Quim Barreiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde junho de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Quim Barreiros
Informação geral
Nome completo Joaquim de Magalhães Fernandes Barreiros
Nascimento 19 de junho de 1947 (71 anos)
Local de nascimento Vila Praia de Âncora, Caminha
País Portugal Portugal
Género(s) Música pimba, Folclore
Ocupação(ões) Cantor
Instrumento(s) Acordeão
Período em atividade 1971 - presente
Editora(s) Alvorada, Orfeu, Fénix, Discossete, CD7 Sonovox, Espacial
Página oficial http://www.quimbarreiros.pt

Joaquim de Magalhães Fernandes Barreiros, mais conhecido por Quim Barreiros[1], (Vila Praia de Âncora, 19 de Junho de 1947), é um cantor popular português que toca acordeão, conhecido por suas letras de duplo sentido.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Quim Barreiros nasceu em 19 de Junho de 1947 em Vila Praia de Âncora, concelho de Caminha, Distrito de Viana do Castelo.

Aos 9 anos já tocava bateria no conjunto de seu pai (Conjunto Alegria). Seu primeiro disco foi lançado em 1971, juntamente com o famoso guitarrista Jorge Fontes, quando apenas tocava acordeão e folclore minhoto. A sua fama estendeu-se já ao Brasil e à Galiza, e já actuou em quase todos os países onde existem comunidades de portugueses (Canadá, E.U.A., Venezuela, Brasil, África do Sul, França, Alemanha, Luxemburgo, Espanha, Inglaterra, Suíça, etc.).

Algumas das suas músicas mais conhecidas incluem "A Garagem da Vizinha" lançada em 2000, "A Cabritinha" lançada em 2004 ou "Bacalhau à Portuguesa" lançada em 1986.

A sua discografia, sobretudo a inicial, conta também com diversos álbuns compostos essencialmente por faixas instrumentais de acordeão e desgarradas.

Desde inícios da década de 1990 a presença de Quim Barreiros em festividades académicas (Queima das fitas[2], Semana Académica, Recepção aos caloiros, etc.) é extensa e intensa.

Em maio de 2007 lançou o álbum Use Álcool, no qual existe uma faixa ("O meu Netinho") em que canta para seu neto ,[3] abrindo ao público uma janela para um lado seu mais afetivo e sentimental, raramente visto no artista, visto as suas músicas de estilo brejeiro serem as que fazem maior sucesso. Outro exemplo é a faixa "Sem Abrigo (Menino de Rua)", do álbum "Deixai-me chutar", lançado em abril de 2013.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
    • 1971 - Quim Barreiros Acordeão
    • 1973 - Recebi um Convite
    • 1975 - O Malhão Não É Reaccionário
    • 1981 - Dance Com Quim Barreiros e o Super-Trio
    • 1986 - Bacalhau à Portuguesa
    • 1986 - Riacho da Pedreira
    • 1991 - CD D'Ouro
    • 1992 - O Sorveteiro (Chupa Teresa)
    • 1992 - Original (O Franguito da Maria)
    • 1993 - Insónia
    • 1993 - Deixa Botar Só a Cabeça (Acredita em Mim)
    • 1994 - Meu Dinossauro
    • 1994 - Mestre da Culinária
    • 1994 - Os 60 Maiores Êxitos
    • 1995 - Nunca Gastes Tudo
    • 1996 - Minha Vaca Louca/Melhor Dia Para Casar
    • 1997 - 15 Grandes Sucessos
    • 1998 - Marcha da Expo'98 (A Ultima do Milénio)
    • 1998 - Na Internet
    • 1998 - O Melhor dos Melhores
    • 1999 - Marcha do 3º Milénio
    • 2000 - A Garagem da Vizinha
    • 2001 - Comer, Comer
    • 2002 - Depois da Uma
    • 2002 - Cantares ao Desafio
    • 2003 - O Melhor de Quim Barreiros
    • 2003 - Na Tua Casa Tá Entrando Outro Macho
    • 2004 - A Cabritinha
    • 2004 - O Melhor de Quim Barreiros, Vol. 2
    • 2005 - Riacho da Pedreira (CD)
    • 2005 - O Ténis
    • 2006 - DVD - Quim Barreiros Live
    • 2006 - A Padaria
    • 2007 - Use Álcool
    • 2008 - Fui Acudir
    • 2008 - O Melhor de Quim Barreiros, Vol. 3
    • 2009 - O Peixe
    • 2010 - Deixai-me Chutar
    • 2011 - O Brioche da Sofia
    • 2012 - Dar ao Apito
    • 2013 - Mole Não Entra
    • 2014 - Caça-Asneiras
    • 2015 - O Pau caiu na panela
    • 2016 - Eu Faço 69
    • 2017 - O Zinho
    • 2018 - O Meu Refogado

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 9 de Janeiro de 2014.. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. Américo Sarmento (10 de maio de 2007). «Quim Barreiros levou estudantes ao delírio». Jornal de Notícias. Consultado em 17 de março de 2016. 
  3. «Catálogo - Detalhes do registo de "Use álcool"». Fonoteca Municipal de Lisboa. Consultado em 16 de março de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]