Anastácia (esposa de Constantino IV)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anastácia
Imperatriz-consorte bizantina
Reinado 15 de setembro de 668 - 685?
Consorte Constantino IV
Antecessor(a) Fausta
Sucessor(a) Eudóxia
Dinastia Heracliana
Nascimento c. 650
Morte fl. 711
  Igreja dos Santos Apóstolos, Constantinopla
Filho(s) Justiniano II
Heráclio

Anastácia (em latim: Anastasia; c. 650 - 711) foi uma imperatriz-consorte bizantina, esposa do imperador Constantino IV Pogonato.

Imperatriz[editar | editar código-fonte]

Anastácia aparece pela primeira vez no registro histórico quando seu marido ascendeu ao trono em 668. Em 15 de setembro, o sogro dela, Constante II, foi assassinado em sua banheira por um camareiro. Ele já morava havia algum tempo em Siracusa, na Sicília, e deixou o filho em Constantinopla.

Anastácia se tornou a imperatriz-consorte sênior quando as notícias do assassinato chegaram à corte. Estima-se que o nascimento de seu primeiro filho varão, Justiniano II, tenha ocorrido entre 668 e 669 com base nos relatos de Teófanes, o Confessor, e do patriarca Nicéforo I. Uma referência em Sobre a Administração Imperial, de Constantino VII, informa que ele teria nascido em Chipre.

Um outro filho, chamado Heráclio, aparece no Liber Pontificalis, na entrada sobre o papa Bento II (r. 26 de junho 684–8 de maio de 685), que menciona que o papa teria recebido um cacho dos cabelos dos irmãos Justiniano e Heráclio, presumivelmente como um gesto de boa vontade ao pai dos dois.

Constantino IV morreu de disenteria em setembro de 685.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Justiniano ascendeu ao trono e se mostraria um governante impiedoso. Precisando de fundos para seus projetos arquitetônicos, ele autorizou Estêvão, o Persa, seu logóteta geral ("ministro das finanças"), a consegui-los de qualquer maneira. Tanto Teófanes quanto Nicéforo alegam que Estêvão teria castigado e torturado em sua busca por dinheiro.

Teófanes relata um incidente em 693-694 no qual Anastácia foi chicoteada por ordem de Estêvão, esclarecendo que Justiniano II estava ausente na época. O incidente parece indicar que havia uma animosidade entre a mãe do imperador e seu favorito[1].

O aumento excessivo dos impostos e os métodos utilizados para coletá-los tornaram Justiniano cada vez mais impopular junto à população. O imperador foi finalmente deposto num golpe de estado perpetrado por Leôncio em 695. O destino e a situação de Anastácia durante os curtos reinados de Leôncio (r. 956-998) e Tibério III (r. 698-705) são desconhecidos. Justiniano, com a ajuda de Tervel da Bulgária, conseguiu retomar o trono em 705 e reinaria novamente até 711.

O imperador morreu enfrentando uma nova revolta, desta vez comandada pelo estratego Bardanes, que assumiu o nome de Filípico. Justiniano foi capturado e rapidamente executado fora dos portões de Constantinopla em dezembro de 711. Anastácia aparece novamente tentando salvar a vida de seu neto de apenas seis anos de idade, o co-imperador Tibério. Depois da morte de Justiniano, ela correu com o garoto para a Igreja de Santa Maria de Blaquerna e pediu santuário. Porém, os asseclas de Filípico a seguiram e, apesar das súplicas de Anastácia, Tibério foi arrastado para fora da igreja e executado, encerrando assim a linhagem de Heráclio[1].

Quanto tempo ela viveu depois da morte do filho e do neto, não se sabe. Leão Gramático menciona que ela foi enterrada na Igreja dos Santos Apóstolos juntamente com o marido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Anastácia (esposa de Constantino IV)
Nascimento: c. 650 Morte: fl. 711
Títulos reais
Precedido por:
Fausta
Imperatriz-consorte bizantina
668–685
Sucedido por:
Eudóxia
Precedido por:
Fausta
Imperatriz-mãe do Império Bizantino
688–695; 705–711
Sucedido por:
Ana

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]