Incel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma proposta oferecida para uma bandeira incel. A barra branca no centro representa os membros da sociedade que são eficazes no namoro e relacionamentos. As várias tonalidades de cinza denotam um espectro dentro do inceldom com cada barra vertical exterior representando um grau crescente de incel. Os tons mais escuros representam os incels finais, os truecels; os tons mais claros representam os incels menos incels, os nearcels

Incel (palavra-valise inglesa a partir de involuntary celibates "celibatários involuntários") é uma referência a membros de uma subcultura virtual que se definem como incapazes de encontrar um parceiro romântico ou sexual, apesar de desejarem ter, um estado que descrevem como inceldom.[1] Auto-identificados incels são quase exclusivamente homens heterossexuais.[2][3][4][5][6][7]

As discussões nos fóruns incels são frequentemente caracterizadas pelo ressentimento, misoginia,[8] misantropia,[9] autopiedade,[10] autoódio,[11] racismo,[12][13][14] senso de direito ao sexo e pelo endosso da violência contra pessoas sexualmente ativas.[8][15][16][17][18] O Southern Poverty Law Center, organização americana sem fins lucrativos, descreveu a subcultura incel como "parte do ecossistema supremacista masculino virtual" que está incluída na sua lista de grupos de ódio.[19][20]

Pelo menos quatro assassinatos em massa, resultando em um total de 45 mortes, foram cometidos na América do Norte por homens que se identificaram como incels ou que mencionaram nomes e escritos relacionados a incels em seus escritos privados ou na internet. As comunidades incels têm sido criticadas pela mídia e pelos pesquisadores por serem misóginas, encorajarem a violência, espalharem visões extremistas e por radicalizarem seus membros.[21][22][23]

História[editar | editar código-fonte]

A primeira comunidade online a usar o termo "incel" foi iniciada em 1993, quando uma universitária canadense conhecida apenas pelo seu primeiro nome, Alana, criou um site para discutir sua inatividade sexual com outras pessoas.[24][25][26][27] O site se chamava "Alana's Involuntary Celibacy Project",[24] foi usado por pessoas de todos os sexos para compartilhar seus pensamentos e experiências. Em 1997, ela iniciou uma lista de discussão sobre o tema que usou a sigla INVCEL, mais tarde encurtada para "incel", para "qualquer um de qualquer gênero que estivesse sozinho, nunca tivesse tido relações sexuais ou que não tivesse um relacionamento há muito tempo".[28] Durante sua carreira universitária e depois, ela percebeu que era queer e ficou mais confortável com sua identidade. Ela parou de participar de seu projeto virtual por volta do ano 2000[29] e deu o site para um estranho.[26] Ao falar sobre o site em 2018, Alana disse: "definitivamente não era um monte de caras culpando as mulheres por seus problemas. Essa é uma versão bem triste deste fenômeno que está acontecendo hoje. As coisas mudaram nos últimos 20 anos".[28] Quando ela leu sobre os assassinatos de Isla Vista em 2014, e a forma como partes da subcultura incel glorificou o perpetrador, Elliot Rodger, ela escreveu: "Como um cientista que inventou algo que acabou sendo uma arma de guerra, não posso desinventar essa palavra, nem restringi-la às pessoas mais agradáveis que precisam dela."[27] Ela lamentou a mudança no uso de sua intenção original de criar uma "comunidade inclusiva" para pessoas de todos os sexos que foram sexualmente privadas devido à estranheza social, marginalização ou doença mental.[30] Desde então ela começou um novo projeto, "Love Not Anger", que ela descreve como "um projeto para pesquisar como pessoas solitárias podem encontrar amor respeitoso, em vez de ficarem presas na raiva".[26]

