Sebastian Kurz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sebastian Kurz
Chanceler da Áustria
Período 18 de dezembro de 2017
até a atualidade
Presidente Alexander van der Bellen
Antecessor(a) Christian Kern
Ministro das Relações Exteriores
Período 16 de dezembro de 2013
até 18 de dezembro de 2017
Chanceler Werner Faymann
Christian Kern
Antecessor(a) Michael Spindelegger
Sucessor(a) Karin Kneissl
Presidente do Partido Popular Austríaco
Período 1 de julho de 2017
até a atualidade
Antecessor(a) Reinhold Mitterlehner
Dados pessoais
Nascimento 27 de agosto de 1986 (32 anos)
Áustria Viena, Áustria
Nacionalidade austríaco
Primeira-dama Susanne Thier[1]
Partido Partido Popular Austríaco
Religião Católico Romano
Profissão Político
Diplomata
Assinatura Assinatura de Sebastian Kurz

Sebastian Kurz (Viena, 27 de agosto de 1986) é um político austríaco do partido democrata-cristãoconservador, Partido Popular Austríaco (ÖVP) e chanceler da Áustria desde dezembro de 2017.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Kurz nasceu em Viena, filho único de pais católicos Josef e Elisabeth Kurz. Seu pai é engenheiro e sua mãe é professora de gramática. Sua avó materna, Magdalena Müller - nascida em 1928, Temerin, Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, hoje Vojvodina,Sérvia) - que era um dos Suábios do Danúbio que fugiu da cidade e se estabeleceu em Zogelsdorf (hoje na Áustria) durante a Segunda Guerra Mundial. Partisans iugoslavos e do Exército Vermelho começaram a ocupar o território que fazia parte do Reino da Hungria. Ele foi criado no distrito de Meidling, onde ainda vive. Em 2004, completou o serviço militar obrigatório e, em seguida, começou a estudar direito na Universidade de Viena em 2005, mas depois desistiu de se concentrar em sua carreira política.

Juventude do partido popular da Áustria e Conselho Nacional[editar | editar código-fonte]

Em 2009, Kurz foi eleito presidente da juventude do Partido Popular Austríaco. Entre 2010 e 2011, ele foi membro do conselho da cidade de Viena, onde se concentrou na igualdade geracional e na garantia de pensões. Em abril de 2011, ele foi nomeado para o recém-criado cargo de Secretário de Estado da Integração (parte do Ministério do Interior).

Nas eleições gerais de 2013, Kurz foi eleito como membro do Conselho Nacional, ganhando os votos mais diretos de qualquer membro nas eleições.

Ministro das Relações Exteriores da Áustria (2013–2017)[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2013, Kurz tornou-se ministro das Relações Exteriores da Áustria, cuja carteira a seu pedido foi ampliada para incluir a integração social. Na época de sua posse, Kurz era o mais jovem ministro do governo da Áustria desde a fundação da república e o mais jovem ministro das Relações Exteriores do mundo.

Sua primeira viagem ao exterior foi a Croácia, marcando o contínuo apoio austríaco à adesão do país à União Européia. Em fevereiro de 2014, ele recebeu a primeira de várias rodadas de negociações sobre o programa nuclear do Irã em Viena, fortalecendo a posição da Áustria como um lugar de diálogo.

As negociações foram concluídas com sucesso em 14 de julho de 2015, quando o Plano de Ação Integral Conjunto foi assinado pelo Irã, pelo P5 + 1 e pela União Européia. Após a assinatura, Kurz disse estar satisfeito com o resultado das negociações com o Irã e expressou sua esperança de que “o Acordo de Viena atue como um catalisador para as ambições globais de desarmamento nuclear”.

Durante seu primeiro ano no cargo, Kurz presidiu o Comitê de Ministros do Conselho da Europa até maio de 2014. Em maio de 2014, como presidente do Comitê de Ministros do Conselho da Europa, Sebastian Kurz convidou 30 ministros de Relações Exteriores, entre eles O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, e seu colega ucraniano, Andrii Deshchytsia, a Viena, para negociar soluções para acabar com a crise ucraniana.

