Olivia Byington

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Olivia Byington
Nascimento 24 de dezembro de 1958 (59 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Filho(s) Gregório Duvivier
Ocupação cantora, guitarrista

Olivia Maria Lustosa Byington (Rio de Janeiro, 24 de dezembro de 1958) é uma cantora e violonista brasileira[1]

Olivia é cantora, compositora e escritora, irmã da atriz Bianca Byington e mãe do ator e escritor Gregório Duvivier.[2] Olívia é bisneta da filantropa Pérola Byington, e filha do psicanalista Jungiano Carlos Byington.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 15 anos iniciou sua carreira cantando jingles na Aquarius, empresa de Marcos Valle e Paulo Sergio Valle. Estudou violão, violino e teoria musical na PróArte. Em 1978 gravou seu primeiro disco com a Barca do Sol. A canção Lady Jane de Nando e Geraldo Carneiro foi hit nas rádios FM e Olivia foi considerada a melhor cantora de sua geração pelo então crítico de música de O Globo, Sergio Cabral.

Foi a Cuba participar do Festival de Varadero com Chico Buarque e voltou à ilha convidada por Silvio Rodriguez a gravar o disco Identidad pelo selo EGREM. Cantou com Tom Jobim e orquestra regida por Radamés Gnatalli na Sala Cecilia Meirelles quando o compositor ganhou o prêmio Shell na Musica Brasileira.

Com o pianista João Carlos Assis Brasil gravou um disco pela Sony music baseado no recital de piano e voz com repertório virtuosístico entre o erudito e o popular.

Seu CD A Dama do Encantado, um tributo à Aracy de Almeida e produzido por Mauricio Carrilho, foi sucesso de público e crítica em 1997.

Como compositora, gravou seu CD com parcerias com o poeta português Tiago Torres da Silva; o álbum foi lançado pela Biscoito Fino em 2007. Em seguida, escreveu e dirigiu seu show A Vida é Perto com estreia na Casa de Cultura Laura Alvim em 2007.

Em 2012 produziu a trilha da serie de programas As Cariocas e depois As Brasileiras para a TV Globo

Em 2012 produziu o primeiro CD de Clarice Falcão, Monomania lançado por sua empresa, Casa Byington.

Em 2016, lançou pela Editora Objetiva o livro O que é que ele tem, com a história do seu primeiro filho João Byington de Faria que nasceu com Síndrome de Apert[3].

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Casou-se em 1979 com o cineasta Miguel Faria Jr, com quem teve um filho, João[4].

Em 1984 casou-se com Edgar Duvivier com quem fez Melodia Sentimental e vários shows por Brasil Portugal e Itália. Com Edgar teve três filhos: Gregorio, Barbara e Theodora.

Em 2012 casou-se com o ator e diretor Daniel Filho.[5]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Olivia gravou discos pelos selos Continental, Som Livre, WEA, Sony Biscoito Fino, Egrem e Elenco.

  • (2009) A Vida é Perto • Biscoito Fino- DVD
  • (2009) Perto • Biscoito Fino-CD
  • (2007) Olivia Byington • Biscoito Fino- CD
  • (2007) Duetos II (Vários artistas) – participação • Biscoito Fino
  • (2003) Canção do amor demais • Biscoito Fino • CD
  • (1996) A Dama do Encantado • WEA • CD
  • (1989) Olivia Byington e João Carlos Assis Brasil• LP Sony
  • (1986) Melodia Sentimental • LP
  • (1984) Música • Elenco/Som Livre • LP
  • (1984) Encontro• Kuarup
  • (1982) Identidad • Egrem (Cuba)/Som Livre
  • (1980) Anjo vadio • Som Livre • LP
  • (1978) Corra o risco • Continental • LP

Referências

  1. Estadão (5 de Agosto de 2008). «Olivia Byington volta a São Paulo com show intimista». Consultado em 6 Junho de 2012. 
  2. O mundo de Gregorio Duvivier. Por Carlos Albuquerque. O Globo.
  3. «Olivia Byington escreve livro sobre o filho João, que tem síndrome rara». Folha de S.Paulo 
  4. «Olivia Byington conta como enfrenta a síndrome rara do filho | CLAUDIA». CLAUDIA 
  5. Ego Globo (21 de Janeiro de 2012). «Daniel Filho se casa com Olivia Byington no Rio». Consultado em 6 de Junho de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]