Fúlvia Plaucila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fúlvia Plaucila
Imperatriz-consorte romana
Portrait of the empress Plautilla, wife of the emperor Caracalla. Early 3rd cent. AD.jpg
Busto de Fúlvia Plaucila.
Reinado abril de 202-22 de janeiro de 205
Consorte Caracala
Antecessor(a) Júlia Domna
Sucessor(a) Júlia Domna
Dinastia Severa
Nome completo
Publia Fulvia Plautilla
Nascimento Entre 185 e c. 188/189
  Roma
Morte 212
Filho(s) Uma filha de nome desconhecido
Pai Caio Fúlvio Plauciano
Mãe Hortênsia

Públia Fúlvia Plaucila (em latim: Publia Fulvia Plautilla) foi uma imperatriz-consorte romana, única esposa do imperador Caracala, de quem era também prima em segundo grau pelo lado paterno.

Nascimento e família[editar | editar código-fonte]

Plaucila nasceu e foi criada em Roma. Ela era parte da gens Fulvia, ativa na política romana desde a época da República e que tinha origem plebeia na região de Túsculo. Sua mãe se chamava Hortênsia e seu pai era Caio Fúlvio Plauciano, o comandante da guarda pretoriana, cônsul, primo de primeiro grau e aliado próximo do imperador Sétimo Severo, o pai de Caracala.

Severo e Plauciano planejaram para que o casamento entre Plaucila e Caracala ocorresse numa luxuosa cerimônia em abril de 202. O casamento forçado se mostrou extremamente infeliz, pois Caracala desprezava a esposa. Segundo Dião Cássio, Plaucila era perdulária.

Pelas evidências numismáticas, Plaucila deu a Caracala uma filha de nome desconhecido em 204. No mesmo ano, seu sogro ordenou a construção do Arco de Sétimo Severo e honra a si mesmo e sua família, incluindo sua esposa, Júlia Domna, Caracala, Plaucila e o cunhado Geta.

Exílio[editar | editar código-fonte]

Em 22 de janeiro de 205, Caio Fúlvio Plauciano foi executado por traição e suas propriedades foram confiscadas. Plaucila e a filha foram exiladas por Caracala para a Sicília e, posteriormente, para Lípari. Elas foram tratadas brutalmente e terminaram estranguladas por ordem do imperador depois da morte de Sétimo Severo em 4 de fevereiro de 211.

Representações[editar | editar código-fonte]

Moedas com a imagem de Plaucila que sobreviveram são majoritariamente do reinado do sogro dela e trazem a inscrição PLAUTILLA AUGUSTA ou PLAUTILLA AUGUSTAE. Existe também um busto dela no Louvre[1].

Solinjanka ou Salonitanka ("mulher de Solin", a antiga cidade de Salona) é um dos mais importantes retratos romanos já encontrados na Croácia e, acredita-se, representa Plaucila[2][3] quando jovem. Em mármore, esta peça foi encontrada em Salona e está preservada atualmente no Museu Arqueológico de Zagreb.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Fúlvia Plaucila
Nascimento: 170 Morte: 212
Títulos reais
Precedido por:
Júlia Domna
Imperatriz-consorte romana
202–205
com Júlia Domna
Sucedido por:
Júlia Domna

Referências

  1. History of Rome and of the Roman people (from its origin to the invasion of the barbarians), Victor Duruy and John Pentland Mahaffey, C.F. Jewett Publishing Company, 1883, pg. 535.
  2. «Coleção Greco-Romana» (em croata). Museu Arqueológico de Zagreb. Consultado em 27 de julho de 2013. 
  3. «Plautilla and the Fate of a Princess». Archaeologia Adriatica (em croata) (11): 473-488. 2008. Consultado em 27 de julho de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fúlvia Plaucila