Antônio Parreiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antônio Parreiras
Nome completo Antônio Diogo da Silva Parreiras
Nascimento 20 de Janeiro de 1860
São Domingos, Niterói
Império do Brasil Império do Brasil
Morte 17 de Outubro de 1937
Niterói, RJ
 Brasil
Nacionalidade Império do Brasil Brasileira
Ocupação Pintor, ilustrador, escritor e professor

Antônio Diogo da Silva Parreiras (Niterói, 20 de janeiro de 1860 – Niterói, 17 de outubro de 19371 ) foi um pintor, desenhista, ilustrador, escritor e professor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Parreiras era filho de brasileiros natos, o Major Jacinto António Diogo Parreiras e de D. Maria Rosa da Silva Parreiras.2 , sendo um dos nove filhos de uma família chefiada por pai ourives.3

Ingressou em 1882, aos 22 anos de idade, na Academia Imperial de Belas Artes do Rio de Janeiro, que abandonou em 1884 para frequentar o curso livre de pintura do professor alemão Georg Grimm. Com a viagem de seu mestre para o interior do Brasil, continuou os seus estudos de forma autodidata em 1885.

Viajou para a Europa em 1888, aperfeiçoando suas técnicas na Accademia di Belle Arti di Venezia, na Itália.

De volta ao Brasil em 1890, participou da Exposição Geral de Belas Artes no Rio de Janeiro. No mesmo ano tornou-se professor de pintura de paisagens na Escola Nacional de Belas Artes. Seguindo os ensinamentos de Grimm, levou os seus alunos para pintar ao ar livre, expondo esses trabalhos em 1892.

Iniciou estudos ao ar livre nas matas de Teresópolis, sintetizados na tela Sertanejas. Tendo recebido encomendas para pintar episódios históricos, a partir de 1899 realizou vários trabalhos para palácios do governo, como a Alegoria a Apollo e às Deusas das Horas de 1925 no teto do salão nobre do Palácio da Liberdade em Belo Horizonte. Entre seus trabalhos históricos destacam-se a Conquista do Amazonas e Lembrança da visita de Oscar I, rei da Suécia e Noruega. Além dessa vertente, dedicou-se paralelamente aos nus femininos, que pintava com grande sensualidade, como pode ser apreciado em Flor brasileira, Fantasia e Frinéia.

Artista da belle époque, em 1925 foi considerado o pintor mais popular do país. Publicou a sua autobiografia em 1926 (História de um Pintor contada por ele mesmo), com isso ingressando na Academia Fluminense de Letras.

Participou em 1933 das exposições comemorativas do Jubileu Artístico em São Paulo e em Niterói, onde veio a falecer em 1937. O seu ateliê foi transformado, em 1941, no Museu Antônio Parreiras.

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

  • Medalha de Ouro (Exposição do Centenário da Independência, 1918)
  • Medalha de Honra (Exposição do Centenário da Independência, 1918)
  • Grande Medalha (Exposição do Centenário da Independência, 1922)
  • Medalha de Ouro (Exposição Universal de Barcelona, Espanha, 1929)

Referências

  1. Antônio Parreiras. História de um pintor. Diário oficial; 1943.
  2. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais. O Instituto; 1960.
  3. Antônio Parreiras; Valéria Salgueiro. Antônio Parreiras: notas e críticas, discursos e contos : coletânea de textos de um pintor paisagista. Editoria da Universidade Federal Fluminense; 2000. ISBN 978-85-228-0303-3.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antônio Parreiras