Saltar para o conteúdo

Ibitirama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ibitirama
  Município do Brasil  
Hino
Gentílico ibitiramense
Localização
Localização de Ibitirama no Espírito Santo
Localização de Ibitirama no Espírito Santo
Localização de Ibitirama no Espírito Santo
Ibitirama está localizado em: Brasil
Ibitirama
Localização de Ibitirama no Brasil
Mapa
Mapa de Ibitirama
Coordenadas 20° 32' 27" S 41° 40' 01" O
País Brasil
Unidade federativa Espírito Santo
Municípios limítrofes Iúna (norte), Alto Caparaó (oeste), Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço, Guaçuí e Alegre (sul) e Muniz Freire (leste)
Distância até a capital 222,5 km
História
Fundação 1820
Emancipação 15 de setembro de 1988 (35 anos)
Administração
Distritos
Prefeito(a) Aírton Veín[1] (PSD, 2022–2024)
Características geográficas
Área total [3] 329,451 km²
População total (IBGE/2014[4]) 9 393 hab.
Densidade 28,5 hab./km²
Clima Tropical de Altitude (Cwa)
Altitude 770 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 29540-000 a 29549-999[2]
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [5]) 0,622 médio
PIB (IBGE/2008[6]) R$ 66 052,685 mil
PIB per capita (IBGE/2008[6]) R$ 7 146,24
Sítio www.ibitirama.es.gov.br (Prefeitura)
www.ibitirama.es.leg.br (Câmara)

Ibitirama é um município do estado do Espírito Santo, no Brasil. Sua população recenseada em 2022 era de 9.520 habitantes.[7]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

São várias as versões que buscam explicar o significado de "Ibitirama", nome de origem tupi-guarani. Para alguns estudiosos significaria "montanha promissora", a partir da junção dos termos ybytyra (montanha) e ram (promissor).[8] Também poderia significar o conjunto de montanhas, serras e cordilheiras. Podendo significar, ainda, águas das regiões altas.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O município é formado por dois distritos: o distrito sede, que engloba as comunidades de Santa Rita, Aparecida, São Francisco, Ponte do Araça, Água Limpa, Figueira e Pratinha do Jorcelino; e o distrito de Santa Marca, que engloba as comunidades de Córrego D'Antas, Pedra Roxa, Córrego do Lage e São José do Caparaó.[9]

Relevo[editar | editar código-fonte]

Trilha para o Pico da Bandeira, em Ibitirama, Espirito Santo

Mais da metade de seu território é ocupado pelo Parque Nacional do Caparaó, ficando localizado, portanto, na Serra do Caparaó.[10]

Seu relevo é predominantemente acidentado e montanhoso, com uma altitude média superior a 1.500 mestros. O ponto mais alto do município é o Pico da Bandeira, a 2.891.32 metros de altitude. É o ponto mais elevado do Espírito Santo e o terceiro do país.[10]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

A bacia que compõe a paisagem hidrográfica do município é a do rio Itapemirim, destacando-se como principais cursos de água os rios Braço Norte Direito e Santa Clara, além do Rio Preto.[10]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é tropical de altitude. Seus verões são quentes e úmidos e seus invernos são secos e relativamente frios / amenos. O outono e a primavera são estações de transição entre o inverno e o verão e apresentam as características destas duas estações, com dias amenos ou quentes.[10]

Possui uma temperatura média de 20,3 °C. Com a maior média ocorrendo em fevereiro com 23,2 °C, e a menor média ocorrendo em julho com 16,8 °C.[9]

Gráfico climático para Ibitirama, Espírito Santo
JFMAMJJASOND
 
 
221
 
29
18
 
 
131
 
29
18
 
 
133
 
29
17
 
 
79
 
27
15
 
 
49
 
26
13
 
 
17
 
25
11
 
 
31
 
24
10
 
 
29
 
25
11
 
 
52
 
26
14
 
 
125
 
27
15
 
 
180
 
28
17
 
 
223
 
28
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm

Fonte: Somar Meteorologia

História[editar | editar código-fonte]

A região de Ibitirama era originalmente habitada por populações indígenas. A colonização iniciou-se a partir da bandeira do Capitão Manoel João Esteves. O colonizador teria partido de Mariana, sede do bispado mineiro, com um grupo fortemente armada. A medida que esse grupo adentrava no território estabelecia, ao longo de seu trajeto, posseiros. Essas fazendas deram origem a diversos distritos e cidades do leste mineiro e do Espirito Santo.[11]

Esse é o caso de Ibitirama. A fundação do povoado se deu em 1899, quando o casal Silvério Pereira e Cândida Maria de Assis doou parte de seu território para a construção de um templo religioso em devoção a Santa Bárbara. A região era propicia para tempestades, e a santa é a protetora das chuvas e ventos fortes. Em 1917 passa a ser distrito de Caparaó, chamando-se Vila de Santa Bárbara do Caparaó.[10]

