Lista de bairros de Belém (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guanabara (Belém))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O município de Belém, capital do Estado do Pará e metrópole da Amazônia é dividido oficialmente em 71 bairros e 8 distritos administrativos (com dados populacionais do Censo de 2010):[1][2][3][4][5]

Distrito Administrativo de Belém[editar | editar código-fonte]

População: 192.515 moradores

  • Batista Campos (19 136 moradores): homenagem ao padre Batista Campos, um dos inspiradores da Cabanagem;[3]
  • Campina (Comércio) (6 156 moradores): onde localiza-se o comércio mais representativo da cidade. A rua principal teve a denominação de Mercadores;[3]
  • Cidade Velha (12 128 moradores): parte inicial e antiga de Belém, onde os portugueses desembarcaram iniciando a cidade com a construção de um forte de madeira e uma capela;[3]
  • Fátima (Matinha) (12 385 moradores): região com presença de matinha, forte característica do bairro;[3]
  • Nazaré (20 504 moradores): em referência a Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, edificada no local;[3]
  • Reduto (6 336 moradores): em referência a um Reduto (pequena praça de guerra), que existia no local;[3]
  • São Brás (19 936 moradores): em homenagem ao padroeiro das doenças da garganta santo Brás de Sebaste;[3]
  • Umarizal (30 090 moradores): região com presença de umari, forte característica do bairro;[3]
  • Marco (65 844 moradores): implantação do Marco da posse da primeira légua de expansão da cidade.[3]

Distrito Administrativo do Entroncamento[editar | editar código-fonte]

  • Curió-Utinga (16 642 moradores): devido à proximidade do manancial que abastece a cidade;[3]
  • Águas Lindas (17 520 moradores): região com presença de cacimba com águas claras;[3]
  • Aurá (atualmente, bairro Anita Gerosa) (1.827 moradores): devido à proximidade do rio Aurá;[3]
  • Castanheira (24 424 moradores): devido a presença de uma castanheira centenária que delimitava o início da cidade, no Km 0 da BR-316;[3]
  • Guanabara (1.919 moradores): homenagem a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro;[3]
  • Mangueirão (36 224 moradores): em referência ao apelido do estádio de futebol Edgar Proença, edificado no local;[3]
  • Marambaia (66 708 moradores): lote de terras que pertenceram ao sr. João Baltazar, aforadas a diversas pessoas;[3]
  • Souza 13 190 moradores): homenagem ao povoado de Sousa, fundado depois da Corte de Madri;[3].
  • Val-de-Cans (7 032 moradores): região militar onde se treinava cães, conhecida como Vale dos Cães.[3]

Distrito Administrativo do Guamá[editar | editar código-fonte]

População: 310.910 moradores

  • Canudos (13.804 moradores): homenagem à participação da força policial paraense na campanha de Canudos;[3]
  • Condor (42.758 moradores): em referência a companhia de navegação aérea alemã à margem do rio Guamá, edificada no local;[3]
  • Cremação (31.264 moradores): em referência ao Forno Crematório de Belém, edificado no local;[3]
  • Guamá (94.610 moradores): em referência ao rio Guamá, situado à margem do bairro da zona sul;[3]
  • Jurunas (64.478 moradores): em referência a tribo Jurunas existente na região. As travessas têm as denominações de outras tribos;[3]
  • Montese (Terra Firme) (61.439 moradores): a denominação reflete a característica do bairro;[3]
  • Universitário (2.557 moradores): devido ser composto de áreas institucionais universitárias.[3]

Distrito Administrativo de Icoaraci[editar | editar código-fonte]

  • Águas Negras (6 555 moradores): devido cor da água do igarapé que delimita do bairro;[3]
  • Agulha (19 712 moradores): devido a presença do aparelho agulha da estrada de ferro.[3]
  • Campina de Icoaraci (26 722 moradores): devido suas pastagens. Era região de matadouro;[3]
  • Cruzeiro (11 369 moradores): em referência ao cruzeiro localizado na ponta de terra entre o rio Maguari e a baia do Guajará;[3]
  • Maracacueira (9 819 moradores): ocupação próxima da antiga fazenda Maracacuera, Deu nome também a estrada de acesso;[3]
  • Paracuri (9 934 moradores):[6] devido o rio Paracuri que delimita o bairro e, também referência a tribo indígena existente na região que desenvolvia a cerâmica marajoara;[3]
  • Parque Guarajá (34 778 moradores): devido o Parque Ecológico Guajará, existente no bairro da zona norte;[3]
  • Ponta Grossa (13 245 moradores):[7] em referência ao alargamento dos trilhos do trem no trajeto Belém-Icoaraci.[3]

Distrito Administrativo de Mosqueiro[editar | editar código-fonte]

