo e é um Patrimônio tombado pelo CONDEPHAAT[1].

História[editar | editar código-fonte]

A estação de Cruzeiro foi inaugurada pela Estrada de Ferro D. Pedro II em 1878, como parte do Ramal de São Paulo, que partia da Estação Barra do Piraí na província do Rio de Janeiro, e seguia à margem direita do Rio Paraíba até o Porto de Cachoeira, na estação construída no povoado Santo Antônio da Cachoeira (atual Cachoeira Paulista).

A partir de 1884, passou a ser o ponto de partida da Estrada de Ferro Minas e Rio (EFMR) que levava até Três Corações, em Minas Gerais. A ferrovia tinha este nome porque deveria sair de uma estação na Província do Rio de Janeiro, porém o Major Novaes, dono de terras que hoje compõe o território de Cruzeiro, tinha grande influência política e também possuía amizade com o imperador Dom Pedro II, de modo que teve grande papel na decisão em fazer com que o trajeto da nascente rede ferroviária começasse em Cruzeiro[2].

Após a incorporação da Estrada de Ferro do Norte pela Estrada de Ferro Central do Brasil (sucessora da E.F. Dom Pedro II) em 1896, a estação passou a ficar praticamente na metade do percurso entre São Paulo e Rio de Janeiro, sendo o ponto de cruzamento dos principais trens de passageiros da companhia.

No ano de 1980, houve o fechamento da estação para trens de passageiros pela RFFSA, que passou a administrar a E.F. Central do Brasil e os trilhos da antiga E.F Minas e Rio. Entre 2000 e 2001, partiu o trem turístico a vapor tocado pela ABPF - Regional Sul de Minas, que seguia para Passa Quatro, em Minas Gerais. Porém, um desabamento logo após o Túnel da Mantiqueira, na divisa dos dois estados, levou o percurso a ser feito somente em território paulista. Em dezembro de 2001, o trem a vapor foi suprimido por falta de apoio financeiro da Prefeitura de Cruzeiro[3].

Desde 1996, as vias de bitola larga da antiga EFCB que passam pela estação são administrados pela MRS Logística S.A., que opera apenas trens de carga no trecho. Já os trilhos em bitola métrica da antiga EFMR, estão totalmente abandonados até o Túnel da Mantiqueira, exceto as oficinas e o pátio ferroviário ainda se encontram em operação pela ABPF.

Oficinas Ferroviárias[editar | editar código-fonte]

Na Estação de Cruzeiro também opera a principal oficina de manutenção de locomotivas da  Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) – Regional Sul de Minas, cujo trabalho envolve a reparação pesada de locomotivas a vapor e a diesel. São exemplos de locomotivas restauradas o Trem da Serra da Mantiqueira, em Passa Quatro; e o Trem das Águas, em São Lourenço. A oficina também ajuda outras regionais da ABPF na manutenção de seus trens, fornecendo peças, fabricando componentes, entre outros serviços. Além das locomotivas, a oficina cuida da manutenção de veículos de linha, como autos de linha, vagonetes, entre outros. São também feitos e recuperados componentes da parte motora dos carros de passageiros. Por fim, outro grande trabalho realizado na oficina, a re-bitolagem de dormentes de concreto, para aplicação nas linhas do Sul de Minas mantidas pela regional.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Info Patrimônio: Estação de Cruzeiro
  2. Estações Ferroviárias do Brasil: Estação Cruzeiro
  3. a b «Cruzeiro». Associação Brasileira de Preservação Ferroviária. 5 de abril de 2015 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.