MGTOW

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Logotipo usado nos sites MGTOW[1].

MGTOW[1] (Sigla do inglês para Men Going Their Own Way, em português Homens seguindo seu próprio caminho) é uma filosofia divulgada principalmente na forma de comunidade online [2] apoiada por websites e presenças em mídias sociais. [3] A comunidade faz parte do recente surgimento de movimentos masculinistas.[4]

Os membros da comunidade MGTOW acreditam que os enredos tradicionais e românticos com mulheres são falhos, levando em conta uma análise de custo-benefício e de risco-benefício.[5] Os MGTOW podem ser descritos como os homens frustrados com o desequilíbrio nas leis que favorecem as mulheres e a falta de incentivos para encontros românticos ou namorar que optam em focar no cuidar de si mesmos.[6] Alguns MGTOW expressam descontentamento porque veem as mulheres como hipergâmicas e manipuladoras.[7] O Business Insider, escreveu, "Um MGTOW completamente realizado é alguém que evita todos os relacionamentos com mulheres, a curto prazo, a longo prazo, romântico e de outra forma. Ele afasta a sociedade como um todo".[8] Os MGTOW usam a palavra "Ginocentrismo" para descrever condições que favorecem as mulheres em detrimento dos homens — como a facilidade em acusar um homem de estupro ou exigir bens e pensão alimentícia após o fim de uma relação — e se opõem a tais circunstâncias.[9]

De acordo com La Repubblica, o conceito de homens herbívoros no Japão é um subconjunto da MGTOW. [10] Já outros veem os homens herbívoros como consequência das condições socioeconômicas japonesas e MGTOW como uma escolha ideológica. [3] MGTOW é descrito como um protesto contra as leis feministas no Ocidente, enquanto os homens herbívoros são uma resposta aos papéis de gênero tradicionais no Japão, como os chamados salaryman.[11]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Men at War». Reggie Yates' Extreme UK. Temporada 1. Episódio 2. 12 de Janeiro de 2016. No minuto 22. BBC. BBC Three 
  2. McCarthy, James (22 de Novembro de 2015). «David Sherratt, 18, is a men's rights activist who won't have casual sex in case he is falsely accused of rape». Wales Online. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
  3. a b Lamoureux, Mack (24 de Setembro de 2015). «This Group of Straight Men Is Swearing Off Women». Vice Magazine. Consultado em 30 de dezembro de 2015 
  4. Goldwag, Arthur (2012). «Leader's Suicide Brings Attention to Men's Rights Movement». Southern Poverty Law Center. Intelligence Report (145). Consultado em 6 de Abril de 2015 
  5. Daubney, Martin (15 de novembro de 2015). «Meet the men giving up on women». www.thesundaytimes.co.uk. Consultado em 30 de dezembro de 2015. As a result of these views, such men are making what they see as logical, factual and cost-benefit-based decisions about women, dating and sex – and their brutally stark conclusion is that it's simply not worth the risk, expense or effort. 
  6. Nicholson, Jeremy (3 de abril de 2012). «Why Are Men Frustrated With Dating?». Psychology Today. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  7. Hymowitz, Kay (27 de Fevereiro de 2011). «Why Are Men So Angry?». The Daily Beast. Consultado em 30 de dezembro de 2015 
  8. Love, Dylan (15 de Setembro de 2013). «Inside Red Pill, The Weird New Cult For Men Who Don't Understand Women». Business Insider. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  9. Daubney, Martin (24 de novembro de 2015). «George Lawlor's story shows how universities have become hostile towards men». The Daily Telegraph. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  10. «Finalmente soli». La Repubblica (em Italian). 12 de janeiro de 2016. Consultado em 8 de fevereiro de 2016. Dentro c'è di tutto: “erbivori” (nel senso di per nulla carnali) stile giapponese, ..." (Translated: "Among [the MGTOW] there are all sorts of things: "herbivores" (meaning: no carnal relations) of the Japanese type, ... 
  11. «Moterų minčių apie "tikrus vyrus" forumuose prisiskaitęs vaikinas: vyrai, susimąstykite». DELFI (em lituano). 12 de outubro de 2015. Consultado em 13 de janeiro de 2016