Al-Walid I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arrows-move.svg
Em 22 de junho de 2014 foi proposta a renomeação deste artigo para Ualide I. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: forma presente em dicionário de arabismos
Al-Walid I
Califa Omíada
  Expansão durante a vida do Profeta Maomé, 622-632
  Expansão durante o período dos três primeiros califas, 632-661
  Expansão durante o Califado Omíada, 661-750
Governo
Reinado 705-715
Antecessor Abd al-Malik
Sucessor Sulayman
Casa Real Banu Abd Shams
Dinastia Omíadas
Vida
Nome completo Al-Walid ibn Abd al-Malik
Nascimento 668
Morte 715 (47 anos)
Pai Abd al-Malik

Ualide I ou Al-Walid ibn Abd al-Malik (em árabe: الوليد بن عبد الملك) ou Al-Walid I (668 - 715) foi o califa omíada que reinou entre 705 e 715 d.C. (86-96 AH). Al-Walid era filho de Abd al-Malik ibn Marwan e sua esposa, que era de Najd, na região central da península Arábica. Al Walid continuou a expansão do império islâmico iniciada por seu pai e foi um governante competente. Ele era conhecido por sua piedade pessoal e se contam muitas histórias sobre a sua constante recitação do Corão e as grandes festas que ele oferecia aos que estavam jejuando durante o Ramadã. Ele era casado com Umm Banin bint Abdul Aziz ibn Marwan ibn Hakam.

Ele jurou obediência ao pai por toda a vida[1] e, por isso, a sucessão de Al-Walid I não foi contestada. Ele foi sucedido por seu irmão Sulayman e foi enterrado no cemitério Bab al-Saghir em Damasco, onde está o seu túmulo até hoje.

Campanhas militares[editar | editar código-fonte]

Al-Walid I reconquistou partes do Egito do Império Bizantino, atacando Cartago e a parte ocidental do Norte da África. Em 711, os exércitos islâmicos cruzaram o Estreito de Gibraltar e começaram a conquista da península Ibérica com o apoio de contingentes berberes. Em 716, os visigodos da Ibéria já haviam sido derrotados e toda a região caiu sob controle muçulmano. Esta seria a maior expansão do controle do Islã na Europa (em 732, ele foram derrotados na Batalha de Tours pelos exércitos francos de Carlos Martel). No oriente, os exércitos islâmicos chegaram até o rio Indo em 712.

O principal comandante militar da época era Al-Hajjaj bin Yousef e Al-Walid deu grande atenção à organização militar dos exércitos omíadas, construindo uma grande marinha para apoiar as suas incursões militares. Como seu pai, al-Walid continuou dando grande liberdade a al-Hajjaj, o que resultou na conquista de Transoxiana e Sindh. Al-Hajjaj foi também responsável por escolher os generais que lideraram as vitoriosas campanhas no oriente e era muito famoso pelo papel que teve na derrota de Ibn Zubayr no reinado do pai de al-Walid. Assim, Musa ibn Nusayr e Tárique conquistaram Al Andalus e o irmão do califa, Salamah, lutou contra os bizantinos e conquistou o Azerbaijão.

Muhammad ibn Jarir al-Tabari descreve como Qutayba ibn Muslim, o governador do Grande Coração, liderou campanhas durante todo o período, conquistando Samarcanda, avançando na região de Fergana e enviando mensageiros à China[2] . Ele também relata como al-Hajjaj torturou Yazid ibn al-Muhallab, que conseguiu escapar e se refugiou com o irmão de al-Walid, Sulayman. Al-Hajjaj pressionou o califa sobre o assunto e ele ordenou ao irmão que retornasse Yazid para a prisão. Sulayman então acorrentou seu próprio filho a Yazid e os enviou até al-Walid para suplicar pela vida do prisioneiro. O califa aceitou a súplica e pediu a al-Hajjaj que desistisse de sua perseguição[3] .

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Em 691, Abd al-Malik ordenou a construção do Domo da Rocha no local onde o Profeta Maomé iniciou a sua viagem para o céu (Meraj) no Monte do Templo em Jerusalém. Uma década depois, seu filho al-Walid I ordenou a construção da Mesquita de Al-Aqsa. Foi também neste período que os judeus e cristãos foram aceitos como "povos do Livro", que aceitava as raízes monoteísticas comuns que as duas religiões compartilham com o Islã.

O próprio califa era um entusiasta da arquitetura e mandou reformar e remobiliar a Mesquita de al Nabawi, em Medina. Ele também construiu diversos caminhos pelas montanhas e poços nas estradas em Hejaz[4] . Além disso, ele também mandou demolir a basílica cristã em honra a João Batista para construir uma grande mesquita, hoje conhecida como "Grande Mesquita de Damasco" ou Mesquita dos Omíadas (em árabe: جامع بني أمية الكبير, transl.: Ğām' Banī 'Umayyah al-Kabīr). Inicialmente, a conquista muçulmana de Damasco em 636 não afetou a igreja, pois o edifício era compartilhado pelos fiéis cristãos e muçulmanos. Com o tempo, estes construíram uma estrutura de tijolos de barro encostada na parede sul da igreja para que os cristãos pudessem rezar. De acordo com a lenda, o próprio al-Walid I iniciou a demolição cravando um prego de ouro na estrutura.

A mesquita abriga um santuário no qual acredita-se estar preservada a cabeça de João Batista, que é considerado um Profeta do Islã e chamado Yahya. Supostamente, a cabeça foi encontrada durante as escavações para a construção da mesquita. O Mausoléu de Saladino está ali também, num pequeno jardim anexo à muralha norte.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Dinar de al-Walid I.

Foi também Al-Walid que ligou definitivamente a islamização com a arabização. A conversão não era obrigatória para os povos conquistado, porém, uma vez que os não muçulmanos tinham que pagar impostos adicionais, muitas pessoas preferiam se converter. Este fato criou diversos problemas, particularmente por que o Islã estava fortemente ligado ao povo árabe, com sua forte identidade tribal, parentesco e descendência. Como cada vez mais muçulmanos agora eram não-árabes, o status e a cultura do povo fundador do Islã ficou sob ameaça. Em particular, uma grande quantidade de egípcios falantes do copta e de muçulmanos falantes do persa começaram a ameaçar a própria língua na qual o islamismo se baseava. Em parte para mitigar essa ameaça, al-Walid institui o árabe como a única língua oficial do império e decretou que todas as transações oficiais deveriam ser feitas nessa língua. Assim, ele cimentou a primazia do árabe no mundo islâmico.

Era o início do que se tornaria uma guerra civil no Islã, o movimento foi liderado pelos mawali, os muçulmanos não árabes que se sentiam discriminados pelos muçulmanos árabes.

Valladolid[editar | editar código-fonte]

É possível que a origem do nome da cidade espanhola de Valladolid esteja relacionado com al-Walid I, que era o califa na época da conquista muçulmana. Na época do al-Andalus a cidade chamava-se Balad al-Walīd (بلد الوليد), que significa "lugar de Walid"[5] .

Referências

  1. Muhammad and conquests of Islam by Francesco Gabreili
  2. Muhammad ibn Jarir al-Tabari, v. 23.
  3. al-Tabari v. 23, p. 156f
  4. al-Tabari v. 23, p. 144
  5. José M.ª Calvo Baeza, Nombres de lugar españoles de origen árabe, Madrid: Darek-Nyumba (Pliegos de Encuentro Islamo-Cristiano, 11), 1990.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]