O subreddit "r/incels", um fórum no site Reddit, mais tarde se tornou uma comunidade incel particularmente ativa. O subreddit era conhecido como um lugar onde os homens culpavam as mulheres pelo seu celibato involuntário, às vezes defendiam o estupro ou outras formas de violência, e eram misóginos e frequentemente racistas.[31][32] Um post intitulado "pergunta geral sobre como os estupradores são pegos" foi perguntado por um membro que fingia ser uma mulher, dizendo que eles queriam saber como uma mulher que foi drogada e estuprada começaria a encontrar seu estuprador.[31][33] Em 25 de outubro de 2017, o Reddit anunciou uma nova política que proibiria "conteúdo que encoraje, glorifique, incite, ou chame por violência ou dano físico contra um indivíduo ou um grupo de pessoas"[32] e então baniu o subreddit r/incels em 7 de novembro de 2017, sob a nova política. Na época da proibição, a comunidade tinha cerca de 40 mil membros.[34] Embora r/incels tenha sido banido, a comunidade incel continuou a habitar o Reddit em vários outros subreddits.[35]

A subcultura incel chegou a um público mais amplo com a proibição o subreddit r/incels e uma série de assassinatos em massa cometidos por homens que se identificaram como involuntariamente celibatários ou compartilhavam ideologias semelhantes.[36][37] O aumento do interesse em comunidades incel tem sido atribuído ao sentimento de "direito agravado" por alguns homens, que sentem que estão sendo negados os direitos que merecem e culpam as mulheres por sua falta de sexo.[38]

As comunidades incel tornaram-se cada vez mais extremistas e focadas na violência nos últimos anos.[39][40][41] Isso tem sido atribuído a vários fatores, incluindo a influência de grupos de ódio[42] virtuais sobrepostos e a ascensão dos grupos de extrema-direita e supremacia branca.[43][39] A retórica misógina e às vezes violenta[6][31][44][45] de alguns membros de comunidades incel levou a inúmeras proibições de sites e webhosts. As comunidades incel continuam a existir em plataformas mais brandas, como Voat, 4chan e Reddit.[46][47] Também há fóruns incels que desaprovam o ódio,[48][49] e um site de namoro que atende aos incels.[50]

Ideologia[editar | editar código-fonte]

Muitas comunidades incel são caracterizadas por ressentimento, autopiedade,[51] misoginia, misantropia, narcisismo e racismo.[52][6][24][32][51][45][44] As discussões geralmente giram em torno da crença de que os homens têm direito ao sexo; outros tópicos comuns incluem ociosidade, solidão, infelicidade,[53] suicídio, substitutos sexuais, prostitutas e a aquisição de robôs sexuais.[54] Assim como vários atributos que eles acreditam aumentar a desejabilidade de um parceiro como renda ou personalidade. A oposição ao feminismo e aos direitos das mulheres é comum, e algumas publicações culpam a libertação das mulheres por sua incapacidade de encontrar um parceiro. Crenças anti-semitas também são encontradas regularmente em fóruns incel, com alguns comentários culpando o surgimento do feminismo a um plano idealizado por judeus para enfraquecer o Ocidente.[29]

Críticas[editar | editar código-fonte]

As comunidades incel foram amplamente criticadas na mídia e por pesquisadores como violentas, misóginas e extremistas.[55][56][57][58][59][60][61][62] Keegan Hankes, um analista de pesquisa sênior que trabalha para o Southern Poverty Law Center, advertiu que a exposição a conteúdos violentos nos fóruns incel "desempenham um papel muito grande" na radicalização dos incels, e descreve posts violentos nos fóruns como "mais [...] do que estou acostumado a ver em sites até mesmo de supremacistas brancos".[63] O jornalista David Futrelle tem descrito as comunidades incel como "violentamente misóginas", e está entre os críticos que atribuem o agravamento da retórica violenta nos fóruns incel ao crescimento da direita alternativa e da supremacia branca, e à sobreposição entre as comunidades incel e os grupos de ódio online.[64][61][65][66]

Entretanto, as condições e os comportamentos associados ao celibato involuntário incluem: depressão severa,[67] autolesão, masturbação frequente, doenças mentais, automedicação, alcoolismo ou uso de narcóticos,[68][69] stalking, estupro e até suicídio. Além disso, o celibato involuntário também pode levar ao isolamento e a uma preocupação nociva com o comportamento sexual humano.[70]

