Ânia Cornifícia Faustina Menor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a irmã de Marco Aurélio, veja Ânia Cornifícia Faustina Maior.
Busto de Ânia Cornifícia Faustina no Museu Arqueológico de Ostia Antica.

Ânia Cornifícia Faustina (em latim: Annia Cornificia Faustina Minor; 160 - 212), também chamada de Ânia Cornifícia Faustina, a Jovem, era filha do imperador romano Marco Aurélio e da imperatriz Faustina, a Jovem. Ela era irmã de Lucila e do futuro imperador Cômodo. Além disso, Ânia era neta do imperador Antonino Pio e de Faustina, a Maior. Seus avós paternos eram Domícia Lucila e o pretor Marco Ânio Vero. Seu nome é uma homenagem à sua finada tia paterna, Ânia Cornifícia Faustina.

História[editar | editar código-fonte]

Cornifícia Faustina nasceu e foi criada em Roma. Ela se casou com o político africano Marco Petrônio Sura Mamertino, que serviu como cônsul em 182. Depois de 173, o casal teve um filho chamado Petrônio Antonino. É possível que Cornifícia e a família estivessem no acampamento de inverno onde Marco Aurélio morreu no início de 180.

O irmão dela, Cômodo, sucedeu ao pai no trono e, algum momento entre 190 e 192, ele ordenou a morte do marido, filho e cunhado de Cornifícia, e também da família da cunhada dela. Ela, contudo, sobreviveu aos expurgos do irmão e voltou a se casar, desta vez com Lúcio Dídio Marino, um poderoso nobre romano de status equestre e que serviu como procurador em várias províncias. Ele posteriormente foi coletor de impostos e tribuno da primeira coorte pretoriana.

Durante o breve reinado de Pertinax (193), ela se envolveu com imperador. Em 212, quando ela já tinha uns 50 anos, Caracala ordenou que ela fosse morta, eliminando assim a última descendente direta de Marco Aurélio e Faustina Menor. O historiador Dião Cássio preservou a forma como ela foi morta:

Suas últimas palavras foram 'Minha pobre, infeliz alma, presa num corpo imerecedor, siga adiante, seja livre, mostre-lhes que você é a filha de Marco Aurélio!' Então ela retirou seus ornamentos, se recompôs, abriu suas veias e morreu.
 
Dião Cássio, História romana.

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Septimius Severus: the African emperor, de Anthony Richard Birley Edition: 2 – 1999
  • Roman social history: a sourcebook, de Tim G. Parkin, Arthur John Pomeroy 2007
  • A commentary on the Letters of M. Cornelius Fronto, de Michael Petrus Josephus van den Hout, Marcus Cornelius Fronto 1999
  • From Tiberius to the Antonines: a history of the Roman Empire AD 14-192, de Albino Garzetti, 1974.
  • Stefan Priwitzer, Faustina minor - Ehefrau eines Idealkaisers und Mutter eines Tyrannen quellenkritische Untersuchungen zum dynastischen Potential, zur Darstellung und zu Handlungsspielraeumen von Kaiserfrauen im Prinzipat (Bonn: Dr. Rudolf Habelt, 2008) (Tuebinger althistorische Studien, 6).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • «Faustina II» (em inglês). Livius.org. Consultado em 11 de agosto de 2013