São Quirino de Neuss

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Quirino
São Quirino e Santa Balbina, sua filha.
Nascimento  em Roma(provavelmente)
Morte 116 ou 117? em Roma
Veneração por Igreja Católica
Principal templo Neuss
Festa litúrgica 30 de março;[1] 30 de abril
Atribuições roupa militar; cavaleiro com lança, espada, falcão; bandeira ou flâmula com nove bolas.[2]
Padroeiro Neuss, Alemanha; Correggio, Itália; invocado contra a peste bubônica, varíola e gota; doenças relacionadas às pernas, pés e orelhas; paralisias; úlceras; doenças de pele; bócio; doenças que afetam o gado bovino e equino;[1] padroeiro dos animais;[3] padroeiro dos cavaleiros e soldados.[4]
Gloriole.svg Portal dos Santos

São Quirino de Neuss (em alemão: Quirin, Quirinus), por vezes chamado de São Quirino de Roma (nome que ele partilha com outro mártir), ou apenas São Quirino, ou São Cirino, é venerado como mártir e santo tanto pela Igreja Católica quanto pela Igreja Ortodoxa. Seu culto tinha como centro a cidade de Neuss, na Alemanha, embora tenha sido um mártir romano.

De acordo com a Catholic Encyclopedia, um mártir romano chamado Quirino teria sido enterrado na catacumba de Prætextatus, na Via Ápia. O Martyrologium Hieronymianum[5] menciona o nome de Quirino e o local onde estaria enterrado. Os Itinerários das sepulturas dos mártires romanos[6] também mencionam estas informações.[7]

O Martyrologium Hieronymianum o comemora no dia 30 de abril, data que aparece no catálogo de mártires romanos do século IV.[7]

Lenda[editar | editar código-fonte]

Quirino é introduzido nos lendários Atos dos Santos Alexandre e Balbina, onde é descrito como um tribuno romano.[8] Teria sido decapitado em 116. Outras lendas afirmam que seria um tribuno romano responsável por ter executado Alexandre, Evêncio e Teodolo, presos por ordem do imperador romano Trajano.[3] Quirino se converte então ao cristianismo, depois de testemunhar milagres sendo executados por estes três santos, e é batizado, juntamente com sua filha, Balbina.[3] Sofreu o martírio em 30 de março, quando foi decapitado e enterrado na catacumba de Prætextatus, na Via Ápia.

Culto[editar | editar código-fonte]

Relicário contendo os restos de Quirino, em Neuss.

Ado, arcebispo de Vienne, na Lotaríngia, colocou o nome do santo em sua Martiriologia, sob a data 30 de março, data em que também é encontrado na Martiriologia Romana[9] Para o dia 30 de abril, a Martiriologia Romana declara: “Item Romae in coemetério Praetextáti via Appia, sancti Quirini mártyris, qui tribúnus confessiónem fídei martyrio coronávit.”[3]

De acordo com um documento de Colônia que data de 1485, o corpo de Quirino teria sido doado em 1050 pelo Papa Leão IX a uma abadessa de Neuss chamada Gepa (que também é chamada de "uma irmã do papa").[3] Desta maneira as relíquias chegaram até à Igreja de São Quirino (Quirinus-Münster), de estilo romanesco, em Neuss. Uma estátua de Quirino localiza-se no topo do edifício, que Jean-Baptiste Bernadotte tentou saquear durante as Guerras Napoleônicas.[10]

Os habitantes da cidade oraram a ele por ajuda durante o cerco de Neuss feito por Carlos, o Audaz, ocorrido entre 1474 e 1475.[1][3] Seu culto se espalhou a Colônia, à Alsácia, Escandinávia, Alemanha ocidental, Países Baixos e Itália, onde se tornou o santo padroeiro de Correggio.[3] Diversas fontes e nascentes foram dedicadas a ele, e foi invocado durante epidemias de peste bubônica, varíola e gota; também é considerado um padroeiro dos animais.[3] Peregrinos que visitam Neuss costumam procurar a Quirinuswasser ("água de Quirino"), da Quirinusbrunnen ("fonte de Quirino").[10]

Um ditado popular entre os fazendeiros de Neuss relacionado ao dia de São Quirino, em 30 de março, diz "Wie der Quirin, so der Sommer" ("Assim como [o dia de São] Quirino se vai, também se vai o verão").[1]

Juntamente com Huberto, Cornélio e Antônio, é venerado como um dos Quatro Marechais Sagrados ('Vier Marschälle Gottes) na região da Renânia.[1][11][12] Retratos de São Quirino e São Valentim aparecem no topo do recto das Crônicas de Nuremberg (Folio CXXII [Genebra]).[13]

Referências

  1. a b c d e Quirinus von Rom (von Neuss) - Ökumenisches Heiligenlexikon
  2. Nove em referência a uma interpretação latina do nome de Neuss, Novesia, de novem, "nove".
  3. a b c d e f g h San Quirino - Santiebeati.it
  4. Kleidung - Filzkappe - Diu Minnezît
  5. ed. De Rossi-Duchesne, 52
  6. Giovanni Battista de Rossi, "Roma sotterranea", I, 180-1
  7. a b Sts. Quirinus - Catholic Encyclopedia
  8. Dufourcq, loc. cit., 175.
  9. Quentin, "Les martyrologes historiques", 490.
  10. a b QUIRINUS von Neuss
  11. marschaelle
  12. Die Kapelle
  13. Lot Detail - Old World Auctions

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bader, Walter. St Quirinus zu Neuss. 1955
  • Dufourc, Albert. Étude sur les Gesta martyrum romains, Volume 83, Edição 1. Bibliothèque des écoles françaises d'Athènes et de Rome. A. Fontemoing, 1900
  • Quentin, Henri. Les martyrologes historiques du moyen age: étude sur la formation du Martyrologe Romain. Paris: Librair̀ie Victor Lecoffre, 1908
  • Tauch. Max. Quirinus von Neuss. 2000, ISBN 3-8790-9692-9
  • Wessels, Helmut. Neuss und St. Quirin zu Fuß. 2004, ISBN 3-761-61801-8, Engl. ISBN 3-761-61956-1)
  • Wimmer, Erich. Qurinus von Neuss. in Lexikon für Theologie und Kirche (LThK) Bd. 8

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.