Francisco Brennand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco Brennand
Brennand em sua oficina de cerâmica durante gravação de programa de televisão
Nome completo Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand
Nascimento 11 de junho de 1927
Recife, Pernambuco
Morte 19 de dezembro de 2019 (92 anos)
Recife, Pernambuco
Nacionalidade brasileiro
Prémios Prêmio Interamericano de Cultura Gabriela Mistral, conferido pela Organização dos Estados Americanos em 1993.
Área Cerâmica, escultura, desenho, pintura, tapeçaria, gravura, ilustração
Formação Artes plásticas
Página oficial
http://www.brennand.com.br/

Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand (Recife, 11 de junho de 1927Recife, 19 de dezembro de 2019) foi um artista plástico brasileiro. Desenvolvia seu trabalho com diversos suportes, tornando-se notório como ceramista.[1]

Foi autor de dois importantes espaços culturais da cidade do Recife: a Oficina Cerâmica Francisco Brennand e o Parque das Esculturas Francisco Brennand.[2][3]

Em 2017 foi agraciado com a Medalha do Mérito Guararapes - Grã Cruz, a mais alta honraria do Estado de Pernambuco.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand nasceu em 11 de junho de 1927 nas terras do antigo Engenho São João, na cidade brasileira do Recife, filho de Ricardo de Almeida Brennand e Olímpia Padilha Nunes Coimbra. É descendente de Edward Brennand, originário de Manchester, na Inglaterra, que veio para o Brasil em 1820 para trabalhar em uma empresa ferroviária inglesa.[5]

Em 1917, o pai de Francisco Brennand, Ricardo, criou a primeira fábrica de cerâmicas da família — a Cerâmica São João — nas terras do antigo engenho do bairro da Várzea, no Recife, herança recebida de D. Maria da Conceição do Rego Barros Lacerda, uma prima de sua mãe.

Durante o ensino médio, após conhecer o trabalho do escultor Abelardo da Hora, Francisco Brennand desenvolveu seu interesse pelo desenho e pela literatura. No mesmo período conheceu Débora de Moura Vasconcelos, sua futura esposa, e Ariano Suassuna, seu colega de classe, com quem produzia um jornal literário, encarregando-se de realizar as ilustrações para os textos e poemas de Ariano.

Painel de Francisco Brennand no exterior do icônico edifício sede da Bacardi, em Miami, Estados Unidos.[6]

Inicialmente, Brennand acreditava ser a cerâmica uma arte utilitária, menor, e por isso dedicou-se sobretudo à pintura a óleo. Entretanto, ao chegar à França, em 1948, deparou-se com uma exposição de cerâmicas de Picasso, e descobre que muitos dos artistas da Escola de Paris haviam passado pela cerâmica: além de Picasso, Chagall, Matisse, Braque, Gauguin, e sobretudo o catalão Joan Miró.[1]

Já no início da década de 1950, de passagem por Barcelona, Brennand descobre Antoni Gaudí, cujas obras — com suas formas sinuosas e o uso do trencadís, tradicional técnica catalã — causam-lhe forte impressão. Após o seu primeiro período na Europa (1948–1951), Brennand retorna ao Brasil mas, logo em 1952, decide aprofundar-se no conhecimento das técnicas da cerâmica, iniciando estágio em uma fábrica de majólicas na cidade de Deruta, na província de Perúgia, Itália. Durante esse estágio, Brennand inicia suas experiências com o uso de esmaltes cerâmicos e queimas sucessivas da peça, em temperaturas variadas. A cada entrada da peça no forno, é aplicada uma camada diferente de esmalte, o que dá à superfície uma grande variedade de cores e texturas.[7]

Na década de 1970, Brennand participa do Movimento Armorial, juntamente com Ariano Suassuna, seu principal idealizador.[8]

No seu ateliê, instalado nas terras do antigo Engenho (depois Cerâmica) São João, no bairro da Várzea, no Recife, estão expostas muitas de suas obras, parte delas dispostas a céu aberto, em um grande jardim central.[2]

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu em 19 de dezembro de 2019, vítima de infecção respiratória, no Real Hospital Português no Recife.[9] O artista plástico estava fazendo um tratamento contra uma pneumonia. O corpo foi velado na Capela Imaculada Conceição, na Oficina Cerâmica Francisco Brennand e cremado no cemitério Morada da Paz, em Paulista/PE.[10]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Brennand: Eu não posso acreditar em alguma filosofia assexuada.». Jornal do Commercio 
  2. a b «Oficina de Cerâmica Francisco Brennand | Viagem e Turismo». Viagem e Turismo. 9 de setembro de 2011 
  3. «Parque das Esculturas, Recife e Olinda - Veja dicas no Férias Brasil». www.feriasbrasil.com.br. Consultado em 17 de junho de 2017 
  4. «Brennand recebe medalha | Local | Diario de Pernambuco - O mais antigo jornal em circulação na América Latina». www.impresso.diariodepernambuco.com.br. Consultado em 17 de junho de 2017 
  5. Discrição ao estilo inglês.
  6. «Brennand faz nova exposição de pinturas inéditas. Leia entrevista com o artista». Diario de Pernambuco. Consultado em 14 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  7. LIMA, Camila da Costa. Francisco Brennand : aspectos da construção de uma obra em escultura cerâmica. São Paulo: Universidade Estadual Paulista. Instituto de Artes, 2009.
  8. Fonseca, Eder. «"A arte representa valores do espírito" Francisco Brennand – Escultor, artista plástico e ceramista | Panorama Mercantil». www.panoramamercantil.com.br. Consultado em 17 de junho de 2017 
  9. «Aos 92 anos, morre o artista plástico Francisco Brennand». Diario de Pernambuco. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  10. «Francisco Brennand, ceramista e artista plástico, morre aos 92 anos no Recife». G1 Pernambuco. 19 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons