Virgínia Vitorino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Virgínia Vitorino
Nascimento 13 de agosto de 1895
Alcobaça, Portugal
Morte 1967 (72 anos)
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Professora, poeta e dramaturga
Prémios Prémio Gil Vicente

Virgínia Vitorino, batizada Virgínia Victorino (Alcobaça, 13 de Agosto de 18951967) foi uma professora, poeta e dramaturga portuguesa.

Cursou Filologia Românica, na Faculdade de Letras de Lisboa, e frequentou a Escola de Música do Conservatório Nacional, onde estudou piano, canto, harmonia e aprendeu a língua italiana.

Professora do ensino liceal, trabalhou também na Emissora Nacional onde dirigiu diversas peças de teatro radiofónico, foi autora de três livros de poesia e de seis peças de teatro, todas representadas pela prestigiada companhia de teatro de Amélia Rey Colaço e Robles Monteiro, sediada no Teatro D. Maria II.

A sua obra Namorados (1918) foi editada 14 vezes. A peça Camaradas valeu-lhe o prémio Gil Vicente do Secretariado Nacional de Informação. Depois, foi agraciada pelo Governo Português com o grau de oficial da Ordem de Cristo, em 1929, e com a comenda da Ordem de Santiago, em 1932. Do Governo Espanhol recebeu a Cruz de D. Afonso XII, em 1930.

Com vasta colaboração em jornais e revistas portuguesas e brasileiras, esteve no Brasil a convite de Getúlio Vargas, por volta de 1937.

Retratada, entre outros, por Eduardo Malta e Teixeira Lopes, e mais recentemente por José Paulo Ferro e Manuela Pinheiro; Almada Negreiros colaborou com ela na ilustração de capas de alguns dos seus livros.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Namorados (1920)
  • Apaixonadamente (1923)
  • Renúncia (1926)
  • Degredados: peça em 3 actos (1931)
  • A volta : peça em 3 actos (1932)
  • Fascinação : peça em 3 actos (1933)
  • Manuela : peça em 3 actos e 4 quadros (1934)
  • Camaradas : peça em 3 actos (1938)
  • Vendaval : peça em 3 actos (1942)