Como parte da Iniciativa Humanitária, Kurz sediou a Conferência de Viena sobre o Impacto Humanitário das Armas Nucleares no final de 2014. Seguindo a sua proposta, Viena mais tarde sediou as negociações que levaram ao Plano Global de Ação Conjunta para o programa nuclear do Irã em 2015. Em novembro de 2014, Sebastian Kurz foi nomeado para liderar os ministros de Relações Exteriores do Partido Popular Europeu em conjunto com Elmar. Brok, presidente da Comissão dos Assuntos Externos no PE

No decurso da crise dos migrantes europeus em 2015, Kurz apelou a um controlo mais eficaz das fronteiras externas da União Europeia e apresentou um plano de 50 pontos para a integração, com especial ênfase nas áreas da língua e educação, trabalho e emprego. mercado, Estado de Direito e valores.

Em 2015, ele propôs uma nova lei que proíbe o financiamento estrangeiro de mesquitas ou o pagamento de salários de imãs e a regulamentação da versão do Alcorão que pode ser usada na Áustria. A lei fornece aos muçulmanos direitos adicionais, como o direito à alimentação halal e o cuidado pastoral nas forças armadas. Kurz disse que as mudanças pretendiam "combater claramente" a influência do islamismo radical na Áustria. A lei aprovada pelo parlamento austríaco em fevereiro de 2015 não exigia uma versão autorizada do Alcorão.

Em meio ao expurgo do governo turco contra membros de seu próprio serviço civil e militar em reação a um golpe de estado fracassado em julho de 2016, Kurz convocou o embaixador da Turquia para explicar as ligações de Ancara com manifestações de milhares de pessoas na Áustria em apoio ao presidente turco Recep Tayyip Erdoğan.

Serviu como Ministro dos Negócios Estrangeiros de 2013 até dezembro de 2017, e é o líder do Partido Popular Austríaco desde 2017. [2]

Durante a crise migratória na Europa em 2015, Sebastian Kurz afirmou a necessidade de maiores contrôles fronteiriços e apresentou um plano de integração para as áreas da aprendizagem do idioma, do mercado de trabalho, e da lei e dos valores.[3][4] Ainda em 2015, propôs uma nova legislação, proibindo a fundação de mesquitas pagas pelo estrangeiro, e regulando a versão do Alcorão que poderia ser usada na Áustria. Igualmente propunha mais direitos para a comunidade muçulmana, aceitando a dieta islâmica (halal) e permitindo a assistência espiritual islâmica nas forças armadas.[5][6] Dentro da União Europeia, pugna pelo fim das negociações de adesão com a Turquia.[7]

Chanceler da Áustria[editar | editar código-fonte]

No dia 18 de dezembro de 2017, assumiu o cargo de Chanceler da Áustria, tornando-se, aos 31 anos, o chefe de governo mais jovem da atualidade e da história da Áustria. O partido de Kurz ganhou uma pluralidade de assentos na eleição legislativa de 2017. Em 20 de outubro, o presidente Alexander van der Bellen pediu oficialmente a Kurz que fizesse sugestões sobre a formação de um novo governo. Em 18 de dezembro, o novo governo de coalizão tomou posse com Sebastian Kurz como chanceler e Heinz-Christian Strache, presidente do Partido da Liberdade, como vice-chanceler da Áustria. O Chanceler Kurz aproximou a Áustria, em muitos aspectos, do Grupo Visegrád (V4), particularmente dos governos populistas eurocéptico e de direita de Mateusz Morawiecki na Polónia, Viktor Orbán na Hungria e Andrej Babiš na República Checa. Apesar de ter descartado a adesão da Áustria ao bloco das nações da Europa Central, Kurz disse que a Áustria poderia servir como uma ponte entre as nações da Europa Ocidental e Central dentro da União Européia. Seu governo realizou várias convergências com Visegrad, especificamente sua forte oposição ao sistema de cotas para solicitantes de refúgio.


Referências

  1. «Sie will keine Brigitte Macron sein». Süddeutsche Zeitung. 16 de outubro de 2017 
  2. «Sebastian Kurz» (em alemão). Parlamento da Áustria. Consultado em 14 de outubro de 2017. 
  3. «EU refugee policy helps people smugglers, says Austria». Financial Times. 4 de novembro de 2015 
  4. «50 points towards successful integration». Austrian Federal Ministry for Europe, Integration and Foreign Affairs. 19 de novembro de 2015 
  5. Muslims in this country allowed only German language Qurans, Reuters, 28 de fevereiro de 2015 – via India Today 
  6. Elahe Izadi (26 de fevereiro de 2015), «Austria is taking controversial steps to tighten a 100-year-old 'Law on Islam'», The Washington Post 
  7. http://www.lemonde.fr/europe/article/2017/05/15/l-autriche-se-dirige-vers-des-legislatives-anticipees_5127762_3214.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]