Incidente em Antares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a minissérie da Rede Globo, veja Incidente em Antares (minissérie).
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Incidente em Antares
Autor(es) Érico Veríssimo
Idioma Português
País  Brasil
Género Romance
Localização espacial Antares, cidade imaginária situada ao norte de São Borja, às margens do rio Uruguai
Editora Globo
Lançamento 1971
Páginas 485

Incidente em Antares foi o último romance escrito por Érico Veríssimo. Escrito em 1971, aborda a temática do fantástico e do sobrenatural, o chamado Realismo Fantástico

Enredo[editar | editar código-fonte]

No ano de 1963 em 11 de dezembro morrem sete pessoas em Antares. Como os coveiros estão em greve, os defuntos passam a vagar pela cidade, vasculhando a intimidade de parentes e amigos. Devido à sua condição de defuntos, podem fazer isto sem temer represálias.

Análise[editar | editar código-fonte]

O livro é dividido em duas partes, onde se misturam acontecimentos reais e irreais.

Na primeira parte, é apresentado o ajustamento das duas facções políticas da cidade (os Campolargo e os Vacariano) às oscilações da política nacional. Apresenta também a união dos mesmos em face da ameaça comunista, como é conhecida na cidade a classe operária, que reivindica seus direitos.

Na segunda parte, acontece o "incidente" do título, com a greve geral em Antares e a morte inesperada de sete pessoas, incluindo a matriarca dos Campolargo, Quitéria. Durante o cortejo de Dona Quitéria, os Campolargo são impedidos de sepultá-la, pois os coveiros, em greve, cercam o cemitério, impedindo o enterro, e desta forma, aumentam a pressão sobre os patrões. Os mortos, não sepultados, adquirem "vida" e passam a vasculhar a vida dos parentes e amigos, revelando, então, a podridão moral da sociedade. Como as personagens são cadáveres, estão livres das pressões sociais e podem criticar à vontade a sociedade.

Os Insepultos[editar | editar código-fonte]

  • Quitéria Campolargo: a matriarca da cidade, que morreu do coração;
  • Barcelona: o sapateiro anarquista, também vítima de um ataque cardíaco;
  • Cícero Branco, o influente advogado vitimado por um AVC;
  • João Paz, jovem pacifista que foi impiedosamente torturado até a morte pela polícia;
  • Pudim de Cachaça, bêbado envenenado pela mulher;
  • Menandro Olinda, o genial pianista, gravemente deprimido, que se suicidou, cortando os pulsos;
  • Erotildes, prostituta, vítima de tuberculose e não foi atendida a tempo pelos médicos.

Minissérie[editar | editar código-fonte]

Em 1994, a Rede Globo apresentou a minissérie Incidente em Antares, adaptada por Charles Peixoto e Nelson Nadotti, e baseada no romance de Érico Veríssimo. A minissérie teve a direção de Paulo José e contou com os atores Regina Duarte, Fernanda Montenegro e Paulo Betti no elenco, entre outros.

Adaptação para o Teatro[editar | editar código-fonte]

Em 2005, o Grupo Teatral Máschara de Cruz Alta/RS etreou o espetáculo O Incidente, sob direção de Cléber Lorenzoni. O espetáculo continua excursionando desde então. Em 2012, o Grupo Cerco adaptou a segunda parte do romance Incidente em Antares, com a direção de Ines Marocco.


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.