Han Fei

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Han Fei
Nascimento 280 a.C.
Zhou Oriental
Morte
Qin
Escola/tradição legalismo
Principais interesses Ética, Filosofia Social
Han Fei
Chinês tradicional: 韓非
Chinês simplificado: 韩非

Han Fei (em língua mandarim, 韓非; pinyin: Hán Fēi; Zhou Oriental, c. 280 - Qin, 233 a.C.), também conhecido como Han Feizi, foi um filósofo chinês[1] que, junto com Li Si, Gongsun Yang, Shen Dao e Shen Buhai, desenvolveu a doutrina do legalismo, tornando-se assim um grande nome da tradição jurídica chinesa.

Nome[editar | editar código-fonte]

"Han Fei" é seu nome, enquanto -zi (子, "Mestre") era, frequentemente, adicionado ao fim do nome de filósofos de forma honrosa. O título "Han Feizi" também é usado para se referir à coletânea composta pelos únicos 55 livros seus que sobreviveram até os dias de hoje.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ao contrário do resto dos filósofos chineses da época, Han Fei era um membro da aristocracia regente, tendo nascido dentro da família regente do estado de Han durante o fim do Período dos Reinos Combatentes. Nesse contexto, seus trabalhos foram interpretados por estudiosos como sendo direcionados a seu primo, o Rei de Han.[3] Han Fei era gagoː ao mesmo tempo em que isso o impediu de se expressar oralmente na corte do estado de Han, isso o levou a desenvolver um dos mais brilhantes estilos de escrita da China Antiga. Han Fei se preocupava com a decadência do seu estado natal, Han . Segundo ele, os filósofos confucionistas e moistas se perdiam em intermináveis discussões morais enquanto o país era assolado por bandos de cavaleiros que praticavam crimes. Han Fei tentou aconselhar o rei a resolver a situação através de seus escritos, que pregavam a estrita aplicação das leis, porém o rei não seguiu seus conselhos. Seus escritos impressionaram, ao invés disso, o rei de Qin (e futuro imperador da China) Qin Shihuang, que quis conhecer o autor dos textos. Lǐ Sī, antigo colega de Han Fei, reconheceu a autoria dos textos e chamou Han Fei à corte do estado de Qin em 234 a.C. Porém Yao Jia, que havia sido censurado por Han Fei, convenceu o imperador de que Han Fei, por pertencer à família Han, jamais seria inteiramente leal aos Qin. Como resultado, Han Fei foi preso e veio a morrer na prisão, ao ser induzido a tomar veneno por Lǐ Sī.[4]

Legalismo[editar | editar código-fonte]

Han Fei era um legalista. O legalismo assume que as pessoas são naturalmente más e agem sempre tentando evitar punições e, ao mesmo tempo, conseguir recompensas; portanto, a lei deve punir severamente qualquer um que atua da forma não desejada, e recompensar aqueles que atuam da forma desejada. Han Fei sintetizou as ideias de Shang Yang, Shen Buhai e Shen Dao, "emprestando" a ênfase nas leis, de Yang; a ênfase em técnica, de Buhai; e as ideias de profecia e autoridade, de Dao. A interpretação de Han Fei sobre o legalismo afirmava que o autocrata conseguiria atingir seus objetivos se dominasse esses três conceitos: sua posição de poder (勢, Shì); certas técnicas (術, Shù); e leis (法, Fǎ), como descrito em seu livro "Han Feizi".

Trechos da coletânea Han Feizi[editar | editar código-fonte]

[5]

Referências

  1. China Culture.org. Disponível em http://www.chinaculture.org/gb/en_aboutchina/2003-09/24/content_23104.htm. Acesso em 2 de maio de 2016.
  2. China Culture.org. Disponível em http://www.chinaculture.org/gb/en_aboutchina/2003-09/24/content_23104.htm. Acesso em 2 de maio de 2016.
  3. Watson, Burton, Han Fei Tzu: Basic Writings. 1964, p. 2.
  4. China Culture.org. Disponível em http://www.chinaculture.org/gb/en_aboutchina/2003-09/24/content_23104.htm. Acesso em 2 de maio de 2016.
  5. China Culture.org. Disponível em http://www.chinaculture.org/gb/en_aboutchina/2003-09/24/content_23104.htm. Acesso em 2 de maio de 2016.
Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia