Gregório Paixão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gregório Paixão, O.S.B.
Bispo da Igreja Católica
Bispo de Petrópolis

Título

Bispo Diocesano de Petrópolis
Hierarquia
Papa Francisco
Arcebispo metropolita José Francisco Rezende Dias
Atividade Eclesiástica
Ordem Ordem de São Bento
Diocese Diocese de Petrópolis
Nomeação 10 de outubro de 2012
Predecessor Dom Filippo Santoro
Mandato 2012 -
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 21 de março de 1993
por Dom Frei Lucas Cardeal Moreira Neves, O.P.
Nomeação episcopal 7 de junho de 2006
Ordenação episcopal 29 de julho de 2006
por Dom Geraldo Majella Cardeal Agnelo
Lema episcopal PARARE VIAS DOMINI
Preparar os caminhos do Senhor
Brasão episcopal
Brasão Eclesiástico de Dom Gregório Paixão.gif
Dados pessoais
Nascimento Aracaju,  Sergipe
3 de novembro de 1964 (54 anos)
Nome religioso Gregório Paixão
Nome nascimento Leozírio Paixão Neto
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Josefa Bernadete Paixão Gregório
Pai: José Gregório
Funções exercidas -Bispo-auxiliar de Salvador (2006-2012)
dados em catholic-hierarchy.org
Bispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Gregório Paixão, OSB (Leozírio Paixão Neto) (Aracaju, 3 de novembro de 1964), é um monge beneditino e bispo católico brasileiro. É o bispo diocesano de Petrópolis.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Dom Gregório Paixão nasceu em Aracaju em 3 de novembro de 1964. É filho de José Gregório e Josefa Bernadete Paixão Gregório. Possui quatro irmãos, sendo um deles, Dom Henrique Paixão, monge beneditino. Cursou o ensino fundamental e médio no Colégio Salesiano de Aracaju, concluindo-o no Colégio Atheneu Sergipense. Ingressou no Mosteiro de São Bento da Bahia em 1983, professando em 1986.

No Mosteiro de São Bento da Bahia exerceu quase todos os ofícios monásticos, como o de Bibliotecário, Mestre de Coro, Organista, Mestre de Noviços, Ecônomo, Arquivista, Prior, dentre outros. Durante o período de formação monástica cursou Piano e Órgão de Tubos no Instituto de Música da Universidade Católica do Salvador, sendo aluno da pianista Zélia de Araújo Vital. Estudou artes plásticas no atelier do renomado pintor Waldo Robatto, em Salvador.

Em 1987, foi enviado para o Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro a fim de cursar Filosofia e Teologia na Escola Teológica da Congregação Beneditina do Brasil, vinculada ao Pontifício Ateneu de Santo Anselmo, de Roma. Em 18 de julho de 1992 foi ordenado diácono por Dom Ricardo Weberberger, OSB e, em 21 de março de 1993, foi ordenado presbítero por Dom Lucas Cardeal Moreira Neves.

Dom Gregório é doutor em Antropologia pela Universidade de Amsterdã, na Holanda, à época admitido como aluno externo. Foi Diretor do Colégio São Bento da Bahia e da Faculdade São Bento, assim como da Revista Análise e Síntese. Lecionou Língua Grega, Homilética e Antropologia.

Em 29 de julho de 2006 foi eleito bispo de Fico, na Mauritânia, trabalhando como bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Salvador da Bahia (2006-2012) e no dia 10 de outubro de 2012 o Santo Padre, o Papa Bento XVI, o elegeu bispo da Diocese de Petrópolis[1], no Rio de Janeiro.

Trabalhos desenvolvidos[editar | editar código-fonte]

Dentre os trabalhos desenvolvidos para a Igreja e a sociedade civil, destaca-se: Bispo Referencial da CRB-BA/SE (2007-2011); Membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura, Educação e Comunicação Social (2007-2011); Secretário do Regional NE3 BA/SE (2007-2012); Membro do Conselho Arquidiocesano de Bens Culturais e Arte Sacra (2007-2008); Diretor Social da Fundação Dom Avelar (2006-2011); Membro Titular do Conselho de Cultura do Estado da Bahia (2007-2011); Membro Titular do RIdIM/Brasil (Repertório Internacional da Iconografia Mundial) (2009-2011); Bispo referencial para a Pastoral da Cultura da CNBB (2007-2010); Membro Efetivo do Conselho para a Implantação do Tratado Brasil-Santa Sé (2010...); Grão-Chanceler da Universidade Católica de Petrópolis (2012...); Membro Efetivo da Comissão Episcopal Pastoral Especial para os Bens Culturais da Igreja no Brasil (2017...) [2]; Membro do Instituto Histórico de Petrópolis (2015); Membro da Academia Petropolitana de Letras (2018); Membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (2016...) e Presidente da Comissão Episcopal da Campanha de Evangelização (2017...).

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Possui 18 livros publicados, além de diversos artigos escritos para revistas nacionais e estrangeiras:

  1. São Bento. Um Mestre para o Nosso Tempo (1996);
  2. Para Rezar com os Anjos (1997);
  3. A Vida Monástica e o Terceiro Milênio (1998);
  4. Devocionário e Novenário de Santa Escolástica (1998);
  5. Devocionário e Novenário de São Bento (1998);
  6. Cem Fábulas de La Fontaine (2001);
  7. Como Ensinar seu Filho a Estudar (2001);
  8. The Date of Jesus Christ`s Crucifixion, publicado nos Estados Unidos (2004);
  9. Benedetto. L`Eredità Artística, publicado na Itália (2005);
  10. Benediktiner und Kunst in Brasilien. Kultur und Geschichte eines europäischen Erbes, publicado na Alemanha (2006);
  11. Terço dos Homens. Manual Completo e Explicativo (2007);
  12. Os Beneditinos e a Arte no Brasil (2007);
  13. O Livro de Jonas (2008);
  14. Dietário (1582-1815) do Mosteiro de São Bento da Bahia: Edição Diplomática (2009);
  15. O Mosteiro de São Bento da Bahia (2011);
  16. A Catedral de Petrópolis (2015);
  17. O Livro do Tombo do Mosteiro de São Bento da Bahia – em 5 volumes (2016);
  18. Rosário Bíblico do terço dos Homens (2019).


Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Dom Filippo Santoro
Bispo de Petrópolis
2012 - Atualidade
Sucedido por


Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.