Libertação masculina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Libertação masculina é uma teoria que visa libertar os homens da violência social a que são expostos em uma sociedade machista, que obriga-os a agirem de forma dominadora hetero expansionista para manter privilégios femininos em seu detrimento (por exemplo uma mulher que exerce funções masculinas é vista como guerreira mas o inverso é mal visto - outro exemplo é que o homem comum sempre é cobrado para suprir tudo da mulher e ter vida acadêmica e profissional pra sustentar a elite do regime e as esposas e pensões enquanto elas apenas sendo donas de casa e sendo sexualmente esposas já estão garantidas na vida social sem o menor esforço a exemplo das garotas de programa).[1]

Referências

  1. «IDENTIDADE DE GÊNERO MASCULINA: POSSIBILIDADES DE VIOLÊNCIA». Revista Pandora. Março de 2009. Consultado em 11 de julho de 2012. «[...]a teoria da libertação masculina, que compreende escapar da ‘violência social’ a qual os homens são expostos na sociedade patriarcal, violência que os obrigam a empreenderem o ‘poder’, a mostrarem-se viris, oprimindo, agredindo e dominando as mulheres.» 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.