População: 31.394 moradores

  • Aeroporto (1 170 moradores): área do antigo aeroporto.[3] inserido no bairro do Chapéu Virado, e faz limite com os bairros: Chapéu Virado ao norte e Mangueiras ao sul;
  • Ariramba (1 942 moradores): área de presença da ave de bico longo Ariramba, que mora na beira dos rios;[3]
  • Baía do Sol (2 414 moradores)
  • Bonfim (776 moradores): ocupação da antiga Granja do Bonfim;[3]
  • Carananduba (5 445 moradores)
  • Caruará (794 moradores): cultura indígena significa: duendes que adormecem os frequentadores de sua praia;[3]
  • Chapéu Virado (1 159 moradores)
  • Farol (851 moradores)
  • Mangueiras (2 851 moradores): devido ser limitada pela Av. 16 de Novembro, conhecida por Rua das Mangueiras;[3]
  • Maracajá (3 345 moradores): espécie de gato-do-mato, adotado como símbolo da comunidade;[3]
  • Marahú (132 moradores)
  • Murubira (1 519 moradores):[8] em referência à tribo Moribiras existente na região e também ao rio Moribiras.[3]
  • Natal do Murubira (1.098 moradores): devido a rua Natal do Murubira. Área limitada pelo loteamento Jardim Natal e pelo rio Murubira;[3]
  • Paraíso (315 moradores)
  • Porto Arthur (283 moradores)
  • Praia Grande (748 moradores)
  • São Francisco (2 438 moradores)
  • Sucurijuquara (1 074 moradores): área limitada por igarapé Sucurijuquara, do tupi-guajajara morada de Sucuriju;[3]
  • Vila (3 040 moradores)

Distrito Administrativo do Outeiro[editar | editar código-fonte]

População: 28 645 moradores

  • Água Boa (8 553 moradores): área do igarapé e da praia Água Boa;[3]
  • Brasília (6 019 moradores): ocupação do antigo Sítio Redentor;[3]
  • Itaiteua[8][9] (1 939 moradores): do tupi é região de pedras ou metais grande.[3][9] O bairro abriga o local de educação profissional Casa Escola de Pesca;
  • São João do Outeiro (12 134 moradores): região com muitas falésias na orla. Eram lotes de terras pertencentes à São João de Outeiro.[3] Um bairro central da ilha de Caratateua, em Belém. Empresta seu nome para a ilha, informalmente chamada de Outeiro.

Distrito Administrativo do Benguí[editar | editar código-fonte]

População: 282.187 moradores

  • Benguí[nota 1] (29 379 moradores): em referência a uma parada de trem no trajeto Belém-Icoaraci, e também prenome de dois imigrantes;[3]
  • Cabanagem (27 781 moradores): ocupação em homenagem ao movimento revolucionário dos cabanos;[3]
  • Coqueiro (51 776 moradores): região com presença de plantação de conqueiros, forte característica do bairro;[3]
  • Parque Verde (39 126 moradores): em referência a ocupação ordenada da área;[3]
  • Pratinha (22 589 moradores): região atravessada pela estrada do Pratinha;[3]
  • São Clemente (7 714 moradores): homenageia a antiga comunidade na área (com igreja, cemitério e, estrada);[3]
  • Tapanã (66 669 moradores)[1]: devido a estrada do Tapanã que delimita o bairro;[3]
  • Tenoné (30 429 moradores): em referência a uma parada de trem no trajeto Belém-Icoaraci;[3]
  • Una (6 724 moradores): área parte da Bacia do Una, limitada pela estrada do Una.[3]

Distrito Administrativo da Sacramenta[editar | editar código-fonte]

População: 220.543 moradores

  • Barreiro (26 003 moradores): devido a grande quantidade de barro era extraído da área;
  • Maracangalha (30 534 moradores): devido a antiga estrada da Maracangalha que passava na área, atual avenida Júlio César.[3] Em referência a música de Dorival Caymmi, criada para homenagear a comunidade de Maracangalha na Bahia;[carece de fontes?]
  • Miramar (515 moradores): devido o porto de descarga de Petróleo da Usina de Miramar, edificado no local;[3]
  • Pedreira (Pedreira do Guamá) (69.608 moradores): região com presença de muitas pedras;[3]
  • Sacramenta (44 413 moradores): devido a rampa da Sacramenta, edificada no local;[3]
  • Telégrafo (São João do Bruno) (42 953 moradores): em referência ao telégrafo sem fio, ali instalado.[3]

Notas

Referências

  1. a b «População de Tapanã em Belém - PA | População dos Bairros». populacao.net.br. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  2. «Os maiores bairros de Belém - Pará | Lista dos 10 maiores bairros de Belém». populacao.net.br. Consultado em 21 de setembro de 2016. 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi «Bairros de Belém». Prefeitura Municipal de Belém. Consultado em 17 de maio de 2018. 
  4. «Divisão político-administrativa - Bairros do município de Belém» (PDF). Prefeitura Municipal de Belém. Consultado em 17 de maio de 2018. 
  5. Aires, Tainá (10 de janeiro de 2014). «Saiba a origem do nome dos bairros da capital». Jornal Liberal Primeira Edição (entrevista). Entrevista com Tainá Aires. Tainá Aires. Belém 
  6. «População de Paracuri em Belém». Portal População. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  7. «População de Ponta Grossa em Belém». Portal População. Consultado em 28 de maio de 2018. 
  8. a b Bairros de Belém Prefeitura Municipal de Belém.
  9. a b «Moradores bloqueiam estrada de Outeiro». 6 de novembro de 2011. Consultado em 3 de maio de 2012.  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "oliberal" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]