José Dominguez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Dominguez
Informações pessoais
Nome completo José Manuel Martins Dominguez
Data de nasc. 16 de fevereiro de 1974 (45 anos)
Local de nasc. Lisboa, Portugal Portugal
Nacionalidade português
Altura 1,65 m[1]
Informações profissionais
Equipa atual Sem clube
Posição Treinador (Ex-meia)
Clubes de juventude
1983–1984
1985–1992
Portugal Domingos Sávio
Portugal Benfica
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1990–1994
1992–1993
1993–1994
1994–1995
1995–1997
1997–2000
2001–2004
2004
2005
Portugal Benfica
Portugal Sintrense (emp.)
Portugal Fafe (emp.)
Inglaterra Birmingham City
Portugal Sporting
Inglaterra Tottenham
Alemanha Kaiserslautern
Catar Al-Ahli
Brasil Vasco da Gama
0 (0)
12 (1)
13 (2)
35 (3)
62 (4)
45 (4)
56 (5)

7 (0)
Seleção nacional
1994–1995
1995–1996
Portugal Portugal Sub-21
Flag of Portugal.svg Portugal
8 (0)
3 (0)
Times/Equipas que treinou
2010–2012
2012
2012
2012–2013
2014
2015–2016
Portugal União de Leiria (categorias de base)
Portugal União de Leiria
Portugal Sporting B (auxiliar-técnico)
Portugal Sporting B
Colômbia Real Cartagena
Espanha Recreativo de Huelva
37
8

34

21

José Manuel Martins Dominguez (Lisboa, 16 de fevereiro de 1974) é um antigo jogador de futebol português, retirado do futebol profissional desde 2005.

Carreira[editar | editar código-fonte]

A carreira deste jogador começou nos escalões de formação do Benfica, onde se destacou pela sua velocidade e pela técnica considerada acima da média. Dominguez bate o recorde de ser o jogador mais baixo (1,65 m) que participou na Premier League inglesa,[2] assim como o primeiro jogador português a jogar em terras de Sua Majestade.[3]

Apesar de brilhante com a bola nos pés os dirigentes do Benfica tiveram receio que não conseguísse singrar no futebol profissional e por esse motivo foi emprestado ao Sintrense e posteriormente ao Fafe. Surgiu então a oportunidade de dar um salto qualitativo e decidiu emigrar, tendo assinado um contrato em 1994 com o Birmingham City (clube que se encontrava na Division One, procurando mostrar aos dirigentes benfiquistas que se tinham enganado. A primeira época que passou nesse clube, não foi famosa para o clube (foi despromovido): ele só jogou 5 partidas devido à chegada tardia ao clube antes do final da época. Contudo na época seguinte foi brilhante para o clube (que subiu de divisão) e para Dominguez, que fez cerca de 75% de assistências e era considerado um excelente assistente para diversos companheiros de equipa, tendo ganho o prémio de "Man of the match" em cerca de 85% dos jogos. Os adeptos do clube adoravam-no e chamaram-lhe God. Contudo, no Verão de 1995 chegou do Sporting uma proposta milionária, que o Birmingham City não pôde recusar.

Deste modo, Dominguez regressava a Portugal para ingressar no Sporting, então treinado por Carlos Queiroz. Foram duas épocas (1995-1997) a jogar no Sporting. Nessas duas épocas jogou 62 jogos tendo marcado 3 golos e dando muitas assistências aos colegas. Surgiram rumores de que Dominguez e o técnico na altura, Octávio Machado, tinham incompatibilidades, ajudando na decisão dos dirigentes leoninos a vendê-lo ao Tottenham Hotspur. Isto assinalou o regresso de Dominguez a Inglaterra, desta vez no Tottenham treinado por Gerry Francis. Dominguez teve um início auspicioso no primeiro jogo contra o Derby County, saiu do banco de suplentes, tendo arrancado uma grande penalidade decisiva para a vitória do Tottenham. Tanto o clube e o treinador pareciam contar com ele. Contudo, as nuvens vieram ao de cima: as coisas começaram a correr mal para o clube e o treinador foi despedido, sendo substituído por George Graham, que quase ignorou Dominguez. Os adeptos, esses, pelo contrário nutriam grande simpatia pelo jogador, agradando-lhes sobretudo a sua velocidade, recebendo grandes ovações quando saía do banco para aquecer. Em novembro de 2000, Dominguez foi transferido para o Kaiserslautern por um quarto do valor que custara ao Tottenham,[4] uma vez que se encontrava a apenas 7 meses de terminar o contrato com o clube, sendo que 6 meses antes de terminar o contrato, qualquer jogador pode assinar livre por outra equipa.

Na Alemanha, esteve quatro épocas, onde no primeiro ano após uma grave lesão não jogou, com o despedimento de Bremmer e com a chegada de Eric Gerets, Dominguez foi transformado num verdadeiro Herói ao fazer a maior parte das assistências de golos e salvando a equipa da inevitável descida, sendo nomeado pela conceituada revista Kicker 3 anos consecutivos como o melhor extremo esquerdo da Bundesliga. Após o fim do contrato com o Kaiserslautern, decidiu rumar para a Península Arábica, mais precisamente para o Al-Ahli de Doha, onde esteve seis meses. Em 2005, tentou a sua sorte no Brasil, mais exatamente no Vasco da Gama do Rio de Janeiro, mas apenas aí esteve seis meses, sendo obrigado a regressar devido a um problema no joelho causado pela sua 4º operação.[5] Em agosto de 2005, com apenas 31 anos, Dominguez anunciou publicamente o abandono da sua carreira enquanto jogador de futebol.

Estreou como treinador em 2010, comandando os jovens da União de Leiria e também o elenco principal. Foi ainda treinador adjunto no Sporting B (onde foi o treinador principal em 2012–2013[6]), comandando ainda Real Cartagena (Colômbia) e Recreativo de Huelva (Espanha).

Clubes[editar | editar código-fonte]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Disputou três jogos pela Seleção Portuguesa de Futebol, não marcando qualquer golo.

Referências

  1. «José Dominguez». Sports Reference. Consultado em 17 de novembro de 2009 
  2. Wallace, Sam (16 de agosto de 2008). «Peter Crouch: Talking big». The Independent. Consultado em 28 de abril de 2009 
  3. «Elenco POR'96 na Sports Reference». Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  4. «Dominguez departs for Germany». BBC Sport. 13 de novembro de 2000. Consultado em 21 de dezembro de 2009 
  5. «Dominguez deixa Vasco da Gama». Record. 2 de agosto de 2005. Consultado em 23 de maio de 2019 
  6. Coutinho, João (1 de julho de 2013). «Abel é o novo treinador da equipa B». Diário de Notícias. Consultado em 23 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências