GE C-C (RFFSA)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


GE
Tren.svg
Descrição
Propulsão Elétrica
Fabricante GE Erie ( Estados Unidos)
Número de série 34359-34364
Ano de fabricação 1962
Locomotivas fabricadas 06
Classificação AAR C-C
Tipo de serviço Carga
Características
Bitola 1600 mm
Diâmetro das rodas 46”
Distância entre eixos 2.082 mm
Comprimento 15.847 mm
Largura 3.047 mm
Altura 4.380 mm
Peso da locomotiva 123.000 kg
Peso por eixo 20.500 kg
Peso aderente 123.000 kg
Tipo de combustível Eletricidade
Eletrificação 3000V, C.C.
Limite de RPM 859
Motores de tração G.E. 729
Tração múltipla Sim
Performance
Velocidade máxima 117 km/h
Potência disponível para tração 4.400 hp
Raio mínimo de inscrição 100 m
Freios da locomotiva Ar comprimido
Sistema de freio 26L
Operação
Ferrovias Originais RFFSA-EFCB
Ferrovias que operou RFFSA
Numeração SIGO 2151-2156 / 9080-9085
Apelidos Charutão ou Carioquinha
Local de operação São Paulo e Rio de Janeiro
Data de entrega 1962
Ano da entrada em serviço 1962
Ano da saída do serviço Anos 80
Ano de desmanche Anos 90
Situação Nenhuma Preservada


A Charutão ou Carioquinha foi um tipo de Locomotiva Elétrica construída pela General Electric comprada pela RFFSA (Central do Brasil) em 1962.

Foram compradas 6 locomotivas do tipo C-C, de 4.400 HP. Essa locomotiva, foi apelidada de Charutão em função de sua caixa longa e estreita, sendo usada principalmente em trens de carvão para a Companhia Siderúrgica Nacional em Volta Redonda, sendo usada normalmente em tração dupla ou, mais raramente, tripla.

Breve histórico[editar | editar código-fonte]

♙Compradas para reforçar o parque de tração da EFCB, na época com as GE e Westinghouse 2-C+C-2 ''Escandalosas" e as Siemens B-B 4000 "Pão-de-Fôrma", tinham a seu favor o fator do peso aderente, naquela época muito significativo para o esforço de tração das locomotivas, pois isso significava menos gasto e mais eficiência. No trecho ferroviário que corta a Serra do Mar no RJ, com suas pesadas e fortes rampas, o seu desempenho foi excelente. Em relação às Escandalosas, que viviam a patinar porque seu peso não as favorecia no transporte de trens cargueiros, as Charutão se saíram melhor.

"Valente, robusta e perigosa. A rainha das locomotivas elétricas. Sempre fazia o trem CP 100/200, carvão do Cais do Arará (atrás do antigo JB), cruzava a Av. Brasil, seguindo para a CSN".

As GE C-C ("Carioquinhas" [SP], "Charutão" [RJ]) ao contrário do que muito se pensa, também puxaram trens de passageiros. A maior parte das fotos a mostra tracionando esses trens, ou então manobrando em pátios.

No Rio e redores puxou os trens "Vera Cruz" e "Santa Cruz", até a chegada das ALCo FA-1 (as Biribas), este inclusive em certo tempo puxou composição só com carros de aço!

Foram as últimas locomotivas elétricas a operar na EFCB até sua dissolução em 1982.

Proprietários Originais[editar | editar código-fonte]

Ferrovia

País

Bitola

Quantidade

Rede Ferroviária Federal S.A. Brasil 1,600m 06

Ferrovia

País

Bitola

Quantidade

Rede Ferroviária Federal S.A. Brasil 1,600m 06

Tabela[editar | editar código-fonte]

Modelo Potência (HP) Bitola (m) Fabricante Origem Ano de Fabricação
GE 4400 4400 1,600 General Electric Brasil 1962
  • Seu design espartano, similar ao adotado nas locomotivas diesel-elétricas (U18C ou U9B) da época, contrastava com de outras locomotivas elétricas, mas implicava menores custos de fabricação e mais facilidade de acesso aos equipamentos quando de sua manutenção.
  • Possuíam 123 toneladas de peso total, permitindo tração múltipla e apresentado maior eficiência na tração que as Escandalosas. Foram numeradas de 2151-2156 (nº de fabricação 34359-34364) quando da sua chegada na ferrovia.
  • Na RFFSA-EFSJ receberam a numeração padrão SIGO: 9080-9085.


Transferência, EFSJ, FEPASA e fim
[editar | editar código-fonte]

Como já dito, foram as últimas locvas a operar pela EFCB, e também no RJ. Ficaram no estado até o ano de 1984, apesar de não terem sido as primeiras deste tipo que se mudaram.

Foram para a EFSJ (Estrada de Ferro Santos-Jundiaí) onde já estavam as outras locos elétricas da Central - as 'Pão-de-Fôrma' e as GE's e Westinghouses 2-C+C-2 (estas tendo ido mais cedo, em 1982), e o famoso Trem Húngaro. Por lá receberam o apelido dos paulistas de "Carioquinha" e como a EFSJ não foi incorporada a FEPASA como a demais ferrovias paulistas (passou a fazer parte da RFFSA), ficou a cargo desta locomotiva além de todos os outros tipos de trens puxar os da estatal de SP, os trens SP-Campinas, o SP- Santos (da própria EFSJ, mas elas só iam até Paranapiacaba no sopé da serra, onde se fazia a troca de locomotivas), e o SP-RJ, este administrado pela RFFSA.

E assim foram fazendo o seu serviço... Até o ano de 1996, quando deu-se início a concessão das ferrovias, a privatização da Rede Ferroviária Federal, um golpe duro a todo o país. Tal situação durou até 1998. Mas imediatamente toda a tração elétrica foi arrancada, os trens de passageiros suprimidos, apenas dois de longa distância sobraram. E junto com o fim destes, veio a imediata interrupção do tráfego das que rodavam pela RFFSA em SP, foram então encostadas. Assim como outras elétricas da Santos à Jundiaí, a essa altura já MRS.

(Todos os trens de subúrbio que foram operados pela CBTU até 1992, já estavam nas mãos da CPTM.)

Sucateadas que foram junto com tantas outras locos nos pátios da Lapa e Luz, na capital paulista, não tiveram a mesma sorte que as GE 'V8' da ex-CPEF e ex-FEPASA, já também extintas. Logo que a CPTM e a MRS passou a cuidar dos pátios, começou a limpá-los. Ou Transferindo tudo aquilo que lhe era inservível para responsabilidade do DNIT, que até hoje faz a inventariança do patrimônio da Rede, e nessa limpeza estava também incluído o maçarico, que silenciosamente teve muito trabalho... Tal foi o destino das locomotivas GE C-C '4400' "Charutão", junto com algumas Siemens "Pão-de-Fôrma", e uma e outra Escandalosa, apesar de que a maioria foi parar em Bauru-SP, mas não escapou desse mesmo (infeliz) destino...

Houve boatos de que até 2003, ainda viam-se três destas locomotivas encostadas no pátio da Lapa, então não confirmado. Os números foram até dados: 9081, 9082 e 9085.

Infelizmente nenhuma destas foi salva.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]