Proto-Terra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Proto-Terra é levemente determinada como sendo a Terra nos seus primeiros um bilhão de anos, ou giga-anos (Ga, 109y).[1] A "Proto-Terra" envolve aproximadamente o primeiro giga-ano na evolução do nosso planeta, desde sua formação inicial no jovem Sistema Solar a cerca de 4,55 Ga até por volta do eon Arqueano, a cerca de 3,5 Ga.[2] Na escala de tempo geológico, essa época envolve a totalidade do eon Hadeano (começando com a formação da Terra a cerca de 4,6 bilhões de anos[3]), como também o Eoarqueano (começando a cerca de 4 bilhões de anos) e parte do Paleoarqueano (começando a cerca 3,6 bilhões de anos), partes do eon Arqueano.

Este período na história da Terra envolveu a formação planetária a partir da nébula solar num processo conhecido como acreção. Este período incluiu um bombardeamento intenso por meteoritos, como também grandes impactos, incluindo o da formação da Lua, que resultou numa série de oceanos de magma e episódios de diferiensação planetária.[4] Após a formação do núcleo, a queda de materiais de meteoritos ou de cometas num "bombardeamento tardio" pode ter trazido água e outros compostos voláteis para a Terra.[5] Apesar de haver pouco material da crosta dessa época hoje em dia, a rocha mais antiga datada é um mineral de zirconita de 4.404 ± 0.008 Ga, fechado num conglomerado metamorfoseado de arenito em Jack Hills, Narryer Gneiss Terrane, Austrália Ocidental.[6] As rochas supracrustais mais antigas (como a Isua Greenstone Belt) datam da parte posterior deste período, a cerca de 3,8 gya, por volta da mesma época do pico do Intenso bombardeio tardio.

De acordo com evidência de datação radiométrica e outras fontes, a Terra se formou a cerca de 4,54 bilhões de anos.[7][8][9] Em seus primeiros bilhões de anos,[10] a vida apareceu em seus oceanos, passando a afetar sua atmosfera e superfície, promovendo a proliferação de organismos aerobióticos e anaeróbicos. Desde então, a combinação de sua distância até o Sol, propriedades físicas e história geológica, permitiram que a vida surgisse, desenvolvesse fotossíntese e posteriormente evoluísse e espalhasse. A mais antiga vida na Terra surgiu a pelo menos 3,5 bilhões de anos.[11][12][13] As primeiras evidências possíveis da vida incluem o grafite, que pode ter uma origem biogênica, em rochas metassedimentárias de 3,7 bilhões de anos descobertas no sudeste da Gronelândia[14] e grãos de zircônio de 4,1 bilhões de anos na Austrália Ocidental.[15][16]

Em novembro de 2020, uma equipe de cientistas internacionais publicaram estudos que sugerem a possibilidade da atmosfera primordial da Terra ter sido muito diferente do que as condições usadas nos estudos de Miller e Urey, que consideraram a origem da vida na Terra.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rankama, Kalervo (maio de 1967). «Megayear and Gigayear: Two Units of Geological Time». Nature (em inglês). 214 (5088): 634–634. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/214634a0 
  2. Vaclav Cilek, ed. (2009). «Early Earth». Earth System: History and Natural Variability Volume I. [S.l.]: Eolss Publishers. p. 98. ISBN 978-1-84826-104-4 
  3. «International Chronostratigraphic Chart 2015» (PDF). ICS. Consultado em 23 de janeiro de 2016 
  4. Carlson, Richard W.; Garnero, Edward; Harrison, T. Mark; Li, Jie; Manga, Michael; McDonough, William F.; Mukhopadhyay, Sujoy; Romanowicz, Barbara; Rubie, David (1 de janeiro de 2014). «How Did Early Earth Become Our Modern World?». Annual Review of Earth and Planetary Sciences. 42 (1): 151–178. Bibcode:2014AREPS..42..151C. doi:10.1146/annurev-earth-060313-055016 
  5. Drake, Michael J.; Righter, Kevin (7 de março de 2002). «Determining the composition of the Earth». Nature (em inglês). 416 (6876): 39–44. Bibcode:2002Natur.416...39D. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/416039a 
  6. Wilde, Simon A.; Valley, John W.; Peck, William H.; Graham, Colin M. (11 de janeiro de 2001). «Evidence from detrital zircons for the existence of continental crust and oceans on the Earth 4.4 Gyr ago : Abstract : Nature». Nature. 409 (6817): 175–178. Bibcode:2001Natur.409..175W. ISSN 0028-0836. PMID 11196637. doi:10.1038/35051550 
  7. «Age of the Earth». U.S. Geological Survey. 1997. Consultado em 10 de janeiro de 2006. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2005 
  8. Dalrymple, G. Brent (2001). «The age of the Earth in the twentieth century: a problem (mostly) solved». Special Publications, Geological Society of London. 190 (1): 205–221. Bibcode:2001GSLSP.190..205D. doi:10.1144/GSL.SP.2001.190.01.14 
  9. Manhesa, Gérard; Allègre, Claude J.; Dupréa, Bernard; Hamelin, Bruno (1980). «Lead isotope study of basic-ultrabasic layered complexes: Speculations about the age of the earth and primitive mantle characteristics». Earth and Planetary Science Letters. 47 (3): 370–382. Bibcode:1980E&PSL..47..370M. doi:10.1016/0012-821X(80)90024-2  Parâmetro desconhecido |name-list-style= ignorado (ajuda)
  10. See:
  11. Schopf, JW, Kudryavtsev, AB, Czaja, AD, and Tripathi, AB. (2007). Evidence of Archean life: Stromatolites and microfossils. Precambrian Research 158:141–155.
  12. Schopf, JW (2006). Fossil evidence of Archaean life. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci 29;361(1470) 869-85.
  13. Hamilton Raven, Peter; Brooks Johnson, George (2002). Biology. [S.l.]: McGraw-Hill Education. p. 68. ISBN 978-0-07-112261-0. Consultado em 7 de julho de 2013  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  14. Ohtomo, Yoko; Kakegawa, Takeshi; Ishida, Akizumi; et al. (janeiro de 2014). «Evidence for biogenic graphite in early Archaean Isua metasedimentary rocks». Nature Geoscience. 7 (1): 25–28. Bibcode:2014NatGe...7...25O. ISSN 1752-0894. doi:10.1038/ngeo2025 
  15. Borenstein, Seth (19 de outubro de 2015). «Hints of life on what was thought to be desolate early Earth». Excite. Yonkers, NY: Mindspark Interactive Network. Associated Press. Consultado em 20 de outubro de 2015 
  16. Bell, Elizabeth A.; Boehnike, Patrick; Harrison, T. Mark; et al. (19 de outubro de 2015). «Potentially biogenic carbon preserved in a 4.1 billion-year-old zircon» (PDF). Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 112 (47): 14518–21. Bibcode:2015PNAS..11214518B. ISSN 1091-6490. PMC 4664351Acessível livremente. PMID 26483481. doi:10.1073/pnas.1517557112. Consultado em 20 de outubro de 2015  Early edition, published online before print.
  17. Zurich, Eth (29 de novembro de 2020). «Uncovering Mysteries of Earth's Primeval Atmosphere 4.5 Billion Years Ago and the Emergence of Life». Consultado em 30 de novembro de 2020 

Ligação externa[editar | editar código-fonte]