Gabriel de Lara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético.
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{spam}}, regra n° 6 da eliminação rápida.
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde junho de 2013).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Gabriel de Lara foi um sertanista paulista, natural de Santana do Parnaíba, no atual estado de São Paulo, Brasil, e que fundou arraiais e vilas no sul do Brasil, sendo as principais Paranaguá e Curitiba, conforme descreve Silva Leme na sua «Genealogia Paulistana». Era filho do espanhol Diogo de Lara e da paulista Antônia de Oliveira, filha de Antônio de Oliveira Gago, e foi casado com Brígida Gonçalves[1].

Gabriel de Lara fundou uma povoação nas margens do Rio Itiberê em 1617, a qual viria a se tornar a atual cidade de Paranaguá [2] , sede do Porto de Paranaguá, maior porto graneleiro da América Latina [3]. Entre os anos de 1638 e 1646, Gabriel de Lara descobriu lavras de ouro em rios da Serra Negra, afluentes da Baia de Guaraqueçaba, tendo manifestado a descoberta à Câmara Municipal de São Paulo, apresentando evidências da existência de ouro, fato este que possibilita que Paranaguá seja elevada à categoria de Vila de Nossa Senhora do Rosário em 1648 [2][4].

Apesar de alguns historiadores considerarem Eleodoro Ébano Pereira como sendo o fundador de Curitiba, foi Gabriel de Lara, como representante da autoridade portuguesa, que erigiu o pelourinho na então povoação de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, em 1668, quando se inicia a história oficial de Curitiba de forma ininterrupta, tendo sido por este fato chamado de Capitão-Povoador da cidade [5][6].

Referências

  1. Luiz Gonzaga da Silva Leme, (1903 e 1905) Volume VIII - Pág. 485 Cap. 2.º § 2.º (Título Oliveiras) : http://buratto.org/paulistana/Oliveiras.htm e ), Volume VI, pág 508 § 6.º (Tit. Carrascos): http://buratto.org/paulistana/Carrascos.htm
  2. a b História do Paraná: http://www.cultura.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=.
  3. Porto de Paranaguá: http://www.portosdoparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=26
  4. Biblioteca do IBGE: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/parana/guaraquecaba.pdf
  5. FERREIRA, João Carlos Vicente. O Paraná e seus municípios. Maringá, PR: Memória Brasileira, 1996. p. 260-261
  6. A Influência das Intervenções Urbanística na Atividade Turística da Cidade de Curitiba: http://www.biblioteca.pucpr.br/tede/tde_arquivos/15/TDE-2007-02-27T081829Z-508/Publico/Renata%20ppgtu.pdf
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.