Rodion Românovitch Raskólnikov

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Raskólnikov)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rodion Românovitch Raskólnikov
Personagem fictícia de Crime e Castigo
Outro(s) nome(s) Ródia, Rodka
Sexo Masculino
Características ex-estudante de Direito, é um sujeito sem dinheiro
Criado por Fiódor Dostoiévski

Rodion Românovitch Raskólnikov (original em russo: Родион Романович Раскольников) é o personagem principal do livro Crime e Castigo de Dostoiévski, publicado em 1866. Ele também é referido no romance pelo dimunutivo de seu primeiro nome, Ródia ou Rodka. O nome Raskólnikov, o mais usado na narrativa, provém da palavra raskolnik que significa "cisão" ou "cisma", caracterizando o personagem como cindido e atormentado. Raskolnikóv é um jovem ex-estudante vivendo em extrema miséria na cidade de São Petersburgo, Rússia. Muitos dos outros personagens o consideram muito inteligente, e o próprio Raskólnikov às vezes se considera um gênio. Ele mora em um pequeno quarto alugado, que, alega ele, agrava a sua depressão. Dorme em um divã, usando roupas velhas como travesseiro e não come muito, somente quando Nastácia (criada da senhoria do prédio) trazia-lhe algo, ou nas raras situaçoes em que Rodka saia pra comer em bodegas e tavernas.

Abalado tanto emocional quanto financeiramente, também tem grandes dificuldades sociais e é frequentemente neurótico com pequenas coisas, como multidões. Raskólnikov flutua entre os extremos do altruísmo e da apatia. Dostoiévski o descreve como possuidor de "delicadas feições".

Ele mata uma velha usurária a machadadas, com a intenção de usar o seu dinheiro para boas causas, baseado numa teoria que ele mesmo desenvolveu. Raskólnikov acreditava que as pessoas estavam divididas entre "ordinárias" e "extraordinárias": as ordinárias deviam viver na obediência e não tinham o direito de transgredir as leis, ao passo de que as extraordinárias (notadamente Napoleão) tinham o direito, não declarado, de cometer crimes e de violar leis, desde que suas intenções, se fossem úteis à humanidade como um todo, o exigirem. Ele pensou sobre sua própria teoria por meses, até mesmo escrevendo um artigo em um jornal de uma universidade sobre o assunto. Ele acredita ser uma dessas pessoas extraordinárias e se permite cometer o crime. Seu plano, porém, falha: atormentado pela angústia do homicídio, Raskólnikov começa a ceder à tentação de confessar-se, traçando os primeiros passos rumo à loucura expiatória.

Sua crença de que é um homem extraordinário se extingue, e ele acaba por confessar o crime a uma prostituta, Sónia Siemionovna Marmiéladova, que o orienta a se entregar e admitir o crime. Raskólnikov, então, é condenado ao exílio na Sibéria, acompanhado por Sónia, onde começa sua reabilitação mental e espiritual.

Esta personagem demonstra a tendência existencialista de Dostoiévski, uma vez que é a personagem que define a sua vivência, o seu futuro, optando por abandonar a sua teoria e optar por uma via espiritual, o refúgio na Religião Cristã Ortodoxa.

Cinema[editar | editar código-fonte]

No Cinema, Raskolnikov foi retratado pela primeira vez por Gregori Chmara na adaptação Raskolnikov, dirigido por Robert Wiene (1923). Ele foi retratado por Peter Lorre na Versão cinematográfica de Hollywood (1935); por John Hurt em 1979 na minissérie BBC; por Patrick Dempsey em um filme de televisão em 1998; e por John Simm (2002) e Crispin Glover (2002). O personagem de Michel em Batedor de carteiras (1959), de Robert Bresson, é baseado em Raskolnikov. Paul Schrader, que escreveu Taxi Driver (1976), por sua vez, foi inspirado pelo personagem Michel de Bresson para criar Travis Bickle, o anti-herói de Robert De Niro.[1] O drama-thriller Irrational Man, de 2015 também foi inspirado em "Crime e Castigo", com o protagonista Abe Lucas (Joaquin Phoenix) como seu personagem inspirado em Raskolnikov.[2]

Referências

  1. Johnston, Sheila (22 de abril de 2018). «Film-makers on film: Paul Schrader». The Telegraph. London, England: Telegraph Media Group. Consultado em 16 de julho de 2018 
  2. Diamond, Stephen A. (17 de agosto de 2015). «"Irrational Man" Review: Woody Allen's Existentialism 101». Psychology Today. New York City: Sussex Publishers. Consultado em 16 de julho de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma personagem de ficção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.