Monte Elbrus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Monte Elbrus
Monte Elbrus está localizado em: Cáucaso
Monte Elbrus
Localização do Monte Elbrus, Rússia
Coordenadas 43° 21' 18" N 42° 26' 21" E
Altitude 5 642 m
Proeminência 4 741 m
Isolamento 2 473 km
Listas Ultra
Sete cumes
Sete cumes vulcânicos
Ponto mais alto de um país
Localização Cáucaso ( Rússia)
Cordilheira Cáucaso
Disambig grey.svg Nota: Para a cordilheira, veja Elbruz.

O monte Elbrus (russo Эльбрус) é a montanha mais alta da Europa. É um estratovulcão extinto localizado na parte ocidental da cordilheira do Cáucaso, na Rússia, perto da fronteira com a Geórgia.

O monte Elbrus não deve ser confundido com as montanhas Alborz (também chamadas Elburz), no Irã.

Convenção[editar | editar código-fonte]

Unicamente por convenção histórica - pois não tem nenhuma e sem base geográfica - o Cáucaso junto com os Urais são considerados a fronteira entre a Europa e a Ásia. O artificialismo da fronteira no contexto geográfico é exemplificado pelo fato de a parte setentrional do Cáucaso frequentemente ser considerada como localizada na Europa, e a parte meridional na Ásia. O monte Elbrus, com 5 642 m acima do nível do mar, é assim situado na Europa, sendo o seu ponto mais elevado.

Características[editar | editar código-fonte]

O Elbrus fica a 20 km ao norte da cordilheira principal do Grande Cáucaso e a 65 km sul-sudoeste da cidade russa de Kislovodsk. Seu pico com neves eternas alimenta 22 geleiras que, por sua vez, dão origem aos rios Baksan, Kuban e Malka[1] . É ainda o 10º monte de maior proeminência topográfica no mundo.

O mais baixo dos dois picos foi escalado pela primeira vez em 1868 por Douglas Freshfield, Adolphus W. Moore e C. C. Tucker, e o mais alto (de aproximadamente 40 m) em 1874 pela expedição britânica dirigida por F. Crauford Grove.

Durante os primeiros anos da União Soviética o alpinismo tornou-se uma atividade popular, e houve um tremendo tráfego de pessoas no Elbrus. No inverno de 1936, um grupo inexperiente de membros da juventude comunista tentou escalar a montanha, e terminou por sofrer diversas baixas quando escorregaram no gelo e caíram para a morte.

Os alemães ocuparam brevemente a montanha durante a Segunda Guerra Mundial com dez mil soldados montanheses; uma história, possivelmente apócrifa, conta que um piloto soviético recebeu uma medalha por ter bombardeado a cabana principal, Pruit 11, enquanto ela estava ocupada. Mais tarde, foi-lhe oferecida uma medalha por não ter atingido a cabana, mas sim o estoque de combustível, deixando a cabana intacta para as gerações futuras.

O Monte Elbrus e seus dois picos.

As montanhas do Cáucaso são o resultado de colisão de duas placas tectônicas, a placa arábica movendo-se para o norte com relação à placa eurasiana. Elas formam uma continuação do Himalaia, que está sendo empurrado para cima por uma colisão similar entre as placas eurasiana e indiana. Toda a região é regularmente sacudida por fortes terremotos oriundos dessa atividade[carece de fontes?]. O Elbrus situa-se numa área de movimentos tectónicos, e tem sido ligado a uma falha. Aparentemente o Elbrus tem sob si uma grande quantidade de magma.[2]

A ascensão ao Elbrus é perigosa porque em parte do percurso há um teleférico com grande desnível e que, segundo o alpinista português João Garcia que o escalou duas vezes, "o que pode ser um problema porque faz com que a adaptação à altitude seja mais difícil"[3] . Em abril de 2013 foram descobertos dois corpos de alpinistas, um polaco e um iraniano, que estiveram desaparecidos durante um mês[3] .

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Na Antiguidade, o monte era conhecido como Strobilus, e a mitologia grega situava lá o local onde Prometeu fora acorrentado.

De 1959 a 1976, um teleférico foi instalado em estágios que podem levar o visitante a uma altitude de 3800 metros. Existem várias rotas até o topo, mas a rota normal, que não tem fendas, continua aproximadamente em linha reta a partir do fim do teleférico. Durante o verão, não é raro ver até 100 pessoas por dia tentando alcançar o topo por este caminho. A escalada não é tecnicamente difícil, mas é árdua fisicamente devido à altitude e aos ventos fortes.

Ascensões[editar | editar código-fonte]

Elbrus 3D

A União Soviética encorajou as ascensões ao Elbrus, e em 1956 ele foi escalado "em massa" por 400 alpinistas para marcar o 400.º aniversário da anexação da Cabárdia-Balcária, a república socialista autônoma onde se localizava o Elbrus.

Partes deste artigo são uma tradução livre do NASA Earth Observatory.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Anthony Huxley, Standard Encyclopedia of the World's Mountains (New York: Putnam, 1962).

Referências

  1. «Caucasus from Elbrus to Kazbek». Map Guides 1st ed. Robin Collomb and Andrew Wielochowski. 1993. ISBN 906227-54-2 Verifique |isbn= (Ajuda).  Parâmetro desconhecido |scale= ignorado (|escala=) (Ajuda)
  2. «Observations of crustal tide strains in the Elbrus area». Izvestiya Physics of the Solid Earth MAIK Nauka [S.l.] 43 (11): 922–930. November 2007. Consultado em 25-2-2010. 
  3. a b Mariana Cabral, expresso.pt (2-4-2013). «Alpinistas morrem na montanha mais alta da Europa». 2-4-2013. Consultado em 2-4-2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Monte Elbrus