GE AC44i

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


GE AC44i[1]
BSicon exTRAIN3.svg
Locomotiva Diesel-Elétrica GE AC44i # 3471 (C-C) construída pela GE Transportation - Erie / Contagem. Primeiro modelo de locomotiva de corrente alternada que roda no Brasil. Pertencente a MRS Logística. Serra das Araras (Km 67), entre Humberto Antunes e Mendes. Rio de Janeiro - Brasil.
Descrição
Propulsão Diesel-Elétrica
Projetista General Electric
Fabricante GE ( Estados Unidos)
GE do Brasil ( Brasil)
Modelo AC44i
Ano de fabricação 2008-presente
Classificação AAR C-C
Tipo de serviço Carga
Características
Bitola 1600 mm
Tipo de truques Hi-AD C-C (corrente alternada)
Comprimento 22.300 mm
Largura 3.030 mm
Altura 4.630 mm
Peso da locomotiva 195.000 kg
Peso por eixo 32.500 kg
Tipo de combustível Diesel
Fabricante do motor GE
Tipo de motor Combustão interna
Tração múltipla Sim
Performance
Velocidade máxima Até 90km/h
Potência total 4.500 hp
Potência disponível para tração 4.380 hp
Freios da locomotiva Ar comprimido
Operação
Ferrovias Originais MRS, ALL, ALL-RUMO, Brado Logística e Valor da Logística Integrada
Número de locomotivas na classe 341
Local de operação Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro
Data de entrega primeira em 2008 nos Estados Unidos
Proprietário atual MRS, ALL, ALL-RUMO, BRADO e Valor da Logística Integrada
Situação Operacionais

A GE AC44i é uma locomotiva diesel - elétrica produzida pela GE, e fornecida inicialmente para a MRS, trata-se da primeira locomotiva (característica principal) a tração de corrente alternada comercialmente usada no Brasil. Ela é muito semelhante as Dash9, diferenciando principalmente os truques.

Tendo sido produzida mais de 300 locomotivas AC44i no Brasil e nos EUA, sendo o maior operador a MRS.

Proprietários Atuais[2][editar | editar código-fonte]

Ferrovia País Bitola Quantidade
MRS Logística S.A. Brasil 1,600 m 210
ALL Brasil 1,600 m 136
Rumo Brasil 1,600 m 50
Brado Logística Brasil 1,600 m 8
Valor da Logística Integrada Brasil 1,600 m 11
Fibria Brasil 1,600 m 21

MRS Logística S.A.[editar | editar código-fonte]

As locomotivas pertencentes a MRS são numeradas de # 3401 a # 3495 e # 7210 a # 7330, foram compradas entre 2008 e 2014 para atender o transporte de minério de ferro junto com as Dash 9, com destino a CSN ou destinados a exportação para a China (90%) e Europa, no Terminal da Ilha Guaíba (TIG) em Mangaratiba. Além do transporte do minério, foram destacadas também nos trens carvoeiros e também no auxílio de trens em Barra do Piraí até Humberto Antunes, em Mendes com 2 AC44i operando junto com uma SD40-2 ou U23CA. Interessante dizer que as primeiras 60 AC44i distribuídas para a MRS foram fabricadas na GET em Erie, nos EUA, no mesmo local onde as 85 Dash 9 (C44-EMi) foram fabricadas, enquanto as demais foram fabricadas na GE do Brasil, em Contagem, MG. Até o final do ano de 2014, estima-se a chegada de mais 13 locomotivas.

ALL[editar | editar código-fonte]

No primeiro lote de AC44i da ALL, a numeração das locomotivas são a continuação das GE C44-9WM (Dash 9) compradas pela Ferronorte, iniciando pela # 9051 e vai até a # 9060, continuando com as AC44i Brado. No último lote comprado em 2013, inicia em # 603 a # 617 e continua a série com as EMD SD70ACe

ALL-Rumo Logística[editar | editar código-fonte]

As AC44i da Rumo foram compradas em um lote de 50 locos, em 2010, início das operações da concessionária da Cosan no estado de São Paulo. Numeradas de # 9810 a # 9859, são as mais bem vistas e de grande popularidade pelos railfans (atrás apenas das AC44i da MRS) por seu belo layout da pintura. Segundo algumas informações o Grupo Cosan estaria fazendo negociação com a GE para efetuar a compra de pelo menos 100 lotes de locomotivas do modelo.

Brado Logística[editar | editar código-fonte]

Fundada em 2011, a Brado Logística, empresa de transporte de contêineres, adquiriu no início de 2012 um lote com as suas duas primeiras AC44i. Continuando a série Ferronorte, foram distribuídas nas seguintes numerações: # 9061 e # 9062. Foram destacadas principalmente no transporte de contêineres, mas pode ser vista como comandante em outros trens. Em meados de 2013, junto com um translado de duas SD70ACe 6523 e 6524 VLI, veio a AC44i # 9580, continuando a série 95xx com as EMD SD40-2 Progress Rail de bitola métrica alugadas. Em setembro do mesmo ano e agosto de 2014, a Brado recebeu dois lotes respectivamente: o primeiro lote veio com 3 AC44i (# 9860 a # 9862) e o segundo, com duas locomotivas (# 9863 e # 9864), continuando a série Rumo.

Valor da Logística Integrada[editar | editar código-fonte]

A Vale, segunda maior empresa de mineração do mundo, incorporou a Ferrovia Centro-Atlântica e tornou-se sua dona. Criou uma nova fase na empresa, nova cor, nova logomarca, enfim, uma mudança geral. Tempos depois, nascia a Valor da Logística Integrada, popularmente chamada de VLI, que após a venda do controle acionário para a Mitsui Rail, mudou seu nome para Valor da Logística Integrada. Como a FCA tem operações no Triângulo Mineiro, Norte e Sul de Minas, Goias, Distrito Federal, Bahia, Rio de Janeiro, Espírito Santo e no Estado de São Paulo, a VLI logo foi incumbida de administrar as operações ferroviárias. Então entra em cena a operação da VLI, que logo recebe locomotivas GE AC44i para fazer trens de Paulínia, o transporte da bauxita vindos das jazidas da região de Poços de Caldas para a CBA em Alumínio e as próprias cargas graneleiras oriundas do Oeste e Triângulo Mineiro, tudo rumo ao Porto de Santos. Transportadas as cargas via bitola métrica pela linha-tronco da Mogiana, o transbordo é feito nos pátios na região de Campinas, onde é acoplado um vagão-madrinha aos vagões da bitola 1,00, unindo-o à locomotiva. As primeiras locos vieram no fim de 2012 em um lote de 11, da # 8563 a # 8573. O parque de tração já cresceu, adicionando as AC44i 27 locomotivas EMD SD70ACe (como a ALL).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. MRS Logística S.A. «Locomotivas MRS». Consultado em 13 de Janeiro de 2013 
  2. «Frota total de locomotivas brasileiras cresce em 126 unidades» (PDF). Revista Ferroviária. Consultado em 13 de Janeiro de 2013