Mário Moniz Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o pintor e cenógrafo português (1920 – 1989), veja João Moniz Pereira.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde julho de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Moniz Pereira
Nome completo Mário Alberto Freire Moniz Pereira[1]
Nascimento 11 de fevereiro de 1921
Lisboa
Morte 31 de julho de 2016 (95 anos)
Lisboa
Nacionalidade português
Ocupação Treinador de atletismo
Prémios Globo de Ouro (2013)

Mário Alberto Freire Moniz Pereira ComIHGOIHComIP (Lisboa, 11 de fevereiro de 1921 - Lisboa, 31 de julho de 2016) foi um professor, desportista, atleta, treinador e autor de canções. Foi praticante de andebol, basquetebol, futebol, hóquei em patins, ténis de mesa, voleibol e atletismo.

Ele era conhecido em Portugal como "Senhor Atletismo" e é considerado o principal responsável pelas conquistas na modalidade depois da chegada da democracia no país.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Moniz Pereira nasceu a 11 de Fevereiro de 1921, em Lisboa.[3]

Filho de um importador de automóveis, Moniz Pereira estudou no Instituto Nacional de Educação Física, atual Faculdade de Motricidade Humana, aí completando a sua licenciatura em Educação Física. Tornar-se-ia depois professor do INEF, função que exerceu durante 27 anos.

Como atleta, sagrou-se campeão universitário de Portugal de triplo salto e recordista nacional, campeão regional e nacional de salto em altura, triplo e salto em comprimento, em veteranos, e recordista ibérico de salto em comprimento na mesma categoria. No voleibol foi campeão de Lisboa pelo Ginásio Clube de Lisboa, de Portugal pelo Sporting e da I Divisão ao serviço do CDUL.

Desempenhou funções de técnico nesta modalidade, nomeadamente no Sporting Clube de Portugal, Ginásio Clube de Lisboa, Centro Desportivo Universitário de Lisboa e no Ginásio Clube Português. Ganhou a medalha de bronze na prova de salto em comprimento e triplo salto no Campeonato Mundial de Veteranos em 1977 (Gotemburgo) e também no triplo salto do Campeonato Europeu de 1982 em Estrasburgo.

Como técnico de atletismo esteve presente em 12 Jogos Olímpicos, em 13 Campeonatos da Europa e em 21 Campeonatos do Mundo de Crosse[4].

Mário Moniz Pereira foi um "fazedor de campeões" que projectaram Portugal no desporto mundial, como Carlos Lopes, Fernando Mamede, Domingos Castro, Dionísio Castro, Francis Obikwelu e Naide Gomes.

De 1976 a 1983 foi director do Estádio Nacional e em 1982 presidiu à Comissão de Apoio à Alta Competição. Foi director técnico da Federação Portuguesa de Atletismo, Seleccionador Nacional de Atletismo e de Voleibol, Presidente da Comissão Central de Árbitros de Voleibol e Árbitro Internacional no Campeonato do Mundo de Paris, em 1956.

Foi sócio honorário da Associação Internacional de Treinadores de Atletismo e foi nomeado Conselheiro da Universidade Técnica de Lisboa em 1985.

Em 2001 recebeu o Emblema de Ouro da Associação Europeia de Atletismo, a mais alta condecoração individual na modalidade. A pista de atletismo do antigo Estádio José Alvalade recebeu o seu nome, em homenagem ao homem que mais contribuiu para o desenvolvimento do atletismo "leonino". Foi vice-presidente do Conselho Directivo do Sporting para as modalidades Amadoras até 2011. Foi, até à sua morte, o sócio n.º 2 do Sporting Clube de Portugal.

Moniz Pereira foi ainda o autor dos livros Manual de Atletismo do Conselho Providencial de Educação Física de Angola (1961) e Carlos Lopes e a Escola Portuguesa do Meio-Fundo (1980).

Recebeu o Globo de Ouro 2013 na categoria de Mérito e Excelência.

Faleceu no dia 31 de Julho de 2016, vítima de pneumonia, aos 95 anos de idade.

A 6 de Março de 2018 foi homenageado no Museu Nacional do Desporto com a reconstituição fiel da sua sala de trabalho.

Compositor musical[editar | editar código-fonte]

Além do desporto, Moniz Pereira destacou-se ainda como um prolífero compositor musical, nomeadamente de Fado. Ao todo é autor da música de 114 temas, assim como de algumas letras, de acordo com os registos da Sociedade Portuguesa de Autores. Entre esses temas constam alguns dos fados e canções mais conhecidos do panorama musical português, interpretados por figuras como Amália Rodrigues, Lucília e Carlos do Carmo, Carlos Ramos, Tony de Matos, Fernando Tordo, João Braga, Camané, Paulo de Carvalho, Maria da Fé, Rodrigo e Maria Armanda.

Em 2002 foi editada uma compilação denominada Moniz Pereira: 40 Anos de Música, onde assinou a música na totalidade dos 22 temas e algumas letras sendo as restantes da autoria de Rosa Lobato Faria, José Carlos Ary dos Santos, Júlio de Sousa, Vasco Lima Couto, João Dias, Emílio Vasco ou Fernando Tordo.[5]

Prémios e condecorações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Mário Moniz Pereira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 19 de julho de 2014. 
  2. espn.uol.com.br/ Lenda do atletismo português e compositor de fado morre aos 95 anos
  3. a b c d «"Especial: Sporting: Prof. Mário Moniz Pereira"». Diário de Notícias. 21 de agosto de 2008. Consultado em 19 de julho de 2014. 
  4. O Observador
  5. «Catálogo - Detalhes do registo de "Moniz Pereira: 40 anos de música"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 19 de julho de 2014. 
  6. «Personalidades galardoados anteriormente com a Ordem Olímpica.» (pdf). Olimpo: Revista do Comité Olímpico de Portugal. Comité Olímpico de Portugal. Outubro–Dezembro 2007. p. 18. Consultado em 19 de julho de 2014.. Cópia arquivada (PDF) em 19 de julho de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]