Oiti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaOiti
Oiti em Buritis, em Minas Gerais, no Brasil
Oiti em Buritis, em Minas Gerais, no Brasil
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malpighiales
Família: Chrysobalanaceae
Género: Licania
Espécie: L. tomentosa
Nome binomial
Licania tomentosa
(Benth.) Fritsch
Sinónimos
Moquilea tomentosa Benth.

Pleragina odorata Arruda da Gama ex Koster

O oiti (nome científico: Licania tomentosa (Benth.) Fritsch),[1] também chamado goiti, oiti-da-praia, guaili, oiti cagão, oiti mirim, oitizeiro,[2] [3] tendo como sinônimo Moquilea tomentosa Benth, é uma árvore perenifólia brasileira arbórea da família Chrysobalanaceae proveniente da Mata Atlântica que decorre nos Estados do Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio de Janeiro.[4] O oiti pode atingir entre oito e quinze metros de altura, oferecendo áreas de sombra avantajadas e consequentemente criando um conforto bioclimático.[5] O oiti também é famigerado por nomes afamados, como por exemplo: goiti-iba, manga-da-praia, milho-cozido, oiti-cagão, oiticica, oitizeiro, entre outros.[6] Também apresenta algumas sinonímias fitológicas: Licania tomentosa var.angustifolia (Benth.) Cowan; Moquilea tomentosa Benth.; M. tomentosa var. angustifolia Hook.f.; M.tomentosa var. latifolia Hook.f. e Pleragina odorata Arruda. [6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Oiti" e "goiti" vêm do tupi uï'tï .[7]

Características[editar | editar código-fonte]

O fruto do Oiti

Espécie originária da Mata Atlântica,[2] popular nas áreas urbanas, é muito utilizada na arborização de várias cidades brasileiras do Nordeste e outras diversas regiões do país. Seu mastro tem madeira resistente, de enorme permanência, aconselhável para a construção civil, estacas, postes, dormentes, construções de paquetes e vários outros usos.[4] O seu fruto é uma drupa elipsoide ou fusiforme, de casca enrugada marrom escuro quando madura, com cerca de doze a dezesseis centímetros de comprimento e com caroço volumoso e oblongo. A polpa é doce, pastosa, "areiada" feito uma pinha, enjoativa. Apresenta coloração amarela atraente, e a polpa tem uma cor de ocre puxando para o amarelo fosco. A fachada do tronco tem pigmentação acinzentada e o caule (distância do solo às primeiras ramificações do tronco) é moderadamente curto em relação ao tamanho da copa. As infrutescências são distintas e ocorrem em tons de creme, parcialmente ocres.[8] Nos ciclos chuvosas e de temperatura estável, pintas foliares arredondados como meio claro, despreza seu valor paisagístico.[4] A mesma se dissemina através de sementes e possui grande eficácia de resistência a locais com excesso de monóxido de carbono expelido pelos veículos.[9]

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Ocorre naturalmente desde Pernambuco até o Norte do Espírito Santo e Vale do Rio Doce do estado de Minas Gerais, estando associada à floresta pluvial atlântica.[10] Ocorre similarmente em distintas estruturas florestais, harmonizando-se perfeitamente bem, nas áreas de clima mais elevado, assim como nas regiões Norte e Nordeste do Brasil .[4]

Fenologia[editar | editar código-fonte]

Em condições ambientais favoráveis, o oiti floresce de junho a agosto. Seus frutos amadurecem entre janeiro e março. No Nordeste encontramos frutos maduros de Janeiro a agosto.[3]

Usos[editar | editar código-fonte]

É muito usada na arborização urbana por sua copa frondosa, que dá ótima sombra, o que impacta positivamente sobre o meio urbano no período de verão. Também é capaz de ser admitida em reflorestamentos, regeneração de áreas deterioradas ou como bioindicadora. Esta particularidade proposta à algumas alterações foliares, podem viabilizar informações sobre a qualidade do ar em espaços urbanos. O oiti é eficiente também no biomonitoramento passivo.[11]As folhas são muito apreciadas pela fauna em geral. A sua madeira é de excelente propriedade para inúmeras práticas, como produção de postes, moirões, travessas e construções civis. Seus frutos são comestíveis, com amêndoas ricas em graxa. Algumas narrativas informam que o fruto lembra o paladar da manga.[6] A sua polpa seca pode ser manipulada como incremento de numerosos inténs alimentícios. [3]

Referências

  1. «PDF file from Editorial Manager». Consultado em 10 de julho de 2018. 
  2. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 218
  3. a b c «Oiti, Árvore, Madeira, Origem, Usos Oiti». www.portalsaofrancisco.com.br. Consultado em 12 de julho de 2018. 
  4. a b c d Almeida, Santana, Brioso, Caroline, João, Paulo (2016). «DETECÇÃO E IDENTIFICAÇÃO MOLECULAR DO AGENTE DA ANTRACNOSE DO OITI» (PDF). UFRRJ. Consultado em 10 de julho de 2018. 
  5. Melo de Souza, Felipe; Tolrino de Resende Veras, Antônio (10 de novembro de 2013). «CARACTERÍSTICAS E ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DO MUNICÍPIO DE ALTO ALEGRE/RR». Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades. 1 (2). ISSN 2318-8472. doi:10.17271/23188472122013448 
  6. a b c «Oiti {Licania tomentosa (Benth.) Fritsch}». www.aplantadavez.com.br. Consultado em 12 de julho de 2018. 
  7. «Goiti - Dicionário Ilustrado Tupi Guarani». Dicionário Ilustrado Tupi Guarani 
  8. «Oiti - Licania tomentosa - 1,2 metros». Instituto Brasileiro de Florestas. 23 de janeiro de 2015 
  9. «Oiti - Licania tomentosa - Jardineiro.net». Jardineiro.net 
  10. Ferreira, Francisco A.; Gasparotto, Luadir; Lima, Maria I. P. M. (2001). «Rust in Licania tomentosa caused by Phakopsora tomentosae in the State of Manaus, Brazil». Fitopatologia Brasileira. 26 (2): 206–208. ISSN 0100-4158. doi:10.1590/S0100-41582001000200016 
  11. Moraes, Verônica Aparecida Ferreira de (2 de junho de 2016). «BIOINDICADORES DE POLUIÇÃO NAS CIDADES DE ITAGUAÇU-GO E PARANAIGUARA-GO». Anais do XVIII Simpósio de Biologia. 1 (1) 

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Lorenzi, Harri: Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol. 1. Instituto Plantarum, Nova Odessa, SP, 2002, 4a. edição. ISBN 85-86174-16-X
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Oiti
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Oiti
Ícone de esboço Este artigo sobre a ordem Malpighiales, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.