Saúde mental[editar | editar código-fonte]

"Celibato involuntário" não é uma condição médica ou psicológica. Algumas pessoas que se identificam como incel sofrem de deficiências físicas ou distúrbios psicológicos, como depressão, transtorno do espectro do autismo e transtorno dismórfico corporal.[71] Alguns visitantes de fóruns incel atribuem sua incapacidade de encontrar um parceiro a doenças físicas ou mentais, enquanto outros o atribuem à extrema introversão. Muitos incels se envolvem em autodiagnóstico de problemas de saúde mental,[72] e os membros das comunidades incel geralmente desencorajam os participantes que publicam sobre doenças mentais procurar terapeutas ou procurar tratamento.[35][73] Alguns incels com depressão severa também são suicidas,[46] e alguns membros das comunidades incel incentivam os suicidas a cometer suicídio, algumas vezes recomendando que cometam atos de violência em massa antes de fazê-lo.[35][39][74]

O psicólogo e pesquisador sexual James Cantor descreve os incels como "um grupo de pessoas que geralmente não possuem habilidades sociais suficientes e [...] que se sentem muito frustradas". Nos fóruns de mídia social, "quando estão cercados por outras pessoas com frustrações semelhantes, eles meio que perdem a noção do que é um discurso típico e se envolvem em crenças cada vez mais extremas".[75]

Atos de violência[editar | editar código-fonte]

Em 2014, um estudante chamado Elliot Rodger, que se identificava como um incel, de 22 anos, matou seis pessoas e feriu outras catorze em um ataque a uma universidade na Califórnia.[76][77][78]

Em 14 de fevereiro de 2018, Nikolas Cruz matou dezessete pessoas e feriu outras dezessete em um tiroteio na Stoneman Douglas High School em Parkland, nos Estados Unidos, antes de ser preso. Cruz já havia postado online que "Elliot Rodger nunca será esquecido".[79]

Em 23 de abril de 2018, um ex-recruta militar canadense de ascendência Armênia chamado Alek Minassian, que também se identificava como um incel, atropelou e matou dez pessoas em Toronto, no Canadá. Algumas horas antes, Alek teria feito postagens extremamente misóginas em um fórum na internet e teria tentado convocar outros incels para uma "rebelião incel".[80]

