Quintana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Quintana (desambiguação).
Município de Quintana
Bandeira indisponível
Brasão de Quintana
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Aniversário 30 de novembro
Fundação 1 de dezembro de 1944 (74 anos)
Gentílico quintanense
Prefeito(a) José Nilton dos Santos (PV)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Quintana
Localização de Quintana em São Paulo
Quintana está localizado em: Brasil
Quintana
Localização de Quintana no Brasil
22° 04' 22" S 50° 18' 28" O22° 04' 22" S 50° 18' 28" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Marília IBGE/2008[1]
Microrregião Tupã IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Lutécia, Pompeia, Borá e Herculândia
Distância até a capital 495 km
Características geográficas
Área 319,759 km²
População 6 530 hab. Censo IBGE/2010[2]
Densidade 20,42 hab./km²
Altitude 595 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,741 elevado PNUD/2000[3]
PIB R$ 56 014,390 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 9 484,32 IBGE/2008[4]

Quintana é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º04'21" sul e a uma longitude 50º18'27" oeste, estando a uma altitude de 595 metros. Sua população estimada em 2004 era de 5.574 habitantes. Possui uma área de 320,62 km².

História[editar | editar código-fonte]

Quintana recebeu status de município pelo decreto-lei estadual nº 14334 de 30 de novembro de 1944, com território desmembrado do município de Pompeia.[5]

Em 1916, a Companhia Paulista de Estradas de Ferro elaborou um projeto para prolongamento de seus trilhos, (implantados cinco anos depois), a partir de Piratininga, em direção ao rio Paraná. Nessa época, em virtude das facilidades proporcionadas pela Ferrovia, muitas famílias adquiriram terras ao longo da faixa entre os rios do Peixe e Feio, tendo um grupo de povoadores aí adquirido em 1918, uma gleba, onde fixaram-se por volta de 1923, estabelecendo lavouras cafeeiras e a criação de gado vacum e suíno.

Destacaram-se entre os primeiros povoadores João Villadangos; Francisco Moreira Sobrinho; Sebastião Leme Soares; José Duarte Moreira; Fortunato da Cruz Campante e Daniel Ragazzi, entre outros que fundaram uma pequena povoação de rápido crescimento, principalmente após a migração nordestina que adquiriu pequenas áreas das que foram loteadas.

A capela erguida em louvor a São João foi inaugurada em 1936, e em 04 de janeiro de 1940 foi instalada a estação da Companhia Paulista, que seguindo sua tradição de nomear as localidades em ordem alfabética (Alba, Bauru, etc.), a denominou Quintana, devido ter-se iniciado em uma pequena propriedade, que os antigos denominavam de "quintal" ou "pequena quinta" (fazenda), evoluindo depois para o topônimo "quintana".

Como loteamento, que deu origem a Vila Santa Amélia, criado pela Sociedade Agrícola Resende ltda, grande número de casas foram construídas a fim de alojar os trabalhadores rurais que iam se empregar na fazenda de café da companhia.

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

Distrito criado com a denominação de Quintana, por Lei Estadual no 2642, de 15 de janeiro de 1936, no Município de Glicério.

Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, Quintana é Distrito judiciário do Município de Glicério.

Lei no 2891, de 04 de junho de 1937, transfere o Distrito de Quintana do município de Glicério para o de Marília.

No quadro anexo ao Decreto-lei Estadual no 9073, de 31 de março de 1938, o Distrito figura no Município de Marília.

Pelo Decreto-lei Estadual no 9775, de 30 de novembro de 1938, o Distrito de Quintana foi transferido do Município de Marília para o Município de Pompéia, onde figura em 1939-1943.

Elevado à categoria de município com a denominação de Quintana, por Decreto-lei Estadual no 14334, de 30 de novembro de 1944, desmembrado de Pompéia, com Sede na Vila do mesmo nome. Constituído do Distrito Sede. Sua instalação verificou-se no dia 01 de janeiro de 1945.

No quadro fixado, pelo referido Decreto-lei Estadual no 14334, para vigorar em 1945-1948, o município ficou composto do Distrito Sede e pertence ao têrmo e comarca de Pompéia permanece apenas com Distrito Sede, comarca de Pompéia.

No quadro fixado pela Lei Estadual no 233, de 24-XII-1948 para 1949-1953, o município é constituído de 2 Distritos: Quintana e Pontana, pela Lei Estadual no 2456, de 30-XII-1953 que fixou o quadro territorial para 1954-1958, comarca de Pompéia.

Lei Estadual no 5285, de 18 de fevereiro de 1959, o Distrito de Pontana por extinto, indo seu território incorporado ao Distrito de Quintana. Pelo Acórdão do Supremo Tribunal Federal.

Em divisão territorial datada de 01-VII-1960, o município é constituído do Distrito Sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1999.[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Densidade demográfica (hab./km²): 17,02

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 22,65

Expectativa de vida (anos): 69,96

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,06

Taxa de alfabetização: 85, 44%

Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]: 98,1 [7]

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,741

  • IDH-M Renda: 0,670
  • IDH-M Longevidade: 0,716
  • IDH-M Educação: 0,836

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[8], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[9], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[10] para suas operações de telefonia fixa.

Administração[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  5. «Quintana São Paulo - SP Histórico» (PDF). IBGE. 1 de dezembro de 2010. Consultado em 9 de abril de 2013 
  6. RÁDIO QUINTANA WEB DO BRASIL
  7. «https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/quintana/panorama». cidades.ibge.gov.br. Consultado em 25 de setembro de 2018  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  8. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  9. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  10. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]