Treponema pallidum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTreponema pallidum
TreponemaPallidum.jpg

Classificação científica
Reino: Monera
Filo: Spirochaetes
Classe: Spirochaetes
Ordem: Spirochaetales
Família: Treponemataceae
Género: Treponema
Espécie: T. pallidum
Nome binomial
Treponema pallidum
Sub-espécies
Ver texto.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Treponema pallidum

Treponema pallidum é uma espécie de bactérias gram-negativas com forma espiral do grupo das espiroquetas, que causam doenças como sífilis, bejel, pinta e bouba. É anaeróbia facultativa e catalase negativa. Possui de 6 a 14 espirais espaçados e regulares, diminuindo de amplitude e de periodicidade ao nível das extremidades, 6 a 10 filamentos axiais e 1 disco de inserção. Tem cerca de 10 micrômetros de comprimento, com apenas 0,2 micrômetros de largura. Move-se ao longo do seu eixo longitudinal, com movimentos tipo "saca-rolhas".[1].

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Não é cultivável in vitro, sendo extremamente sensível à variações de temperatura, umidade e desinfectantes.

Sub-espécies[editar | editar código-fonte]

Manifestação secundária da sífilis causada pela bactéria Treponema pallidum

O Treponema pallidum possui 5 sub-espécies[2]:

  • T. pallidum pallidum (agente causador da sífilis epidêmica)
  • T. pallidum pertenue (agente causador da bouba)
  • T. pallidum carateum (agente causador da pinta)
  • T. pallidum trirocllium (também causa pinta)
  • T. pallidum endemicum (agente causador de bejel ou sífilis endêmica)

Factores de virulência[editar | editar código-fonte]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Na fase inicial as bactérias podem ser identificadas vivas e móveis com a iluminação de campo escuro (microscopia de fluorescência).[3]

Nas fases tardias da sífilis existem muito poucos microrganismos, pelo que os métodos de diagnóstico devem ser preferencialmente indiretos, recorrendo à sorologia para a pesquisa de anticorpos anti-treponémicos. A prova de floculação mais utilizada é o VDRL) e a reação de fixação de complemento mais utilizada é a reação de Wassermann.[3]

Referências

  1. Mendes, CAF (2005). 156 Perguntas e Respostas em Microbiologia Clínica. [S.l.]: SARVIER. 63 páginas. ISBN 85-7378-161-0 
  2. http://biomarker.cdc.go.kr/biomarker/pathogen/pathogen_view_en.jsp?pclass=1&id=52
  3. a b http://www.medicinageriatrica.com.br/tag/treponema-pallidum/