Um relatório de janeiro de 2020 do Departamento de Segurança Pública do Texas alertou que os incels são uma "ameaça emergente de terrorismo doméstico".[81][82]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Mezzofiore, Gianluca (15 de abril de 2018). «The Toronto suspect apparently posted about an 'incel rebellion.' Here's what that means». CNN. Atlanta, Georgia: Turner Broadcasting Systems. Consultado em 26 de abril de 2018  (em inglês)
  2. Ohlheiser, Abby (25 de abril de 2018). «Inside the online world of 'incels,' the dark corner of the Internet linked to the Toronto suspect». The Washington Post. Washington DC: Nash Holdings LLC. Consultado em 22 de maio de 2018  (em inglês)
  3. «Violent misogyny found in 'incel' is a form of terrorism, says author». The Current. CBC.ca. 26 de abril de 2018. Consultado em 20 de maio de 2018  (em inglês)
  4. Rouner, Jef (3 de maio de 2018). «Incels Want Gender Terrorism, Not Sex». Houston Press. Houston, Texas: Voice Media Group. Consultado em 29 de maio de 2018  (em inglês)
  5. Talbot, Michael (24 de abril de 2018). «'Incel Rebellion has already begun': Expert explains van suspect's cryptic Facebook post». CityNews. Toronto, Ontario, Canada: Rogers Media. Consultado em 28 de maio de 2018  (em inglês)
  6. a b c Wilson, Jason (25 de abril de 2018). «Toronto van attack: Facebook post may link suspect to misogynist 'incel' subculture». The Guardian (em inglês). London, England: Guardian Media Group. Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  7. Wood, Graeme (24 de abril de 2018). «ISIS Tactics Have Spread to Other Violent Actors». The Atlantic (em inglês). Boston, Massachusetts: Emerson Collective. Consultado em 4 de maio de 2018  (em inglês)
  8. a b «The 'incel' community and the dark side of the internet» 
  9. Beauchamp, Zack (25 de abril de 2018). «Incel, the misogynist ideology that inspired the deadly Toronto attack, explained». Vox (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  10. Dastagir, Alia E. «Incels, Alek Minassian and the dangerous idea of being owed sex». USA TODAY (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  11. «The men 'addicted' to hating women». NewsComAu (em inglês). 6 de junho de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  12. «'Currycels' and the Unsurprising Racism of the Incel Community». MEL Magazine (em inglês). 9 de julho de 2019. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  13. Romano, Aja (14 de dezembro de 2016). «How the alt-right's sexism lures men into white supremacy». Vox (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  14. «The 'incel' community and the dark side of the internet» 
  15. Wilson, Jason (25 de abril de 2018). «Toronto van attack: Facebook post may link suspect to misogynist 'incel' subculture». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  16. Wood, Graeme (24 de abril de 2018). «ISIS Tactics Have Spread to Other Violent Actors». The Atlantic (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  17. «What we learned from Alek Minassian's incel-linked Facebook page — and what we'd like to know». Global News (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  18. «What's An 'Incel'? The Online Community Behind The Toronto Van Attack». NPR.org (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  19. «"I laugh at the death of normies": How incels are celebrating the Toronto mass killing». Southern Poverty Law Center (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  20. «What Is 'Male Supremacy,' According To Southern Poverty Law Center? - Newsy Story». web.archive.org. 25 de abril de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  21. Taub, Amanda (9 de maio de 2018). «On Social Media's Fringes, Growing Extremism Targets Women». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  22. Cook, Jesselyn (24 de julho de 2018). «Inside Incels' Looksmaxing Obsession: Penis Stretching, Skull Implants And Rage». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  23. Cook, Jesselyn (27 de julho de 2018). «Internet Companies Are Cracking Down On Online Extremism. What About Radical Misogyny?». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  24. a b c Ling, Justin; Mahoney, Jill; McGuire, Patrick; Freeze, Colin (24 de abril de 2018). «The 'incel' community and the dark side of the Internet». The Globe and Mail. Consultado em 4 de maio de 2018  (em inglês)
  25. Schallhorn, Kaitlyn (24 de abril de 2018). «'Incel' sexual frustration 'rebellion' at center of Toronto attack». Fox News (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  26. a b c Zimmer, Ben (8 de maio de 2018). «How 'Incel' Got Hijacked». Politico. Consultado em 9 de maio de 2018  (em inglês)
  27. a b Baker, Peter (1 de março de 2016). «The Woman Who Accidentally Started the Incel Movement». Elle (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2018  (em inglês)
