Superliga Brasileira de Voleibol Feminino de 2019–20 - Série A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Superliga Brasileira de Voleibol Feminino de 2019–20 - Série A será a 26ª edição desta competição organizada pela Confederação Brasileira de Voleibol através da Unidade de Competições Nacionais. Também será a 42ª edição do Campeonato Brasileiro de Voleibol Feminino, a principal competição entre clubes de voleibol feminino do Brasil.


Regulamento[editar | editar código-fonte]

A fase classificatória da competição será disputada por doze equipes em dois turnos. Em cada turno, todos os times jogarão entre si uma única vez. Os jogos do segundo turno serão realizados na mesma ordem do primeiro, apenas com o mando de quadra invertido.

Os oito clubes primeiros colocados se classificam para os play-offs. Nesta fase, a vitória por 3-0 ou 3-1 garante três pontos para o ganhador e nenhum ponto para o perdedor. Já com o placar de 3-2, o ganhador da partida soma dois pontos e o perdedor um. Os dois últimos colocados serão rebaixados para a Série B 2020.

Na seguinte ordem serão os critérios de desempate:número de vitórias,sets average, pontos average; confronto direto (no caso de empate entre duas equipes) e por último sorteio. Os play-offs serão divididos em três fases - quartas-de-final, semi-finais e final.

Nas quartas-de-final haverá um cruzamento entre as equipes com os melhores índices técnicos seguindo a lógica: 1ª x 8ª (A); 2ª x 7ª(B); 3ª x 6ª(C) e 4ª x 5ª(D). Estas jogarão partidas em melhor de 3 (jogos), sendo um mando de campo para cada e o jogo de desempate, caso necessário, no ginásio da equipe com o melhor índice técnico da fase classificatória.

As semifinais serão disputadas pelas equipes que passaram das quartas-de-final, seguindo a lógica: vencedora do duelo A x vencedora do duelo D; vencedora do duelo B x vencedora do duelo C. Estas jogarão novamente partidas em melhor de 3 (jogos), sendo um mando de campo para cada e o jogo de desempate, caso necessário, no ginásio da equipe com o melhor índice técnico da fase classificatória.

As vencedoras se classificam para a final, que será por melhor de 3 jogos no estado do primeiro colocado da fase classificatória. A terceira e a quarta colocações foram definidas pelo melhor índice técnico da fase classificatória.

Os sets do torneio foram disputados até 25 pontos com a diferença mínima de dois pontos (com exceção do quinto set, que foi vencido pela equipe que fizesse 15 pontos com pelo menos dois de diferença). Ocorreram paradas técnicas no 8º e no 16º pontos da equipe que primeiro os alcançaram.

Equipes participantes[editar | editar código-fonte]

Doze equipes disputam o título da Superliga Feminina de 2019/2020- Série A. São elas:[1]

Equipe Cidade Em 2018-19 Ginásio Capacidade Títulos
Localização das equipes participantes da Superliga Feminina 2019-20 - Série A.
Rio de Janeiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro 5º (SL - A) Tijuca Tênis Clube/Jeunesse Arena 3 000

12 000

12
Curitiba Vôlei Paraná Curitiba 8º (SL - A) Ginásio Clube Curitibano 800 0
Osasco São Paulo Osasco 3º (SL - A) José Liberatti 4 500 5
Praia Clube Minas Gerais Uberlândia 2º (SL - A) Arena Praia 3 000 1
Pinheiros São Paulo São Paulo 9º (SL - A) Henrique Villaboim 1 100 0
São Caetano São Paulo São Caetano do Sul 10º (SL - A) Lauro Gomes 5 000 1
Flamengo Rio de Janeiro Rio de Janeiro 2º (SL - B) Maracanazinho 12 000 0
Fluminense Rio de Janeiro Rio de Janeiro 7º (SL - A) Ginásio da Hebraica 1 000 2
Minas Minas Gerais Belo Horizonte 1º (SL - A) Arena Minas 3 650 3
Valinhos São Paulo Valinhos 1º (SL - B) Pedro Ezequiel 3 500 0
Vôlei Bauru São Paulo Bauru 4º (SL - A) Panela de Pressão 2 000 0
Barueri São Paulo Barueri 6º (SL - A) José Corrêa 5 000 0
  1. «SUPERLIGA - 2019/2020 REGULAMENTO OFICIAL» (PDF). CBV. Consultado em 11 de setembro de 2019