Inri Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Inri Cristo
Inri Cristo falando em um programa de TV
Nome completo Álvaro Inri Cristo Thais
Nascimento 22 de março de 1948 (68 anos)
Indaial,  Santa Catarina
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação escritor e autoproclamado messias

Álvaro Inri Cristo Thais (Indaial, 22 de março de 1948) é um filósofo e líder religioso brasileiro que afirma ser a reencarnação de Jesus Cristo.

Já apareceu em diversos programas de TV a exemplos de Programa Silvio Santos, Programa do Jô, Programa do Ratinho, SuperPop, O Estranho Mundo de Zé do Caixão, Pânico, CQC, Agora é Tarde (Brasil) e Noites Marcianas (Portugal), então apresentado por Carlos Cruz, bem como em diversos programas de rádio e podcasts.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Inri Cristo fundou a instituição "Suprema Ordem Universal da Santíssima Trindade" (SOUST) em 28 de fevereiro de 1982 após ter praticado o "Ato Libertário" dentro da Catedral Metropolitana de Belém. A SOUST permaneceu provisoriamente situada em Curitiba, até se instalar definitivamente em Brasília no ano de 2006.

Inri Cristo esteve sempre cercado de muita polêmica e já concedeu muitas entrevistas. Foi criado pelo casal de teuto-brasileiros Magdalena e Wilhelm Thais. Seu sobrenome Thais é fruto de um erro de grafia do original alemão "Theiss".

Em 1979, afirma ter tido a revelação de seu nome e de sua verdadeira identidade após ter feito jejum durante alguns dias em Santiago, no Chile. Até então, era conhecido como Iuri de Nostradamus, nome que adotou como vidente e conselheiro.

Em seguida à revelação, passou a pregar sua doutrina, tendo visitado vários países da América Latina e Europa. Foi expulso da Inglaterra, dos EUA e da Venezuela, mas foi acolhido na França por nove meses. De volta ao Brasil, após anos de processo por falsidade ideológica, o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná reconheceu o seu direito de usar o nome Inri Cristo junto ao prenome de batismo em todos os seus documentos.

Mesmo após a revelação, continuou se apresentando publicamente como Iuri. A adoção efetiva do nome "Inri" aconteceu depois que um jornal mexicano o publicou. INRI, acrônimo de "Jesus de Nazaré Rei dos Judeus" seria, segundo a revelação, o novo nome do Cristo retornado.

Atualmente, Inri Cristo divulga sua doutrina através da mídia (principalmente internet e televisão) debatendo com outros líderes religiosos em programas de entrevistas. Também concede palestras em universidades, como já concedeu em várias universidades do Brasil e do mundo – a saber: Faculdade de Comunicação da UnB (Brasília, 27 de novembro de 2007), UFPR (Curitiba, 17 de maio de 2000), Faculdade de Jornalismo da Universidade Tuiuti (Curitiba, 30 de abril de 1998 e 14 de novembro de 2001), SPEI, FAAP (São Paulo, 29 de outubro de 2003), USP (São Paulo, 4 de maio de 2004), Faculdade de Enfermagem da Uniandrade (Curitiba, 15 de setembro de 2004), UNISO (São Paulo, 29 de outubro de 2004), Faculdade de Jornalismo da UniBrasil (Curitiba, 17 de maio de 2005), Faculdade de Filosofia de La Paz e Escola Politécnica de Paris.

Inri Cristo busca aproximar-se especialmente do público jovem criando versões "místicas" de hits populares, a exemplo de Justin Bieber, Britney Spears, Rebecca Black, dentre muitos outros. Os clips são sempre cantados por suas discípulas, as "inriquetes".

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

  • Inri Cristo é destacado pela mídia e sempre reconhecido pela população em geral. Alguns consideram-no um profeta ou santo. A maioria entretanto, por sua aparência e vestes peculiares, consideram-no um excêntrico ou louco.
  • As participações de Inri Cristo em programas de TV brasileiros de auditório bem como em programas humorísticos, a exemplo do programa Pânico, possuem, segundo ele, a finalidade de despertar as pessoas para a liberdade consciencial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]