  28. a b Taylor, Jim (30 de agosto de 2018). «The woman who founded the 'incel' movement». BBC News (em inglês). Consultado em 30 de agosto de 2018  (em inglês)
  29. a b Beauchamp, Zack (16 de abril de 2019). «The rise of incels: How a support group for the dateless became a violent internet subculture». Vox. Consultado em 14 de abril de 2019  (em inglês)
  30. Kassam, Ashifa (26 de abril de 2018). «Woman behind 'incel' says angry men hijacked her word 'as a weapon of war'». The Guardian (em inglês). Consultado em 2 de maio de 2018  (em inglês)
  31. a b c Solon, Olivia (8 de novembro de 2017). «'Incel': Reddit bans misogynist men's group blaming women for their celibacy». The Guardian (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  32. a b c Hauser, Christine (26 de outubro de 2017). «Reddit Bans Nazi Groups and Others in Crackdown on Violent Content». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  33. Bell, Chris (9 de novembro de 2017). «Reddit bans 'involuntarily celibate' community». BBC News (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  34. Hauser, Christine (9 de novembro de 2017). «Reddit Bans 'Incel' Group for Inciting Violence Against Women». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  35. a b c Romano, Aja (20 de junho de 2018). «What a woman-led incel support group can teach us about men and mental health». Vox. Consultado em 12 de agosto de 2018  (em inglês)
  36. Baker, Peter (29 de fevereiro de 2016). «What Happens to Men Who Can't Have Sex». Elle (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2018  (em inglês)
  37. Burleigh, Nina (27 de maio de 2014). «Inside the terrifying, twisted online world of involuntary celibates». Salon (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2018  (em inglês)
  38. Tait, Amelia (18 de agosto de 2018). «Rise of the women haters: Inside the dark world of the British 'incels'». The Daily Telegraph. ISSN 0307-1235. Consultado em 1 de setembro de 2018  (em inglês)
  39. a b c Cook, Jesselyn (27 de julho de 2018). «A Toxic 'Brotherhood': Inside Incels' Dark Online World». Huffington Post. Consultado em 8 de agosto de 2018  (em inglês)
  40. Hudson, Laura (25 de abril de 2018). «The internet is enabling a community of men who want to kill women. They need to be stopped». The Verge. Consultado em 11 de agosto de 2018  (em inglês)
  41. Romano, Aja (26 de abril de 2018). «How the alt-right's sexism lures men into white supremacy». Vox. Consultado em 11 de agosto de 2018  (em inglês)
  42. Taub, Amanda (9 de maio de 2018). «On Social Media's Fringes, Growing Extremism Targets Women». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 14 de maio de 2018  (em inglês)
  43. Cook, Jesselyn (27 de julho de 2018). «Internet Giants Are Banning Extremists (Just Not The Ones Targeting Women)». Huffington Post. Consultado em 11 de agosto de 2018  (em inglês)
  44. a b
  45. a b Collins, Ben; Zadrozny, Brandy (24 de abril de 2018). «After Toronto attack, online misogynists praise suspect as 'new saint'». NBC News (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  46. a b Dewey, Caitlin (7 de outubro de 2015). «Incels, 4chan and the Beta Uprising: making sense of one of the Internet's most-reviled subcultures». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  47. Hathaway, Jay (10 de novembro de 2017). «Why Reddit finally banned one of its most misogynistic forums». The Daily Dot (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2018  (em inglês)
  48. Szekely, Peter (24 de abril de 2018). Osterman, Cynthia, ed. «Factbox: Canada attack suspect linked to celibates angry at women». Reuters (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2018  (em inglês)
  49. «Quem são os 'incels' – celibatários involuntários –, grupo do qual fazia parte o atropelador de Toronto» [Who are the 'incels' — involuntary celibates — a group that included the Toronto van driver?]. BBC Brasil. 27 de abril de 2018. Consultado em 16 de maio de 2018  (em inglês)
  50. Foster, Ally (6 de junho de 2018). «A look inside the group of men 'addicted' to hating women». news.com.au. Consultado em 6 de junho de 2018  (em inglês)
  51. a b Dastagir, Alia E. (26 de abril de 2018). «Incels, Alek Minassian and the dangerous idea of being owed sex». USA Today (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2018  (em inglês)
  52. Beauchamp, Zack (25 de abril de 2018). «Incel, the misogynist ideology that inspired the deadly Toronto attack, explained». Vox. New York City: Vox Media. Consultado em 5 de maio de 2018  (em inglês)
  53. Jeltsen, Melissa (7 de junho de 2018). «The Unmaking Of An Incel». HuffPost. Consultado em 8 de junho de 2018  (em inglês)
  54. Burton, Tara Isabella (4 de maio de 2018). «We're talking about "sex robots" now. We've been here before.». Vox. Consultado em 11 de agosto de 2018  (em inglês)
