Maryse Condé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maryse Condé
Nascimento 11 de fevereiro de 1937 (82 anos)
Pointe-à-Pitre
Residência Nova Iorque
Cidadania França
Alma mater Universidade de Paris
Ocupação escritora, professora universitária, escritora de literatura infantil
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra, Grã Oficial da Ordem Nacional do Mérito, Comendador das Artes e das Letras, Bolsa Guggenheim, Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito, Grande Oficial da Legião de Honra, Comandante da Ordem Nacional do Mérito
Empregador Universidade da Califórnia em Los Angeles, Universidade da Califórnia em Berkeley, Universidade Columbia, Universidade de Paris, Universidade de Virgínia

Maryse Condé ( Guadalupe, 11 de fevereiro de 1937) é uma reconhecida escritora francesa, feminista e ativista, difusora da história e a cultura africana no Caraíbas.[1] Destaca-se por sua vasta produtividade como autora e por sua versatilidade para escrever ficção histórica, contos, novelas, ensaios, poemas e outros gêneros. É especialmente conhecida por sua novela Segu (1984 – 1985).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida como Maryse Boucolon em Pointe-à-Pitre, Guadalupe, foi a menor de oito irmãos.[2] Depois de graduar-se na escola secundária foi enviada ao Lycée Fénelon e à Sorbonne em Paris, onde obteve um doutorado em Literatura Comparada.[3] Em 1959 casou-se com Mamadou Condé, um ator guineano. Depois de seu graduação foi professora em Guiné, Ghana e Senegal. Em 1982 divorciou-se, e voltou a casar-se no ano seguinte, com Richard Philcox, tradutor da maioria de suas novelas para a lingua inglesa. Em 1985 Condé obteve uma bolsa Fulbright para ensinar nos Estados Unidos, como professora na Universidade de Columbia em Nova York.

Além de seus escritos, Condé teve uma distinta carreira acadêmica. Em 2004 retirou-se da Universidade de Columbia como Professora Emérita de Francês. Anteriormente ensinou na Universidade de Califórnia, Berkeley, UCLA, a Sorbonne, A Universidade de Virginia e a Universidade de Nanterre.[4]

Em 2018, Condé venceu o prêmio de literatura alternativo ao Nobel, suspenso naquele ano por acusações de corrupção e assédio sexual de jurados.[5]

Carreira literária[editar | editar código-fonte]

As novelas de Condé exploram assuntos raciais, de gênero e culturais numa variedade de eras históricas.

Entre as suas obras mais conhecidos, podemos destacar Segu (1984-1985), discernindo sobre o Império de Bambara em Mali do século XIX, a memória e o entrecruze destes povos, de seus deuses ancestrais. Na novela, Dusika Taoré, um chefe africano, não poderá evitar que as famílias se desintegrem no reino de bamabara e experimentem a escravidão, a conversão a uma nova religião e o colonialismo. Todo isso desde um ponto de vista político e questionador da diáspora.

Também tem enfrentado os Julgamentos de Salem em Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem (1986) e na construção no século XX do Canal de Panamá e sua influência na crescente classe média centro-americana na árvore da vida (1992).

Suas novelas centram-se nas relações entre os povos africanos e a diáspora, especialmente no Caraíbas. Tem tomado uma distância considerável da maioria dos interesses dos movimentos literários caribenhos, como a negritude, abordando com frequência temas com uma forte visão feminista. Ativista tanto em seu trabalho como em sua vida pessoal, Condé admitiu: "não poderia escrever qualquer coisa... a não ser que tenha uma importância política segura".[6] Suas obras posteriores tomaram um giro autobiográfico, como Memórias de Minha Infância e Vitória, uma biografia de sua avó. Quem cortou a garganta de Celanire tem também rastros de sua bisavó paterna.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Heremakhonon (1976)
  • Uma Estação em Rihata (1981)
  • Ségou: As muralhas de terra (1984)
  • Ségou: A terra desmoronada (1985)
  • Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem (1986)
  • A árvore da vida (1987)
  • Traversée da mangrove (1989)
  • An Tão Revolysion (Play, 1989)
  • Tree of Life (1992)
  • O último dos reis africanos (1994)
  • Winward Heights (2008)
  • Lhe coeur à rire et à pleurer - Souvenirs de mon enfance (1999)
  • Who Slashed Celanire's Throat?: A Fantastical Devaste (2004)
  • The Story of the Cannibal Woman: A Novel (2007)
  • Como dois irmãos (Play, 2007)
  • Victoire: a mãe de Minha Mãe (2010)

Prêmios e distinções[editar | editar código-fonte]

  • 1986: Grand Prix littéraire da femme por Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem.[7]
  • 1988: Lhe Prix de L’Académie Française pela Vie Scélérate.
  • 1993: Prêmio Puterbaugh pelo conjunto de sua obra.[8]
  • 1994: Grand Prix Littéraire dês jeunes lecteurs de l’Ile de France, por Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem.
  • 1997: Prix Carbet da Caraïbe por Desirada.
  • 1998: Membro honorario da Academia das Letras de Québec.
  • 1999: Prêmio Marguerite Yourcenar por Lhe Cœur à rire et à pleurer.
  • 2001: Comendador das Artes e as Letras de #o França
  • 2004: Caballero da Legión de Honra
  • 2005: Hurston/Wright Legacy Award (ficção), por Who Slashed Célanire’s Throat?
  • 2006: Certificado de Honra Maurice Cagnon do Conselho Internacional de Estudos Francófonos (CIEF).
  • 2007: Prix Tropiques por Victoire, dês saveurs et dês mots.[9]
  • 2008: Troféu de Artes Afro-Caribenhas por Lhes belles ténébreuses.
  • 2009: Troféu de Honra do Troféu de Artes Afro-Caribenhas pelo conjunto de sua obra.
  • 2010: Lhe Grand Prix du roman métis, pour Em attendant a montée dês eaux.[10]
  • 2012: Prix Fetkann pela vie sans fards.

Referências

  1. «Mujeres sobre mujeres: 20 lectoras recomiendan libros de 70 escritoras». Útero.Pe. Consultado em 16 de agosto de 2016 
  2. «Maryse Condé». Lire les femmes écrivains et les littératures africaines (em francês)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  3. «Voices from the Gaps: Maryse Condé» (PDF). University of Minnesota (em inglês) 
  4. «Maryse Condé». The Man Booker Prize (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 7 de abril de 2016 
  5. «Maryse Condé, autora de 'Segu', vence 'Nobel alternativo' de literatura». G1 
  6. «Artists in Conversation: Maryse Condé». Bomb Magazine (em inglês) 
  7. «Maryse Condé ou les Chemins de l'Identité». Potomitan (em francês) 
  8. «Maryse Condé». Ile en Ile (em francês) 
  9. «L'écrivain Maryse Condé reçoit le Prix Tropiques 2007». Afrik (em francês) 
  10. «Maryse Condé, Grand prix du roman métis». L'Obs (em francês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]