Libão Rupílio Frúgio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Libo Rupílio Frugi)
Ir para: navegação, pesquisa

Libão Rupílio Frúgio (m. 101), cujo nome completo pode ter sido Lúcio Escribônio Libão Rupílio Frúgio Bono (em latim: Lucius Scribonius Libo Rupilius Frugi Bonus), foi um cônsul sufecto romano e um ancestral do imperador Marco Aurélio.

História[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Historia Augusta, Frúgio tinha o status consular e a obra se refere a ele como tendo sido cônsul.[1] Ele próprio serviu como cônsul em 88[2] e um parente seu, Calpúrnio Pisão Crasso Frúgio Liciniano, foi cônsul um ano antes. Libão era filho de Marco Licínio Crasso Frúgio, cônsul em 64, e neto de Marco Licínio Crasso Frúgio, cônsul em 27, com a nobre Escribônia.[2] Plínio, o Jovem, escreveu sobre um discurso agressivo que ele deu no senado romano em 101.[3]

Frugi se casou com a sobrinha do imperador romano Trajano, Salonina Matídia, como seu terceiro marido. Ela já tinha duas filhas de dois casamentos anteriores: Víbia Sabina e Míndia Matídia (Matídia Menor). Eles tiveram uma filha chamada Rupília Faustina,[4] que era, por sua vez, avó paterna de Marco Aurélio.[1][5]

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Historia Augusta, Marco Aurélio, 1.4, onde Rupili Boni foi emendado para Rupili Libonis
  2. a b Brian W. Jones, The Emperor Domitian, pages 165-6. Routledge
  3. Plínio, o Jovem, Ep. 3.9.33
  4. «Matídia, a Velha» (em inglês). Livius.org. Consultado em 11 de agosto de 2013 
  5. "A esposa de Libo Frugi é desconhecida, mas J. Carcopino, REA 51 (1949) 262 ff. defendeu que ela seria Matídia. Ele recebeu o apoio de H. G. Pflaum, HAC 1963 (1964) 106 f. Porém, Schumacher, Priesterkollegien 195, lembra que a filha de Libo Frugi, Rupília Faustina, quase não teria idade suficiente, neste caso, para ser mãe do pai de Marco Aurélio. A única saída seria supor que Matídia teria se casado com Libo antes de seus dois maridos anteriores; e teria se divorciado dele (pois ele estava vivo em 101). A teoria se torna cada vez mais implausível." Anthony Richard Birley, Marcus Aurelius, page 244