Maria Rueff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria Rueff
Nome completo Maria de Deus Rueff de Saro Negrão
Nascimento 1 de junho de 1972 (45 anos)
Beira
 Moçambique
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Actriz
Atividade 1991 - presente
Outros prêmios
Globo de Ouro (2013)

Prémio Tv7Dias (2013) para Melhor Atriz de Humor

Maria de Deus Rueff de Saro Negrão OM (Beira, Moçambique, 1 de Junho de 1972), é uma actriz portuguesa dedicada ao género humorista.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Atriz de referência na sua geração, celebrizada pela interpretação de papéis cómicos, Maria Rueff esteve prestes ingressar na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, antes de enveredar pela carreira da representação. Diplomou-se no curso de Formação de Actores, na Escola Superior de Teatro e Cinema, e estreou-se como profissional numa peça de Francisco Ors, Quem muda a fralda à menina?, sob a direção de Armando Cortez, no Teatro Villaret, em 1991. Com o ator João Baião iniciou em seguida uma série de cafés-teatro na noite de Lisboa, onde seria descoberta por Herman José e recomendada a Ana Bola. Com esta participou na sitcom A Mulher do Senhor Ministro, popularizando-se no papel da empregada doméstica Rosa Maria, a que se seguiu, ainda em 1994, uma série de rábulas no talk-show de Marco Paulo, Eu tenho dois amores. A partir de Herman Zap, em 1996, inicia com Herman José uma longa colaboração, que a leva a integrar o elenco de Herman Enciclopédia (1997), Herman 98 (1998), Herman 99 (1999), HermanSIC (2000) e Hora H (2007). Ao longo dessa década criou figuras bastante conhecidas do grande público, tais como Zé Manel Taxista, Rosete ou Idália, a esposa de Nelo na rubrica Nelo e Idália, que fazia como próprio Herman. Em 2001 criou o seu primeiro programa a solo, chamado O Programa da Maria, no qual ajudou a revelar novos talentos do humor português, como Nuno Lopes, Pedro Tochas ou Mina Andala. Em 2006 participou pela primeira vez numa novela, onde (surpreendentemente) interpretou um papel dramático, a médica Vitória. Voltou esporadicamente ao teatro, em espectáculos como Inox (2002), Antes eles que nós (2005), Celadon (2005), Avalanche (2006) ou Vip Manicure (2009). No cinema, além de vários telefilmes, participou em Os Imortais, de António Pedro Vasconcelos (2003) e em A Passagem da Noite, de Luís Filipe Rocha. Na rádio assinou e interpreta, desde 2003, Os Cromos da Bola, transmitida na TSF. Em 2014 surgiu como uma das protagonistas da novela da TVI Mulheres, onde encarna a Margarida Gomes. Foi agraciada com o grau de Oficial da Ordem do Mérito pelo Presidente da República Jorge Sampaio, a 8 de Março de 1999[1].

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Maria Rueff é filha de Carlos Alberto Cardoso de Saro Negrão e de sua mulher Maria Julieta Rueff de Magalhães Tavares, esta neta materna do 1.º Conde de Figueiredo Magalhães e 1.º Visconde de Gumiei.

Viveu com José Pedro Vasconcelos, de quem tem uma filha, Laura Rueff de Vasconcelos (2004). Viveu com o ator Bruno Nogueira durante cinco anos.

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria Rueff". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 6 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]