Jardim Botânico Benjamim Maranhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde agosto de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jardim Botânico Benjamim Maranhão
Localização  Paraíba
 Brasil
Localidade mais próxima João Pessoa
Dados
Área 515 ha
Criação 28 de agosto de 2000
Coordenadas 7° 8' 17" S 34° 50' 42" O
Jardim Botânico Benjamim Maranhão está localizado em: Brasil
Jardim Botânico Benjamim Maranhão
Cutia, mamífero ainda visto na área

O Jardim Botânico Benjamim Maranhão, popularmente conhecido como Mata do Buraquinho, é um jardim botânico brasileiro situado em João Pessoa, capital do estado da Paraíba. O jardim botânico foi criado pelo governo estadual por meio do decreto-lei no. 21.264, de 28 de agosto de 2000.[1] Com 515 hectares, é a maior floresta semi-equatorial nativa plana densamente cercada por área urbana do mundo (a da Tijuca é reflorestamento não-natural e a paulistana fica nos limes ou bordas da urbe, além de ficar numa latitude pouco tropical).[1]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 1856 a Mata do Buraquinho, hoje Jardim Botânico, era chamada de «Sítio Jaguaricumbe».[2] Até então, em seu primeiro registro como terra possuída tinha como limites do poente até o Palácio da Redenção, atual sede do Governo do Estado, atingindo os arredores da Lagoa do Parque Sólon de Lucena. Contudo, a área original sofreu grande redução devido a vendas e desapropriações até 1907, quando foi adquirida pelo estado por cinco mil cruzeiros, por ordem do governador Valfredo Leal. O objetivo foi iniciar os estudos de canalização d'água feitos pela Companhia Parahyba Water Company, em 1898, a futura Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa).[3]

O serviço de abastecimento d’água da cidade foi inaugurado em 1912 com caldeiras alimentadas pela lenha oriunda Mata do Buraquinho. Em 1939, devido à necessidade de ampliação do fornecimento d'água, foi adquirida e anexada à área a «Propriedade Paredes», localizada na margem direita do rio Jaguaribe, e em 1940 foi inaugurada a Barragem do Buraquinho. A área original ficou reduzida em cerca de 50%, devido à implantação do projeto de saneamento e abastecimento e a abertura de avenidas e estradas.

Em 1951 foi executado o Acordo Florestal da Paraíba entre o Serviço Florestal e o Governo da Paraíba, no qual estava prevista a criação de um jardim botânico, cujo objetivo principal era a produção de mudas e essências florestais. A inauguração ocorreu apenas em 1953. Em 1957, o Estado doou à União 166 hectares da área da Mata do Buraquinho para a implantação de um horto florestal.

Na década de 70 parte dos 565 hectares que formavam a Buraquinho foi desmembrada para a construção do Campus I da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Em 1989, através do Decreto Federal nº 98.181, os 515 hectares restantes foram declarados área de preservação permanente, ficando sob a responsabilidade do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Todavia, 305 hectares, permaneceram sob a jurisdição da (Cagepa).

Criação de jardim botânico e invasões[editar | editar código-fonte]

Em 1996, o IBAMA apresentou mais uma proposta para transformação da Mata do Buraquinho em jardim botânico, com o objetivo de preservação da área e garantia do seu estudo.[4] Em 2000, o Governo do Estado da Paraíba, assumiu a responsabilidade de criação e implantação do Jardim Botânico de João Pessoa. Assim, em 28 de agosto de 2000, foi assinado o Decreto nº 21.264 de criação efetiva do Jardim Botânico, abrangendo uma área total de 515 hectares.[4]

Desde a criação do jardim botânico tem havido as invasões às margens da reserva, onde podem ser constatados casos de subtração de território de preservação, assim como desmatamento (como na Favela Paulo Afonso), além da criação de comércios clandestinos, como a conhecida «Sucata do Italiano», no bairro de Jaguaribe.[4]

Características[editar | editar código-fonte]

O rio Jaguaribe, que deságua no oceano Atlântico, atravessa a reserva e corta 23 bairros da capital paraibana e atualmente sofre com a poluição urbana. Para as três trilhas («do Rio», «do Buriti» e «do Bambuzal»), o jardim botânico recebe grupos de até 50 pessoas por turno, de manhã e à tarde, cujas visitas têm de ser agendadas. Antes do passeio, o grupo assiste a uma palestra no auditório sobre o jardim botânico e sua importância para a cidade.

Além de área de lazer, o jardim botânico tem o objetivo de estudar espécies da fauna e da flora, já que o parque conta com espécies animais e vegetais típicas da mata atlântica.[1] Na área são desenvolvidas atividades de educação ambiental e preservar o patrimônio genético das plantas, entre as quais estão sucupira, massaranduba, cajazeira, copiúba, dendê, pau-pombo, orquídeas e bromélias.[1]

Entre os animais, além de sagüis, há outros mais raros, como tamanduá-mirim, cutia, raposa, preá, preguiça, borboletas, cobras e pássaros (pica-pau, sabiá, anu-preto e jacu).

Referências

  1. a b c d M.R.V. Barbosa (1996). Estudo florístico e fitossociológico da Mata do Buraquinho. [S.l.]: Universidade Estadual de Campinas. 270 páginas 
  2. Walfredo Rodrigues (1962). Roteiro sentimental de uma cidade. [S.l.]: Braziliense. 280 páginas 
  3. Adm. do portal (2007). «Cagepa – linha do tempo». Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba – Cagepa. Consultado em 27 de fevereiro de 2014 
  4. a b c Alexandre Souto (1997). Integração das populações do entorno ao Jardim Botânico de João Pessoa-PB : (uma proposta voltada para o ecoturismo, saúde, emprego, renda, educação, lazer e cultura). [S.l.]: IBAMA. 65 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.