A economia baseava-se quase exclusivamente no plantio do café. Em 1955, com a política de erradicação dos cafezais e com a desativação do ramal ferrovíaria que escoava os produtos até Itapemirim, Ibirama foi vítima de um forte êxodo rural. Passando por uma grave crise e estagnação econômica. O fluxo migratório desacelerou em 1978, devido a instalações de infraestrutura básica. Em 15 de setembro de 1988, o governador do Estado, Max Freitas Mauro, sanciona a lei nº 4161, emancipando Ibitirama a município, antes distrito de Alegre.[10]

Guerrilheiros do Caparaó

Resistência a Ditadura Militar de 1964[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerrilha do Caparaó

No Parque Nacional do Caparaó ocorreu um movimento de guerrilha organizado pelo Movimento Nacional Revolucionário de 1964, entre 1966 e 1967. 17 ex-militares adentraram nas matas e realizam franca resistência ao golpe que tomou o poder em 31 de março de 1964.[10]

Administração e política[editar | editar código-fonte]

Logo após a emancipação política de Ibitirama, o então prefeito de Alegre, Luciano Duarte continuou governando o município, até que fosse realizadas as eleições. O primeiro prefeito do município foi Geraldo Gomes de Carvalho.[12]

Prefeito Partido Inicio do mandato Termino do mandato Observações
Geraldo Gomes de Carvalho -- 1990 1992 Primeiro prefeito. Ocupou a cadeira do executivo em duas ocasiões.
José Mataveli Neto -- 1993 Abril de 1994 Prefeito eleito. Teve seu mandato cassado pelo TRE, em virtude da anulação da eleição.
João Soares de Azevedo -- Abril de 1994 Junho de 1994 Interventor.
Sebastião Gonçalves da Silva -- Junho de 1994 Outubro de 1995 Prefeito eleito. Foi cassado pela Câmara Municipal por empréstimos contraídos sem autorização do legislativo.
Alceu Pereira de Melo -- Outubro de 1995 Novembro de 1995 Vice-prefeito.
Sebastião Gonçalves da Silva -- Novembro de 1995 Dezembro de 1996 Reassumiu o cargo, após decisão judicial que anulou a sessão da Câmara Municipal.
Geraldo Gomes de Carvalho -- 1997 2000
Paulo Lemos Barbosa PDT 2000 2008 Prefeito por dois mandatos.[13]
Javan de Oliveira Silva PSD 2009 2016 Prefeito por dois mandatos.[14]
Reginaldo Simão de Souza PMDB 2017 2020 [15]
Paulo Lemos Barbosa PSD 2021 2022 Na terceira gestão. Perdeu o mandato.[13][16]
Ailton Vein PSDB 2022 Atual prefeito, eleito em eleições suplementares.[16]

Economia[editar | editar código-fonte]

Possui uma economia majoritarmente marcada pela produção agropecuária, responsável por 36,33% do seu PIB, destacando a cafeicultura e a criação de gado leiteiro, que ocupam mais de 51% da população. Em menor grau também se encontra a silvicultura.[9]

Observa-se, uma dependência muito forte e perigosa do setor agropecuário, fundamentada basicamente na monocultura do café, como também do setor de empregos públicos (municipal, estadual e federal) e de benefícios sociais (aposentadoria, programas sociais, etc.).[9]

O setor industrial é pouco expressivo, participando apenas de 5,12% do PIB. O turismo no espaço rural é a grande aposta do município, ampliando significativamente sua participação nos últimos anos, no contexto econômico e social de Ibitirama.[9]

Referencias[editar | editar código-fonte]

  1. «Candidatos a vereador Ibitirama-ES». Estadão. Consultado em 5 de julho de 2021 
  2. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Estimativa populacional 2014 IBGE». Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2014. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. a b cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/ibitirama. Consultado em 31 de agosto de 2023  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  8. http://www.fflch.usp.br/dlcv/tupi/vocabulario.htm
  9. a b c d e «Programa de Assistência Técnica e Extensão Rural» (PDF) 
  10. a b c d e f g Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :6
  11. cidades.ibge.gov.br https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/ibitirama/historico. Consultado em 31 de agosto de 2023  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  12. «Conheça a história dos 33 anos de Ibitirama! - AMUNES - Associação dos Municípios do Estado do Espírito Santo». www.amunes.org.br. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  13. a b «Poder360 | PAULO LEMOS». eleicoes.poder360.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  14. «Prefeito de Ibitirama é denunciado pelo MPES por uso irregular de diárias». Século Diário. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  15. «Poder360 | REGINALDO». eleicoes.poder360.com.br. Consultado em 31 de agosto de 2023 
  16. a b «Ailton Vein é eleito prefeito de Ibitirama, ES, em eleição suplementar». G1. 27 de novembro de 2022. Consultado em 31 de agosto de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]