Inri Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Inri Cristo
Thais caracterizado de "Inri Cristo"
Nome completo Álvaro "Inri Cristo" Thais
Nascimento 22 de março de 1948 (71 anos)[1]
Indaial, SC
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Astrólogo (1969-1980)
"Inri Cristo" (1980-)

Álvaro Thais (Indaial, 22 de março de 1948 - ) mais conhecido por Inri Cristo[2][3] é um astrólogo brasileiro que se autoproclamou a reencarnação de Cristo. "Inri Cristo" ficou famoso após aparecer em dezenas de programas de televisão se apresentando como a reencarnação de Cristo, embora tenha sido tratado como uma atração pitoresca ou trash.[4] Ao lado de "Oil Man", Teresinha a Borboleta 13 e Chacon, Inri Cristo é uma das personagens mais conhecidas do folclore de Curitiba.[5][6][7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Álvaro Thais nasceu no município de Indaial, interior do estado de Santa Catarina, em 22 de março de 1948 sendo filho de Wilhelm e Magdalena Thais. Seu sobrenome Thais é fruto de um erro de grafia do original alemão "Theiss". Antes dos dezoito anos casou-se com uma nissei e teve dois filhos: Kissao e Dalila. Posteriormente separou-se e migrou para Curitiba no final dos anos 1960[8]

Yuri de Nostradamus[editar | editar código-fonte]

Após mudar-se para Curitiba tornou-se astrólogo, sob a alcunha de "Yuri de Nostradamus", passando a escrever colunas de astrologia para um jornal da capital paranaense e apresentando o programa "O Zodíaco e Você" na TV Paraná, angariando grande prestígio junto à alta-sociedade curitibana.[9]

Ao longo da década de 1970 ficou famoso por realizar as seguintes previsões[10][11]:

  • O Divórcio seria aprovado no Brasil em 1975 (o divórcio foi aprovado em 1977);
  • Yasser Arafat iria desaparecer em 1975 (Yasser Arafat morreu apenas em 2004);
  • Isabelita Perón iria ser derrubada e a violência iria recrudescer na Argentina (no ano seguinte ao da "profecia" Isabelita foi deposta por um golpe de estado);
  • Fidel Castro seria deposto em Cuba, 1975 (Castro deixou o poder apenas em 2008, tendo falecido em 2016);
  • Valéry Giscard d'Estaing, presidente da França, faleceria de câncer em 1978 (d'Estaing deixou o poder e está vivo até hoje-2020)
  • A Copa do Mundo de Futebol de 1978 não seria realizada na Argentina (a previsão acabou sendo falha e a Copa foi realizada);
  • O Sport Club Internacional seria campeão brasileiro de futebol de 1978 (o campeão acabou sendo o Guarani Futebol Clube);
  • Um arranha-céu iria incendiar-se em Curitiba (nenhum incêndio de grande porte em um edifício ocorreu na cidade naquela época);

Em 1978 entrou em uma polêmica com o cantor e compositor Carlos Lyra por conta da astrologia sideral, propagada por Lyra.[12] Lyra foi desafiado por Yuri, tendo respondido que não aceitaria desafios de astrólogos por considerá-los charlatões.[13]

Ainda naquele ano foi espancado em Ponta Grossa por dez homens por ordem do dono de um motel da cidade, desconfiado de que Yuri mantivesse um caso com sua esposa.[14] Após esse incidente, tornou-se cada vez mais recluso até desaparecer de Curitiba em 1980 e reaparecer alguns anos depois em Belém do Pará como "Inri Cristo" ou "Cristo de Indaial".[15][16]

Inri Cristo[editar | editar código-fonte]

Inri Cristo, pouco antes de atacar a Catedral Metropolitana de Belém em 1982.

Em 1979, afirmou ter tido a revelação de sua verdadeira identidade após ter feito jejum durante alguns dias em Santiago, no Chile. Em seguida à suposta revelação, passou a pregar sua doutrina, tendo percorrido vários países da América Latina e Europa. Foi expulso da Inglaterra, dos Estados Unidos, Paraguai e Venezuela e França por portar documentos adulterados (onde seu nome aparecia como "Inri Cristo").[17]

Ao voltar para o Brasil fundou a instituição "Suprema Ordem Universal da Santíssima Trindade" (SOUST) em 28 de fevereiro de 1982 após ter invadido a Catedral Metropolitana de Belém e agredido o vigário da mesma e quebrado imagens. Ao ser preso pela polícia militar, alegou que estava praticando o "Ato Libertário". Após passar quinze dias no Presídio São José Liberto, Inri foi liberado e voltou para Curitiba.[18]

Em 1982 foi denunciado por utilizar documentos falsificados (uma carteira de identidade obtida junto ao Instituto de Identificação Félix Pacheco no Rio de Janeiro, um Certificado de dispensa de incorporação do Exército Brasileiro e um passaporte onde seu nome aparecia como "Inri Cristo" de filiação desconhecida).[19] A situação perdurou até o final da década de 1990 quando Álvaro Thais conseguiu modificar seu nome para Álvaro Inri Cristo Thais e manter seus dados corretos de filiação.