  55. Beauchamp, Zack (25 de abril de 2018). «Incel, the misogynist ideology that inspired the deadly Toronto attack, explained». Vox (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  56. Taub, Amanda (9 de maio de 2018). «On Social Media's Fringes, Growing Extremism Targets Women». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  57. «Inside the online world of 'incels,' the dark corner of the Internet linked to the Toronto suspect - The Washington Post». web.archive.org. 18 de maio de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  58. «'Incel Rebellion has already begun': Expert explains van suspect's cryptic Facebook post - CityNews Toronto». web.archive.org. 29 de maio de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  59. «Violent misogyny found in 'incel' is a form of terrorism, says author | CBC Radio». web.archive.org. 31 de maio de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  60. «The Myth That Incels Want Sex | Houston Press». web.archive.org. 29 de maio de 2018. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  61. a b Cook, Jesselyn (24 de julho de 2018). «Inside Incels' Looksmaxing Obsession: Penis Stretching, Skull Implants And Rage». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  62. Cook, Jesselyn (27 de julho de 2018). «Internet Companies Are Cracking Down On Online Extremism. What About Radical Misogyny?». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  63. Cook, Jesselyn (24 de julho de 2018). «Inside Incels' Looksmaxing Obsession: Penis Stretching, Skull Implants And Rage». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  64. Cook, Jesselyn (26 de julho de 2018). «A Toxic 'Brotherhood': Inside Incels' Dark Online World». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  65. Cook, Jesselyn (27 de julho de 2018). «Internet Companies Are Cracking Down On Online Extremism. What About Radical Misogyny?». HuffPost (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  66. «Expert traces link between violent online alt-right fantasies and real-world attacks». Global News (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  67. Flocker, Michael. 2004."Top Five Health benefits of Regular Sex" The Hedonism Handbook. DaCapo Press. Cambridge, MA. p.129,ISBN 0-306-81414-5 (em inglês)
  68. Seabury, David. 1964. "Whiskey in Its Place" The Art of Selfishness. Julian Messner Inc. New York. pp.180-183 (em inglês)
  69. «Drugs». web.archive.org. 3 de março de 2016. Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  70. Russell, Bertrand. Of Marriage & Morals. Liverlight Publishing Corporation. New York. 1970. pp.290-291, ISBN 0-87140-211-4 (em inglês)
  71. Tait, Amelia (8 de maio de 2018). «We must try to understand how unwanted virginity leads self-hating incels to murder». New Statesman (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2018 
  72. Barnés, Héctor G. (3 de junho de 2018). «De paseo por el infierno sexual: los hombres que se reúnen para insultar a las mujeres» [Walking through sexual hell: the men who meet to insult women]. El Confidencial (em Spanish). Consultado em 9 de junho de 2018 
  73. Conti, Allie (11 de maio de 2018). «We Asked a Sex Therapist What It's Like to Help An Incel Get Laid». Vice. Consultado em 11 de agosto de 2018 
  74. Contie, Allie (26 de junho de 2018). «Learn to Decode the Secret Language of the Incel Subculture». Vice. Consultado em 17 de julho de 2018 
  75. Rogers, Brook A. (27 de abril de 2018). «The online 'incel' culture is real – and dangerous». New York Post. Consultado em 27 de dezembro de 2018 
  76. Hill, Kashmir (24 de maio de 2014). «The Disturbing Internet Footprint Of Santa Barbara Shooter Elliot Rodger». Forbes (em inglês). Consultado em 10 de agosto de 2020. Arquivado do original em 26 de abril de 2018 
  77. Nagourney, Adam; Cieply, Michael; Feuer, Alan; Lovett, Ian (1 de junho de 2016). «Elliot O. Rodger's Killings in California Followed Years of Withdrawal». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 10 de agosto de 2020. Arquivado do original em 3 de junho de 2014 
  78. Dewey, Caitlin (27 de maio de 2014). «Inside the 'manosphere' that inspired Santa Barbara shooter Elliot Rodger». The Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 10 de agosto de 2020. Arquivado do original em 29 de outubro de 2019 
  79. «After Toronto attack, online misogynists praise suspect as 'new saint'». NBC News (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  80. What we know about Alek Minassian, man charged in deadly Toronto van attack (em inglês)
  81. Brigham, Bob. «Involuntary Celibates are an 'emerging domestic terrorism threat': Texas warns of an 'Incel Rebellion'». www.rawstory.com (em inglês). Consultado em 23 de janeiro de 2020 
  82. «Texas Domestic Terrorism Threat Report» (PDF). Departamento de Segurança Pública do Texas. Janeiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]