A SOUST estava provisoriamente situada em Curitiba, onde Inri Cristo se tornou conhecido por circular pela Boca Maldita sob uma liteira conduzida por seus seguidores.[20] Com o tempo, passou a angariar alguns seguidores para a SOUST, não mais do que cem. Após aparecer em programas de Luiz Carlos Alborghetti, acusações de coação, lavagem cerebral e extorsão de seus membros surgiram na imprensa.[21] A sede da SOUST passou a ser atacada e em 2006 foi transferida de Curitiba para Brasília, onde é cercada por muros altos, arame farpado, com cães guardando seu interior e membros armados com revólveres fazendo papel de vigias.[22][7]

SOUST (Escola Mística Filosófica)

Atualmente, Inri Cristo divulga sua doutrina através da mídia (principalmente internet TV na Web e televisão) debatendo com outros líderes religiosos em programas de entrevistas. Também concede palestras em universidades, como já concedeu em várias universidades ao longo do País e do planeta – a saber: Faculdade de Comunicação da UnB (Brasília, 27 de novembro de 2007), Universidade Federal do Paraná (Curitiba, 17 de maio de 2000), Faculdade de Jornalismo da Universidade Tuiutí (Curitiba, 30 de abril de 1998 e 14 de novembro de 2001), SPEI, FAAP (São Paulo, 29 de outubro de 2003), USP (São Paulo, 4 de maio de 2004), Faculdade de Enfermagem da Uniandrade (Curitiba, 15 de setembro de 2004), UNISO (São Paulo, 29 de outubro de 2004), Faculdade de Jornalismo da UniBrasil (Curitiba, 17 de maio de 2005), Faculdade de Filosofia de La Paz e Escola Politécnica de Paris.[23]

Inri Cristo na USP - 2004

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

  • Inri Cristo é destacado pela mídia e reconhecido pela população em geral.[24] Alguns consideram-no um profeta.[25] Outros comparam-no a um santo, considerando-o um excêntrico, muitos o consideram mera personagem.
  • As participações de Inri Cristo em programas de TV brasileiros de auditório bem como em programas humorísticos a exemplo do programa Pânico na TV[26][27] possuem, segundo ele, a finalidade de despertar as pessoas para a liberdade consciencial.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Inri Cristo - Página oficial
  2. «Confira sua carteira de identidade com seu nome oficializado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná». 1 de setembro de 2019. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  3. «Conheça a história jurídica de INRI CRISTO através do livro O Tempo Página 30». 1 de setembro de 2019. Consultado em 1 de setembro de 2019 
  4. Paulo Pacheco (9 de setembro de 2018). «De "Xupadora" a apagão: 10 bizarrices dos 20 anos do "Programa do Ratinho"». Brasil Online-BOL. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  5. «Teresinha, a Borboleta 13, agora tem casa própria». Prefeitura de Curitiba. 17 de dezembro de 2011. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  6. Eduardo Santana (17 de junho de 2013). «Figura de Curitiba festeja 40 anos de imitação». Tribuna do Paraná. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  7. a b Carolina Werneck (26 de outubro de 2017). «Por que INRI Cristo, personagem ícone de Curitiba, trocou a cidade por Brasília?». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  8. J.H. de Oliveira Jr. (21 de maio de 1986). «Inri Cristo, o grande charlatão». Correio de Notícias, Ano VI, edição 1471, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  9. Nelson Luís (19 de setembro de 1973). «Qcv na tv». Diário do Paraná, ano XIX, edição 5466, Segundo Caderno, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  10. «Astrólogo prevê o divórcio em 75». Folha de S.Paulo, ano LIV, edição 16729, página 8. 30 de dezembro de 1974. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  11. «Nostradamus vê o Colorado campeão». Diário do Paraná, ano XXIV, edição 6873, Segundo Caderno, página 8/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 21 de abril de 1978. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  12. «Signos em rotação». Revista da Folha. 12 de fevereiro de 1995. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  13. José Cabral Falcão (28 de janeiro de 1978). «Revolução na astrologia». O Cruzeiro, edição 2429, páginas 48-52/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  14. «A previsão falhou:Passional, o motivo da agressão a astrólogo». Diário do Paraná, ano XXIV edição 6945, páginas 1 e 10/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 18 de julho de 1978. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  15. «Previsão:3ª Guerra em 1982». Diário do Paraná, ano XXV edição 7424, página 1/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 16 de fevereiro de 1980. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  16. «O falso profeta». Diário do Paraná, ano XXVII, edição 8047, página 9/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 10 de março de 1982. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  17. Carlos Heitor Cony (10 de janeiro de 1987). «Ele está entre nós». Manchete, ano 35, edição 1812, página 11/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  18. Bruno Torturra Nogueira (1 de maio de 2004). «Só Inri salva». Trip. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  19. «Em Curitiba estão as provas dos crimes do falso Cristo». Correio de Notícias, Ano VI, edição 1472, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 22 de maio de 1986. Consultado em 25 de dezembro de 2019 
  20. Marci Ducat (27 de setembro de 1992). «PF e TRE param manifestação na Boca». Correio de Notícias, ano IX, edição 110, página 15/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  21. «Polícia do Paraná resgata cardiologista». Diário do Pará, ano III, edição 712, página 6/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 1 de março de 1985. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  22. Leilane Menezes (8 de agosto de 2017). «A misteriosa história por trás das seguidoras de Inri Cristo». Metrópoles. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  23. Inri Cristo nas Universidades
  24. Artigo Arquivado em 7 de dezembro de 2011, no Wayback Machine. da CACP sobre Inri Cristo
  25. Citação vazia (ajuda) 
  26. «Participação no programa Pânico (versão radiofônica)». Consultado em 27 de novembro de 2006. Arquivado do original em 30 de setembro de 2007 
  27. Vídeo de sua participação no Pânico na TV[ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]